Imagem da matéria: Quinto maior pool de mineração de bitcoin abandona China por causa da repressão
Foto: Shutterstock

O BTC.com, um dos maiores pools de mineração de bitcoin, 5º em hashrate, começa a deixar o mercado da China a partir desta sexta-feira (15), conforme anúncio de sua operadora, BIT Mining, empresa listada na Bolsa de Valores de Nova York. Segundo a nota oficial publicada na quinta (14), o motivo da saída do país asiático é pelo cumprimento dos regulamentos locais.

“O BTC.com interromperá o registro de novos usuários da China continental e espera começar a cancelar as contas dos usuários existentes na China continental de maneira ordenada a partir de 15 de outubro de 2021”, diz a nota da BIT Mining.

Publicidade

Ainda segundo a companhia, a descontinuação do serviço do BTC.com para usuários na China deve impactar a receita da empresa. Isso porque a subsidiária é um conglomerado de negócios, como pool, navegador, comerciante de criptomoedas.

A empresa concluiu afirmando que recentemente o BTC.com firmou um contrato para adquirir uma fabricante de máquinas de mineração com o objetivo de aumentar sua autossuficiência e fortalecer sua posição competitiva. O BTC.com é responsável por 9% de toda a mineração bitcoin; em 2018 chegou a liderar o setor com 28,2% do hashrate total da rede.

Antpool vai deixar de atender China

Também na quarta-feira, a Antpool, gigante no hashrate do Bitcoin, avisou o mercado chinês que vai deixar de oferecer os seus serviços. A partir desta sexta, diz a nota, a empresa começa uma transição para “cumprir os regulamentos relevantes do governo chinês” e ordenar sua base de clientes globais. Para isso, a empresa publicou as duas primeiras medidas:

Sistema de verificação KYC (Conheça seu Cliente) on-line, a autenticação global de usuários registrados para ajudar os usuários a cumprir as leis e regulamentos de sua localização; E o bloqueio de IPs oriundos da China, com exceção a Hong Kong e Taiwan.

Publicidade

Criptomoedas na China

No mês passado, o governo chinês iniciou uma nova onda de repressão às criptomoedas no país, dando continuidade às proibições que já impôs ao setor no passado, proibindo a mineração, o comércio e acesso ao sistema financeiro de intermediadores.

Com a imposição do governo da China, pelo menos quatro das maiores mineradoras que atuam no país já deixaram a região asiática — Bee Pool e Spark Pool, respectivamente quarta e segunda maiores pool de mineração de Ethereum, até então, haviam sido as últimas a baixar as portas. Agora, o Judiciário do país estuda como processar e sentenciar usuários de criptomoedas.

A ação do país asiático faz com que os mineradores migrem para os Estados Unidos e para outros países do ocidente. Aliás, de acordo com um estudo recente da Universidade de Cambridge, os EUA se tornaram líderes globais na indústria de mineração de Bitcoin.

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com gráficos de ações e criptomoedas em queda no fundo

Preço de tokens BRC-20 da rede Bitcoin despencam antes do halving — Runes é o culpado?

Em semana crucial para a principal rede de criptomoedas, a ORDI caiu mais de 40%
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Quedas resultaram em quase US$ 200 milhões em posições de derivativos alavancadas liquidadas em diversos criptoativos, segundo CoinGlass
Pai Rico Pai Pobre Robert Kiyosaki posa para foto

Autor de “Pai Rico, Pai Pobre” explica por que não vai comprar ETF de Bitcoin

Robert Kiyosaki defende há anos Bitcoin, ouro e prata como as maiores reservas de valor
Baleia dourada envolto a moedas de bitcoin

Baleia adormecida por 14 anos movimenta R$ 17 milhões em Bitcoin

As transações dos 50 BTCs oriundos da recompensa de bloco em 2010 ocorreram nesta manhã de segunda-feira (15)