Imagem da matéria: PicPay segue Nubank e promete liberar negociação de bitcoin
Foto: Shutterstock

O PicPay anunciou nesta segunda-feira (11) o seu plano de incluir serviços de criptomoedas no seu aplicativo de pagamentos, seguindo os passos de outras concorrentes no mercado tradicional que começaram a se aventurar no meio cripto.

A partir de agosto, os 30 milhões de clientes ativos do PicPay no Brasil poderão comprar Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH), e Pax Dollar (USDP) — stablecoin lastreada ao dólar — direto no PicPay e armazená-las na carteira do aplicativo.

Publicidade

Embora a empresa ainda não tenha confirmado, fontes familiarizadas com negócio disseram ao Portal do Bitcoin que a empresa parceira é a Paxos, que opera os sistemas do Mercado Pago e do Nubank. Na prática, isso significa que não será possível sacar os ativos para uma carteira individual.

Esses ativos poderão ser usados para fazer transações no PicPay com a mesma simplicidade que o real. O cofundador do PicPay, Anderson Chamon, disse ao NeoFeed que o usuário “vai poder pagar boleto, contas, PIX usando cripto”. A previsão é que até o final do ano, mais de 100 criptomoedas diferentes estejam disponíveis no aplicativo.

Ele afirma ao veículo que a inclusão de serviços com criptomoedas no aplicativo não será apenas um “produto acessório”, e sim uma linha de negócios importante.

O uso de criptomoedas para pagamentos do dia a dia também não deve sofrer resistência de comércios que aceitam PicPay, já que no momento que o usuário usar cripto para pagar sua conta, o saldo poderá ser convertido instantaneamente em real ao chegar na carteira do comerciante.

Publicidade

O Portal do Bitcoin questionou se a retirada de criptomoedas para fora do aplicativo será permitido — algo ainda indisponível no Mercado Pago e Nubank — mas até o fechamento da matéria, não recebeu uma resposta oficial. 

PicPay planeja sua própria stablecoin 

Além de permitir a compra e transações de criptomoedas, o PicPay também planeja lançar a sua própria stablecoin pareada ao real, chamada Brazilian Real Coin (BRC). 

Uma stablecoin é um criptomoeda lastreada por ativos que existem no mundo real, como moedas fiduciárias. No caso da stablecoin pareada ao real do PicPay, o seu preço deverá ser sempre R$ 1.

O lançamento dessa stablecoin ainda não tem uma data oficial, mas deve ser o segundo passo da integração das criptomoedas no aplicativo.

Publicidade

Ao NeoFeed, Anderson Chamon explica que foi motivado a criar a stablecoin BRC porque “não existe uma stablecoin robusta lastreada em real”, embora já existam projetos desse estilo no mercado nacional, como a stablecoin Brazilian Digital Token (BRZ).

De qualquer forma, a stablecoin do PicPay pode ter um caso de uso maior para pequenas transações cotianas: “Não será necessário ser um usuário PicPay para usar essa stablecoin. Você pode ser um turista vindo para o Brasil, pegar o Paypal ou outra carteira digital, comprar a BRC em uma exchange e usar no mercado brasileiro”, explica Chamon.

Área Cripto e Web3 do PicPay

Essa série de iniciativas do PicPay no meio cripto faz parte da área “Cripto e Web3” que a empresa começou a estruturar no início do ano. O novo setor é liderado por Bruno Gregory, executivo com atuação no Vale do Silício que comanda uma equipe de 20 pessoas dentro do PicPay focadas na área cripto.

Além de integrar compra, venda e transações de criptomoedas, bem como um projeto de stablecoin, o PicPay também planeja trazer NFTs para a sua plataforma através de um marketplace de negociação integrado ao app.

A expectativa de Chamon é que em um ano, pelo menos 3 milhões de brasileiros usarão os serviços de criptomoedas do PicPay.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda de Bitcoi sob mapa da América comd estaque para Venezuela

Venezuela quer desativar todas as fazendas de mineração de criptomoedas do país

O governador do estado de Carabobo afirmou que o governo está prestes a publicar um decreto que irá proibir a mineração de criptomoedas
Imagem da matéria: El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

A mineração de Bitcoin é feita com energia do vulcão Tecapa, usando 300 processadores voltados para essa atividade
Imagem da matéria: Bitcoin salta 6% e supera US$ 66 mil conforme a inflação desacelera nos EUA

Bitcoin salta 6% e supera US$ 66 mil conforme a inflação desacelera nos EUA

“Os números do CPI dos EUA desencadearam uma ruptura na faixa de ativos de risco”, disse a empresa de Cingapura QCP Capital sobre a alta do Bitcoin
hackers em frente a computadores

Exchange de criptomoedas Rain perde US$ 14,8 milhões em ataque hacker

A exchange disse que já tomou as medidas necessárias e que todas as sua atividades estão funcionando normalmente, inclusive saques