Imagem da matéria: Qual é o real papel das criptomoedas na guerra entre Israel e Palestina?
Fumaça sobe após os ataques aéreos israelenses à cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza em outubro de 2023 (Foto: Shutterstock)

Um grupo bipartidário de 29 senadores e 76 congressistas dos Estados Unidos, liderados pelos senadores Sherrod Brown (D-OH) e Elizabeth Warren (D-MA), enviou na quarta-feira (19) uma carta aos principais conselheiros do presidente Joe Biden, exigindo respostas quanto ao papel desempenhado pelas criptomoedas no patrocínio de recentes ataques do Hamas contra Israel. Eles também pressionaram a Casa Branca em seus planos para prevenir o terrorismo financiado por criptos no futuro. 

A carta marca a mais recente escalada em Washington de uma narrativa em desenvolvimento de que as criptomoedas foram um fator-chave em uma série de ataques realizados pelo grupo militante Hamas em Israel no início deste mês, que resultou na morte de mais de mil israelenses e na tomada de pelo menos 150 reféns, de acordo com o governo israelense.

Publicidade

O Hamas, que controla o Território Palestino da Faixa de Gaza, já usou criptoativos como ferramenta de captação de recursos desde 2019. Mas os analistas que acompanham o grupo estão recuando contra as afirmações de que cripto está desempenhando um papel importante no desenrolar da crise em Israel e na Palestina, ou que a tecnologia financeira representa maiores ameaças à segurança do que outras formas de financiamento.

“Os criptoativos constituem uma parte muito, muito pequena de um quadro de arrecadação de fundos muito maior quando se trata do Hamas”, disse ao Decrypt Ari Redbord, chefe global de política da TRM Labs — uma empresa de inteligência blockchain que rastreia crimes relacionados com ativos digitais.

Desde que a violência eclodiu em Israel em 7 de outubro, apenas uma quantidade “relativamente pequena” de criptomoedas foi levantada pelo Hamas ou grupos que apoiam a organização, de acordo com Redbord. 

Blockchain como aliada

A TRM, como as agências de aplicação da lei em todo o mundo, rastreia e analisa dados de carteiras digitais potencialmente afiliadas ao crime em blockchains — livros públicos imutáveis que registram as transações cripto.

Publicidade

Essa transparência muitas vezes torna mais fácil para a aplicação da lei identificar carteiras e conseguir com que exchanges centralizadas congelem fundos do que monitorar e controlar contas bancárias tradicionais. Nos últimos anos, as autoridades norte-americanas e israelitas apreenderam fundos em centenas de carteiras cripto associadas ao Hamas.

O ex-diretor da CIA, Michael Morell, já chegou a chamar o Bitcoin de “benefício para a vigilância” que deveria ser adotado por governos em todo o mundo. 

“Você não pode fazer isso no mundo tradicional, onde você está lindando com redes de hawalas, empresas de fachada e contrabando de dinheiro em massa”, disse Redbord. Hawala refere-se a um método informal para transferir dinheiro sem mover fundos que tem sido usado há séculos. 

“O que está faltando neste debate”, continuou ele, “é que os investigadores são capazes de alavancar o poder das blockchains para investigar esses casos de maneiras que nunca poderíamos antes, e isso está levando a muitos sucessos”.

Publicidade

Embora Redbord reconheça que as organizações terroristas usaram criptoativos como meio de arrecadar fundos no passado, ele argumenta que esses mesmos terroristas usarão quaisquer ferramentas de arrecadação de fundos à sua disposição, incluindo métodos bancários tradicionais.

“Existem riscos financeiros ilícitos em todos os sistemas financeiros”, afirmou. “Mas não se fala em derrubar o setor bancário porque os bancos estão sendo usados para transferir fundos para o Hamas.”

O ataque à indústria cripto

No Capitólio, os aliados da indústria cripto começaram a recuar contra as afirmações de que as redes blockchain são desproporcionalmente responsáveis pelo financiamento de atividades criminosas ou terrorismo global. Alguns chegaram ao ponto de expressar que a maneira pela qual os legisladores estão alavancando a turbulência geopolítica para buscar restrições às criptomoedas está na fronteira com o cínico. 

“Eu acho que a situação foi usada de forma oportunista e de maneiras bastante desagradáveis”, disse Sheila Warren, CEO do grupo de lobby da indústria,The Crypto Council for Innovation. “Eu sei que algumas dessas pessoas sabem que não devem fazer isso.”

Para Warren, a grande ironia do atual discurso político contra cripto é que a atual hostilidade do governo americano às criptomoedas servirá apenas para empurrar a indústria para fora dos EUA, em direção a outros países, onde será ainda mais difícil vigiar.  

Publicidade

“Não são as exchanges baseadas nos EUA que são o problema — é o offshore”, disse Warren. “E quanto mais você torna essa tecnologia offshore, mais você está abrindo espaço para os terroristas usarem essas ferramentas. Isso é apenas um fato.”

Políticos céticos em relação aos criptoativos há muito pintam a tecnologia como “sombria”, o que implica que ela pode ser mais facilmente usada para contornar leis ou manobrar restrições físicas do que outras formas de moeda. A escalada da crise humanitária que se desenrola no Oriente Médio está, num sentido sombrio, a provar o contrário. 

Nos dias que se seguiram ao ataque do Hamas, os militares israelitas retaliaram lançando milhares de bombas na densamente povoada Faixa de Gaza, matando mais de 3.300 pessoas, segundo as autoridades de saúde palestinas. O governo israelense também cortou toda a água, alimentos, remédios e eletricidade para o território, desencadeando uma crise humanitária.

Numerosas organizações sem fins lucrativos tentaram enviar caminhões de ajuda para Gaza via Egito, mas até agora foram impedidos de entrar no território por contínuos bombardeios israelitas. O presidente Biden anunciou durante sua visita a Israel na quarta-feira que tinha provisoriamente chegado a um acordo com Israel e Egito para permitir que 20 caminhões de ajuda entrem em Gaza.

Criptomoedas podem ajudar palestinos

Steve Sosebee, Presidente e fundador do Fundo de Ajuda às crianças da Palestina (PCRF), que fornece assistência médica gratuita e outros serviços essenciais para a juventude Palestina, disse que sua organização solicita doações em moeda fiduciária e cripto.

O PCRF recebeu apenas algumas doações de criptomoedas, disse Sosebee, e está aberto a usar ainda mais os ativos digitais — mas a organização sem fins lucrativos está atualmente enfrentando problemas que não podem ser resolvidos passando de bancos tradicionais para redes blockchain. 

Publicidade

“Obter fundos não é o desafio no momento”, disse Sosebee ao Decrypt. “Nem é angariação de fundos para esse assunto. O desafio é conseguir a ajuda que prestamos, com esse dinheiro, às pessoas no terreno que estão sitiadas. E não há acesso.” 

Suprimentos comprados pelo PCRF e outras instituições de caridade palestinas em moeda fiduciária, e aqueles comprados com cripto, atualmente não podem ser enviados para Gaza. Para Sosebee, e para aqueles que estão em Gaza no epicentro da crise atual, a questão cripto x fiat rapidamente se tornou uma distinção sem diferença.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Bittensor paralisa blockchain após suposto vazamento de chaves privadas de carteiras

Bittensor paralisa blockchain após suposto vazamento de chaves privadas de carteiras

US$ 8 milhões em tokens TAO já foram desviados por hackers
Imagem da matéria: Robinhood planeja lançar contratos futuros de criptomoedas, diz Bloomberg

Robinhood planeja lançar contratos futuros de criptomoedas, diz Bloomberg

Produtos seriam lançados para mercado dos Estados Unidos e Europa em 2025 por meio das licenças da Bitstamp, comprada em junho
Imagem da matéria: PF derruba quadrilha que enviou R$ 1,6 bilhão para exterior com uso de criptomoedas e doleiros

PF derruba quadrilha que enviou R$ 1,6 bilhão para exterior com uso de criptomoedas e doleiros

Estima-se que foram importados para o país mais de 500 mil telefones celulares pela organização criminosa nos últimos cinco anos
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Queda de 4% leva o Bitcoin abaixo de US$ 60 mil e provoca liquidações de US$ 307 mi

Manhã Cripto: Queda de 4% leva o Bitcoin abaixo de US$ 60 mil e provoca liquidações de US$ 307 mi

É a primeira vez desde o início de maio que o Bitcoin apresenta uma cotação tão baixa