Imagem da matéria: PF indicia falso Rei do Bitcoin por estelionato, crime financeiro e organização criminosa
Claudio Oliveira. (Foto: Divulgação)

A Polícia Federal (PF) indiciou na terça-feira (3) o empresário Claudio Oliveira, o falso ‘Rei do Bitcoin’, pelos crimes de estelionato, organização criminosa, crime contra a economia popular, crime falimentar, crime contra o sistema financeiro e tentativa de embaraço às investigações.

A informação consta em um despacho ao qual o Portal do Bitcoin teve acesso, adicionado pela PF ao processo que corre na Justiça Federal do Paraná.

Publicidade

Preso preventivamente desde o início de julho, ele é acusado de aplicar um golpe de R$ 1,5 bilhão por meio do Grupo Bitcoin Banco, cuja sede ficava em um bairro nobre de Curitiba (PR). A estimativa é que cerca de 7 mil pessoas tenham sido lesadas por ele.

Sua esposa, Lucinara da Silva Oliveira, foi indiciada por estelionato, organização criminosa e crime contra a economia popular.

Outras sete pessoas também foram inidiciadas por crimes falimentares. São elas: Ismair Junior Couto, Johnny Pablo dos Santos, Rodrigo Martinelli Laport, Cibele Cristine Golo dos Santos e Janio Cesar Martins Correa.

Prisão e investigação

Claudio, sua esposa e outros integrantes do esquema foram presos preventivamente no início do mês passado, no âmbito da Operação Daemon da PF.

Durante a ação, também foram apreendidos bolos de dinheiro, artigos e carros de luxo e carteiras físicas de criptomoedas. Na época, a Justiça também determinou o sequestro de imóveis.

Publicidade

No final de julho, a defesa de Claudio e a de Lucinara entraram com pedido de habeas corpus. No caso de Claudio, a Justiça negou. Sua esposa chegou a ser solta, mas teve que voltar para a prisão porque descumpriu um acordo prévio e tentou manter contato com outros investigados.

Relembre o caso Bitcoin Banco

O Grupo Bitcoin Banco, que operou grande parte de 2018, ganhou notoriedade por negociar dentro do seu sistema cerca de R$ 500 milhões por dia, algo que atraiu boa parte dos 7 mil investidores lesados.

No início de 2019, no entanto, a empresa travou os saques. Na época, o falso Rei do Bitcoin disse que o negócio havia sofrido um ataque hacker, o que foi desmentido posteriomente pela Polícia Civil.

A empresa também conseguiu que a Justiça do Paraná aprovasse um processo de recuperação judicial, o que deu mais tempo para ele dilapidar com os recursos captados das pessoas. A recupeção judicial foi transformada em falência em julho.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Atlético-MG, Bahia, Flamengo, Fluminense, Palmeiras, Internacional, São Paulo e Vasco da Gama são times que integram a nova campanha da Chiliz
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Tokenização de ativos enfrenta área cinzenta na declaração de Imposto de Renda |Opinião

Para o autor, a declaração de tokens que representam recebíveis, e outros ativos do mundo real, devem mudar nos próximos anos
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação
Homem aponta controle para TV que emerge imagens em 3D

‘TV 3.0’ que chegará ao Brasil em 2025 vai precisar de internet ou conversor? Entenda

Novo sistema de transmissão para TVs promete enviar som e imagem com qualidades maiores, além de maior interatividade com o espectador