Imagem da matéria: Seguranças da BWA tentam impedir mandado de busca e polícia é chamada para garantir apreensão
Escritório da empresa da Santos (Foto: Portal do Bitcoin)

Um mandado de busca e apreensão emitido contra a empresa BWA, na última segunda-feira (3), em Santos (SP), encontrou dificuldades para ser concretizado e necessitou de ajuda policial.

A busca foi autorizada pela Justiça ainda na sexta-feira (31). No momento da chegada do oficial de justiça, apenas cinco funcionários estavam presentes nas instalações: dois seguranças, uma recepcionista, um preposto e um advogado do grupo, Pedro Henrique Andrade da Silva.

Publicidade

Os seguranças da BWA tentaram impedir que o oficial de justiça vasculhasse uma das salas ocupadas pela empresa. O advogado Rodrigo Oliveira Staut, que acompanhou a ação, contou que o mandado só foi cumprido efetivamente mediante reforço da Polícia Militar.

A partir do mandado, foram apreendidos da sede itens de mobiliário, como mesas de reunião, cadeiras, dois televisores e carpetes. Os cerca de 60 computadores que estavam nas instalações antes da crise já tinham sido removidos antes de 16 de dezembro passado, quando ocorreu ação semelhante na BWA.

“Eles já estavam removendo tudo da empresa desde antes de 16 de dezembro”, afirmou Staut, lembrando que o oficial de justiça flagrou um funcionário da BWA tentando levar um dos televidores da sede.

A BWA chegou ainda a pedir reconsideração do mandado antes de sua execução, o que foi negado pela Justiça.

Inadimplente, BWA tem bens levados de escritório por clientes que sofreram calote
Inadimplente, BWA tem bens levados de escritório por clientes que sofreram calote.
(Foto: Portal do Bitcoin)

Inadimplente e sujeita a despejo

A empresa, que prometia investimentos em criptomoedas com retornos sempre positivos e mirava um público com alto poder aquisitivo, não paga seus investidores desde novembro passado.

Publicidade

Levantamento feito pelo Portal do Bitcoin aponta que, até 15 de janeiro, a BWA respondia a 110 ações somente na Justiça de São Paulo, que totalizam R$ 32.417.790,10.

Algumas das ações que correm no Judiciário em relação à BWA incluem a NegocieCoins, exchange do Grupo Bitcoin Banco, e a BAT Exchange.

Além de não pagar clientes, a BWA está inadimplente com o aluguel da sede, que ocupa sete salas no 13º andar do mais importante prédio comercial de Santos, no bairro Aparecida.

A dívida com a Imobiliária Praiamar Corporate já passa de R$ 80 mil e deixa a empresa sujeita a uma ação de despejo do imóvel.

Publicidade

Passado que condena

A BWA tem como proprietária o empresário Paulo Bilibio, que ficou conhecido por ter sido sequestrado por um grupo de policiais civis e ter tornado a história pública no ano passado.

Muito antes disso, porém, ele se envolveu uma das maiores pirâmides financeiras da história do Brasil, a Bbom, da qual foi um dos maiores divulgadores.

Bilibio diz ainda ter um total de R$ 163 milhões retidos junto ao Grupo Bitcoin Banco, com o qual a BWA mantinha uma relação nebulosa. A empresa administradora da recuperação judicial do conglomerado, no entanto, diz que a dívida é bem menor, de R$ 6,9 mi.

Segundo informação do próprio Bilibio à polícia, o dono da BWA atualmente vive na Flórida, nos Estados Unidos. Outros sócios da empresa que ainda residem no Brasil estão proibidos pela Justiça de deixar o país.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Tela de celular mostra logo da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil CVM

CVM ganhou R$ 832 milhões com multas aplicadas em 2023, um aumento de 1.791%

A autarquia também registrou o maior número de casos julgados desde 2019
Rafael Rodrigo , dono da, One Club, dando palestra

Clientes acusam empresa que operava opções binárias na Quotex de dar calote milionário; dono nega

Processos judiciais tentam bloquear R$ 700 mil ligados à One Club, empresa de Rafael Rodrigo
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Livro sobre a ascensão e a queda do “Faraó do Bitcoin” chega às livrarias em maio

Os jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira contam sobre o golpe de R$ 38 bilhões do Faraó do Bitcoin que usou criptomoedas como isca
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode