Imagem da matéria: FBI recuperou criptomoedas de ataque hacker, mas não violou o Bitcoin
Foto: Shutterstock

O FBI, a Polícia Federal dos Estados Unidos, recuperou 63,7 bitcoins (cerca de US$ 2,1 milhões) do ataque de ransomware sofrido pela operadora de dutos americana Colonial Pipeline no mês passado, revelou o Departamento de Justiça dos EUA em nota na segunda-feira (07). A blockchain do ativo, contudo, não foi violado.

Na ocasião, a empresa pagou 75 bitcoins de resgate para os hackers devolverem seu sistema, e ficou num prejuízo de cerca de US$ 4 milhões.

Publicidade

Segundo a publicação, a recuperação dos bitcoins foi feita por meio do acesso à chave privada dos cibercriminosos, o que dá a entender que o FBI rastreou a conta e hackeou o usuário.

“Ao revisar o blockchain do Bitcoin, as autoridades foram capazes de rastrear várias transferências de bitcoin e identificar que aproximadamente 63,7 bitcoins foram transferidos para um endereço específico, para o qual o FBI tem a ‘chave privada’ ou o equivalente aproximado de uma senha necessária para acessar ativos acessíveis a partir do endereço Bitcoin específico”, explicou o DoJ.

“Seguir o dinheiro continua sendo uma das ferramentas mais básicas, embora poderosas, que temos”, disse a procuradora-geral Lisa O. Monaco. A ação de recuperação foi autorizada pelo juiz Laurel Beeler, da corte do Distrito Norte da Califórnia.

Bitcoin não foi hackeado

“O Bitcoin não foi hackeado”, comentou o caso Adam Back, CEO e cofundador da Blockstream e uma das pessoas mais importantes no mercado cripto. “Nenhuma carteira de bitcoin foi hackeada, nem é possível. Os hackers do ransomware alugaram um servidor em nuvem. O FBI conseguiu intimá-los e assumiu o controle e recuperou as moedas. É isso.”, disse Back no Twitter.

Publicidade

O usuário ‘Alex aka The Pump Caller’ então o questionou e disse que da forma como ocorreu pode ser considerada uma ação hacker do FBI, ao que Back respondeu: “Sim, mas eles provavelmente usaram a intimação para que o provedor de serviços de nuvem redefinisse as senhas de root e lhes desse acesso”.

FBI e Força-Tarefa contra hackers

A Colonial Pipeline foi alvo de um ransomware e pagou 75 bitcoins — cerca de US$ 4 milhões na ocasião — para hackers devolverem seu sistema. De acordo com o FBI, o hack da operadora de dutos de combustíveis estaria ligado a um grupo de cibercriminosos identificado como DarkSide, formado por hackers do Leste Europeu e da Rússia.

Uma ferramenta de descriptografia para restaurar rede de computadores desativada foi encaminhada para a empresa logo após o pagamento.  Por causa do ataque, a companhia – responsável pelo fornecimento de metade do gás, diesel e combustível de aviação da Costa Leste dos EUA – havia paralisado sua operação. Isso elevou o preço do gás e gerou uma crise política no país.

Nos Estados Unidos, desde o início do ano uma força-tarefa formada por 65 organizações estuda formas de combater o avanço dos ataques de ransomware. Em abril, o grupo publicou um relatório de 80 páginas que, entre outras recomendações, pede por um endurecimento da fiscalização das criptomoedas nos EUA.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem por detrás de uma pessoa algemada

Interpol prende hacker que roubou R$ 260 mil da Polícia de Buenos Aires e lavou fundos com USDT

Liderado por um venezuelano, preso nos EUA, o grupo roubou R$ 8 milhões de entidades argentinas através de um malware de origem brasileira
moeda de bitcoin sob nota de dinehiro da nigéria

Tensão entre Binance e Nigéria escala após CEO acusar governo de suborno de R$ 770 mi

Funcionário do governo nigeriano disse que alegações são infundadas e que disputa contra Binance deve ser resolvida na Justiça
Anic de Almeida Peixoto Herdy é casada com herdeiro da Unigranrio

Herdeira é sequestrada em Petrópolis e criminosos exigem resgate em Bitcoin

Técnico de informática amigo do casal conversou com sequestradores por entender de criptomoedas e foi preso por suspeita de envolvimento
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink