Imagem da matéria: Carros de luxo, joias e dinheiro escondido: as fotos do que PF encontrou na operação contra o Rei do Bitcoin
Carros de luxo de Claudio Oliveira (Foto: Polícia Federal/Divulgação)

A Polícia Federal (PF) apreendeu vários bolos de dinheiro, artigos e carros de luxo e carteiras físicas de criptomoedas durante a Operação Daemon contra o Grupo Bitcoin Banco que ocorreu na manhã desta segunda-feira (05).

Em coletiva de imprensa, a PF confirmou a prisão dos líderes do esquema. Embora não tenha revelado os nomes, sabe-se que se trata de Claudio Oliveira e sua esposa Lucinara.

Publicidade

“O dinheiro dos investidores foi sendo torrado de acordo com a ganância dos fraudadores”, disse o delegado responsável pela operação, Filipe Hille Pace.

Imagens da operação obtidas pela reportagem do Portal do Bitcoin revelam detalhes do que foi achado nas residências e escritórios dos acusados de estelionato, lavagem de capitais, organização criminosa, além de delitos contra a economia popular e o sistema financeiro nacional, segundo comunicado da PF à imprensa.

Relógios e joias

Pelo menos três porta-joias, dois deles bem cheio de artigos que parecem ser se ouro, prata e outras pedras preciosas.

Carros de luxo

Carros de luxo já no pátio da PF. Dentre eles, um Maserati. Essa marca é encontrada facilmente em sites especializados de venda de veículos por um preço que varia entre R$ 300 mil e R$ 500 mil.

Publicidade
Maserati (à dir.)

Carteira física de bitcoin

Carteiras físicas de Bitcoin. O sistema não é muito popular, mas funciona como um meio de pagamento onde quem recebe o dispositivo — que lembra um pendrive — precisa quebrá-lo para acessar a chave privada contendo a criptomoeda, ficando em seguida o aparelho inutilizável.

Dinheiro em espécie

Operação Daemon

Imagens feitas pela polícia sugerem que os agentes fizeram uma busca minusciosa e cada local alvo da da operação.

Investigação Bitcoin Banco

Por cerca de dois anos, as atividades do Bitcoin Banco foram conduzidas com aparência de legalidade até que, em meados de 2019, de maneira súbita, o grupo noticiou que havia sido vítima de um ataque cibernético e, por isso, bloqueou todos os saques de valores das plataformas das corretoras. Começaram então as investigações, enquanto os responsáveis prometiam devolver os fundos dos clientes, o que não ocorreu até então.

O caso foi parar nas mãos da Polícia Federal depois que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) constatou contratos de investimento coletivo. Com o aprofundamento das investigações, vislumbrou-se que o grupo empresarial teria operado um verdadeiro esquema de pirâmide financeira. Estima-se que o valor devido pelo grupo Bitcoin Banco totaliza cerca de R$ 1,5 bilhão, o que diz respeito a mais de sete mil credores.

VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024