Imagem da matéria: Renner sofre ataque ransomware e hackers pedem criptomoedas para liberar dados
Foto: Divulgação

As lojas Renner sofreram um ataque hacker estilo ramsonware nesta quinta-feira (19), que deixou os sistemas de parte da companhia fora ar. O site da Renner e o aplicativo estão fora do ar. Em nota, a empresa confirmou o problema.

As quantia pedida para liberar os sistemas não foi revelada, mas informações sobre o ataque dizem que é de cerca de US$ 1 bilhão a serem pagos em criptomoedas.

Publicidade

A reportagem conseguiu apurar que o ataque foi feito pelo mesmo grupo que invadiu a Embraer, o RamsonMexx. Pelo perfil do grupo, caso o resgate não seja pago, os dados sob poder dos hackers serão tornados públicos.

Não se sabe a extensão do dano, mas uma pessoa familiarizada com o ataque afirmou ao Portal do Bitcoin que 1300 servidores foram comprometidos.

O que diz a Renner

Em nota, a Renner disse que “sofreu um ataque cibernético criminoso em seu ambiente de tecnologia da informação, que resultou em indisponibilidade em parte de seus sistemas e operação e prontamente acionou seus protocolos de controle e segurança para bloquear o ataque e minimizar eventuais impactos”.

Conforme a empresa, a maior parte das operações já foram restabelecidas e os principais bancos de dados permanecem preservados.

Ataques Ransomware

Um ataque ransomware é quando um vírus infecta os servidores de uma instituição e criptografa todos os arquivos, impossibilitando qualquer acesso à rede. Para remover a criptografia, os hackers exigem que as vítimas façam um pagamento em criptomoedas, geralmente Bitcoin (BTC) ou Monero (XMR).

Publicidade

Mesmo que a empresa ceda à chantagem e faça o pagamento, não há garantias que os invasores irão cumprir a promessa e liberar o acesso aos servidores. Com frequência, esse tipo de ataque também rouba arquivos sigilosos da instituição e os utiliza como arma para pedir um resgate maior, ameaçando torná-los públicos.

Dentre os casos recentes de sequestro com ransomware, está o ataque à Kaseya, empresa de TI localizada na Flórida (EUA). No mês passado, os hackers pediram US$ 70 milhões em bitcoin para devolver o sistema à companhia, que é conectada com clientes de vários países. Por conta disso, o problema gerou um efeito cascata. 

No início de maio, a Colonial Pipeline, operadora de dutos de combustíveis dos Estados Unidos, também teve que enfrentar um ataque de ransomware, mas acabou cedendo aos cibercriminosos 75 bitcoins — cerca de US$ 4 milhões na ocasião — montante que mais tarde foi recuperado pelo FBI.

Ainda no mês de maio, a JBS Holdings , maior empresa de carnes do mundo em número de vendas, também pagou um resgate de US$ 11 milhões após o mesmo tipo de ataque.

Publicidade

Ataques no Brasil

Em abril deste ano, hackers atentaram contra o sistema do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, mas a equipe técnica do órgão conseguiu reverter a situação. Na ocasião, não foi informado se houve pedido de resgate, apesar de rumores.

No ano passado, no Brasil, várias instituições públicas e privadas também foram alvo de hackers, como o sistema de informática da prefeitura Candiota (RS), a companhia de energia Light, no RJ. No fim de 2019, o porto de Fortaleza (CE) também foi alvo de cibercrime.

*Colaboraram Saori Honorato e Wagner Riggs

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo