Imagem da matéria: PF faz operação contra esquema do "Sheik das Criptomoedas", acusado de movimentar R$ 4 bilhões no Brasil e nos EUA
Sheik das criptomoedas em festa à fantasia (Foto: Reprodução)

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quinta-feira (6), uma operação contra um grupo que é acusado de organizar um esquema multimlionário e internacional de lavagem de dinheiro a partir de uma pirâmide financeira com criptomoedas como chamariz.

O homem apontado como líder da quadrilha é acusado Francisley Valdevino da Silva, que ficou conhecido como “Sheik das Criptomoedas”, conforme reportagem do portal G1. Ele é acusado de iludir milhares de vítimas que acreditavam nos serviços prometidos através de suas empresas, os quais consistiam no aluguel de criptoativos com pagamento de remunerações mensais que poderiam alcançar até 20% do capital investido.

Publicidade

Alegando vasta experiência no mercado de tecnologia e criptoativos, o investigado levava a erro seus clientes informando possuir grande equipe de traders que realizariam operações de investimento com as criptomoedas alugadas e, assim, gerariam lucro para suportar o pagamento dos rendimentos.

As investigações apontam que a organização criminosa movimentou, no Brasil, cerca de R$ 4 bilhões pelo sistema bancário oficial.

Segundo comunicado da PF para a imprensa, a Operação Poyais cumpre 20 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 23ª Vara Federal de Curitiba. Além disso, houve a decretação judicial de sequestro de imóveis e bloqueio de valores. As ordens judiciais são cumpridas nas cidades de Curitiba, São José dos Pinhais (PR), Governador Celso Ramos (SC), Barueri (SP), São José do Rio Preto (SP) e Angra dos Reis (RJ).

Os suspeitos são acusados de prática de crimes contra a economia popular e o sistema financeiro nacional, de estelionato, de lavagem transnacional de dinheiro e de organização criminosa.

Quem é o Sheik das Criptomoedas

O empresário Francisley Valdevino da Silva – dono da Rental Coins e também conhecido como “Sheik” das criptomoedas – foi sócio do pastor Silas Malafaia em uma outra empresa, voltada para o público cristão. A informação foi divulgada em reportagem do jornal O Globo publicada em junho.

Publicidade

Francisley é mais conhecido como Francis Silva e ficou famoso após Sasha Meneghel, filha da apresentadora Xuxa, ter entrado na Justiça acusando a Rental Coins de ser uma pirâmide financeira e ter lhe causado prejuízo de R$ 1,2 milhão, como mostra matéria do portal Metrópoles.

Em março deste ano o Ministério Público do Paraná divulgou que estava investigando a Rental Coins por conta das reiteradas queixas de clientes por saques travados e bloqueio de dinheiro. De acordo com O Globo, a companhia prometia alugar criptomoedas dos investidores em troca de um retorno de até 5% ao mês, e devolver os tokens após um ano de contrato.

Crimes nos EUA e no Brasil

Em janeiro de 2022, autoridades dos Estados Unidos informaram a Polícia Federal que uma empresa internacional com atuação nos EUA, bem como seu principal gerenciador, um brasileiro residente em Curitiba, estavam sendo investigados em Nova York, por envolvimento em conspiração multimilionária de lavagem de capitais a partir de um esquema de pirâmide de investimentos em criptoativos.

Foi então que a Polícia Federal começou a investigar o suspeito e descobriu que ele possuia mais de cem empresas abertas no Brasil.

Publicidade

Diante das informações e do pedido de cooperação policial internacional, iniciou-se investigação em Curitiba por conta das suspeitas da ocorrência de crimes conexos às fraudes praticados nos EUA pelo brasileiro, notadamente quanto à lavagem transnacional dos recursos ilícitos recebidos no exterior.

Ao longo da investigação, a PF afirma que ficou evidenciado que o investigado criou uma organização criminosa, inclusive com muitos membros de sua família que também eram funcionários de suas empresas, para se apropriar dos valores investidos, tanto em reais como em criptomoedas, pelas vítimas da fraude.

Simultaneamente, constatou-se que a mesma organização criminosa, com parceiros no exterior, desenvolvia fraude semelhante, porém focada em marketing multinível, nos Estados Unidos da América e em ao menos outros 10 países.

Criação de “criptomoeda própria”

Outra estratégia identificada era a suposta criação, pelos criminosos, de criptomoedas próprias, as quais também eram comercializadas através das empresas e garantiriam pagamento de retornos mensais extravagantes. Segundo a PF, rapidamente se constatou que os criptoativos não possuíam lastros e não tinham liquidez no mercado, sendo usadas unicamente para continuidade das fraudes.

Enquanto parte dos recursos dos clientes era usada para pagamentos das remunerações mensais, o restante era usado pelo investigado e pela organização criminosa para aquisição de imóveis de alto valor, carros de luxo, embarcações, reformas, roupas de grife, joias, viagens e diversos outros gastos.

Publicidade

Após dilapidação dos recursos das vítimas, a organização criminosa passou a atrasar e logo deixou de pagar as remunerações mensais contratadas pelos clientes. Da mesma forma, bloqueou os pedidos de saques. Dentre as justificativas dadas, alegou problemas de ordem administrativa, financeira e técnica. Enquanto nenhuma solução concreta foi apresentada, a organização criminosa continuou a usufruir do patrimônio adquirido com os recursos das vítimas.

*Correção: Ao contrário do que foi informado no título, Francisley Valdevino da Silva, conhecido como Sheik das criptomoedas, não foi preso na operação.

Procurando uma corretora segura que não congele seus saques? No Mercado Bitcoin, você tem segurança e controle sobre seus ativos. Faça como nossos 3,8 milhões de clientes e abra já sua conta!

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns