Imagem da matéria: “Seis Samurais” lançam plano para reviver a versão original do token derretido LUNA
Shutterstock

Seis desenvolvedores que se autointitulam os “seis samurais”, se uniram para tentar reviver a versão original da criptomoeda derretida LUNA, que passou a se chamar Terra Classic (LUNC) após a blockchain Terra ser dividida entre Terra Classic (a blockchain original) e Terra 2.0 (a nova rede gerada em maio de 2022).

No final de semana, o grupo de desenvolvedores liderado por “Bilbo Baggins” e por “Solid Snake” publicou uma proposta de governança que tem o objetivo de “agregar valor à blockchain Terra Classic para empurrar a cadeia para onde ela merece ir”.

Publicidade

Se aprovada a proposta, os “seis samurais” prometem se dedicar por três meses a construir as melhorias necessárias para alavancar a rede. Para isso, querem que a comunidade concorde em lhes conferir US$ 116 mil para financiar o trabalho dos seis desenvolvedores por um trimestre.

Como aponta do CoinDesk, algumas das promessas listadas na proposta incluem fazer atualizações na rede para reduzir o tempo de sincronização entre os nós, lançar uma rede de testes de TerraUSD (USTC) — a antiga stablecoin algorítmica UST —, um aplicativo para gerar rendimento aos detentores de token e um plano para recompensar os desenvolvedores pelo atividade do usuário gerada por seus aplicativos.

“LUNC tem potencial de crescimento ilimitado e queremos ajudar a realizá-lo, aproveitando nossas habilidades para agregar valor a blockchain e a todos seus investidores para um verdadeiro renascimento do ecossistema. Para conseguir isso, estamos preparados para fazer o trabalho duro”, promete o grupo de desenvolvedores anônimos.

LUNC vs LUNA

A expectativa dessas melhorias é agregar valor para a blockchain que ficou “abandonada” após o colapso da Terraform Labs, empresa que estava por trás do desenvolvimento da criptomoeda.

Publicidade

A mudança de versões da blockchain foi uma medida de emergência feita em maio do ano passado após a LUNA desabar e perder quase todo seu valor de mercado como efeito da perda de paridade da stablecoin UST — um evento que levou a ruína do criador do projeto, o sul-coreano Do Kwon, que atualmente está preso.

Mais de um ano depois, a versão original da moeda LUNA continua viva, embora muito distante da glória que um dia teve. Curiosamente, a versão original da moeda possui hoje mais valor de mercado do que a sua sucessora.

Dados do CoinMarketCap mostram que a capitalização de mercado de Terra Classic (LUNC) nesta segunda-feira (26) está por volta de US$ 531 milhões — valor que garante ao ativo a 75ª colocação no ranking das maiores criptomoedas do setor. Apesar disso, o preço da LUNC continua 100% abaixo da sua máxima histórica, valendo apenas US$ 0,000091.

Em comparação, a nova versão da Terra (LUNA) registra hoje uma cotação um pouco mais alta, de US$ 0,65, porém sua capitalização de mercado é menos da metade que da blockchain original, por volta de US$ 198 milhões.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Memecoin que usa nome de Trump rouba R$ 410 mil de investidores

Memecoin que usa nome de Trump rouba R$ 410 mil de investidores

Endereço despejou uma enorme quantidade do token TrumpAI, recebeu R$ 410 mil em WETH e derrubou o preço em 100%
Imagem da matéria: Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Em maio de 2022, o ecossistema da Terra (LUNA) entrou em uma “espiral da morte” que levou uma das criptomoedas consideradas mais promissoras daquele ano a cair para zero em 24 horas
Imagem da matéria: CEO da Grayscale deixa cargo: "Momento certo para transição"

CEO da Grayscale deixa cargo: “Momento certo para transição”

A Grayscale, uma das maiores gestoras de criptomoedas do mundo, anunciou que Michael Sonnenshein está deixando o cargo de CEO
Imagem da matéria: Tom Brady é ridicularizado por ligação com FTX em especial da Netflix

Tom Brady é ridicularizado por ligação com FTX em especial da Netflix

Brady e sua ex-esposa, Gisele Bündchen, adquiriram uma participação acionária na falida FTX em 2021