Imagem da matéria: Rússia descobre centro de mineração de criptomoedas dentro de prisão, afirma imprensa
A prisão de Butyrka fica região central de Moscou (Foto: Wikipédia)

Autoridades na Rússia teriam descoberto uma operação clandestina de mineração de criptomoedas na ala psiquiátrica de uma penitenciária chamada Butyrka – a mais antiga do país -, localizada na capital Moscou. De acordo com informações do portal de notícias Watcher Guru, o esquema foi montado por funcionários da penitenciária em novembro de 2021 e funcionou até fevereiro deste ano.

No período em esteve funcionando, a operação teria gastado 8.400 quilowatts (kW) de eletricidade que deveria ser usada para manter o funcionamento da prisão. O custo aos cofres públicos teria sido de cerca de 62 mil rublos – o equibalente a pouco mais de US$ 1.000.

Publicidade

Um servidor público em nível de gerência teria montado a mineração com a ajuda de colegas de trabalho da prisão. Segundo o Watcher Guru, a Comissão de Investigação da Federação Russa estaria investigando o caso como abuso de autoridade.

Butyrka é uma prisão construída no século 17 e fica localizada na região central de Moscou. Durante o período imperial da Rússia (antes da Revolução Comunista de 1917) teria sido a unidade de trânsito central para transferência de presos. Já durante a União Soviética (1917 até 1991) teria sido local para onde foram enviados diversos presos políticos.

Rússia e mineração de Bitcoin

O Ministério de Desenvolvimento Econômico da Rússia apresentou no início desse ano uma proposta que legaliza e cobra impostos pela mineração de bitcoin (BTC) em regiões com superávit de eletricidade.

A entidade afirma que a mineração de bitcoin, que existe em uma espécie de área cinzenta e não regulada, deve ser reconhecida como uma forma de “atividade comercial” e tributável quando moedas forem convertidas em rublos russos.

Publicidade

Conforme noticiado pela agência de notícias local Izvestia na terça-feira (15), a proposta foi criada para que o país possa se beneficiar da mineração enquanto não sobrecarrega sua rede elétrica em áreas vulneráveis (um problema enfrentado por outros países, como o Irã e o Cazaquistão).

Putin vê vantagens russas na mineração

Em janeiro deste ano, o Banco Central da Rússia recomendou o banimento total das criptomoedas no país, incluindo a emissão, negociação e mineração de criptoativos.

Mas o presidente Vladimir Putin defendeu o potencial de seu país explorar o ascendente mercado de mineração, segundo o jornal Vedomosti.

“Claro que também temos algumas vantagens competitivas aqui, principalmente na chamada mineração. Refiro-me ao excedente de energia elétrica e ao pessoal bem treinado disponível no país”, disse

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MB lança cesta inteligente: estratégia prática para investir em criptoativos

MB lança cesta inteligente: estratégia prática para investir em criptoativos

A ferramenta é elaborada pelo MB Research, proporcionando autobalanceamento a cada 30 dias para manter o equilíbrio e aproveitar oportunidades de ganho
Imagem da matéria: Tether lança outra stablecoin atrelada ao dólar, só que com lastro em ouro

Tether lança outra stablecoin atrelada ao dólar, só que com lastro em ouro

O recém-nascido token “Alloy” (aUSDT) será apoiado por reservas de ouro sobrecolateralizadas, em vez de títulos do Tesouro dos EUA
camisas das seleções da itália e Argentina

Socios.com lança colecionáveis que celebram o legado das seleções da Itália e Argentina

Para participar do ‘The Fabric of Champions’, os detentores de fan tokens podem bloquear seus ativos até 15 de julho
Martin Shkreli o Pharma Bro, posa para foto em banco de praça

“Pharma Bro” assume estar por trás da DJT, polêmica memecoin inspirada em Trump

Martin Shkreli, o “Pharma Bro”, disse ter mil provas de que criou o token DJT com o filho de Donald Trump