Imagem da matéria: PF faz operação contra esposa de líder da GAS Consultoria que falsificou passaportes
(Foto: Polícia Federal)

A esposa de um dos principais operadores financeiros da GAS Consultoria usou documentos e assinaturas falsas tentar emitir o passaporte de seu filho. Esse indícios deram origem à “Operação Fugere Urbem”, deflagrada nesta quarta-feira (20) pela Polícia Federal em Cabo Frio (RJ).

Na ação de hoje, os policiais federais cumpriram um mandado de busca e apreensão e duas medidas cautelares alternativas, expedidas pela 3 ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, em endereço localizado no município de Cabo Frio, na Região dos Lagos.

Publicidade

A investigação teve início a partir das suspeitas envolvendo a esposa de um dos investigados na “Operação Kryptos”, que resultou na prisão de diversos membros da GAS Consultoria, incluindo Glaidson Acácio do Santos, conhecido como “Faraó do Bitcoin” e líder do esquema.

A esposa do operador da GAS solicitou à Polícia Federal a emissão de passaporte e autorização para viagem do filho menor mediante a apresentação de documentos com assinaturas supostamente falsas.

Ele é companheira de um dos principais operadores financeiros do esquema de criptomoedas revelado na “Operação Kryptos” e que está foragido da Justiça desde setembro de 2023. Os nomes dos alvos da operação de hoje não foram divulgados.

A Operação “Fugere Urbem” foi deflagrada para esclarecer o contexto das possíveis fraudes e o envolvimento de terceiros na sua confecção, bem como interromper o processo de fuga familiar dos investigados para o exterior.

Publicidade

Além do mandado de busca e apreensão, a Justiça determinou aos investigados o cumprimento de medidas cautelares alternativas, como a proibição de se ausentar do país e de retenção de passaporte.

Em virtude dos fatos apurados na operação, os investigados poderão responder judicialmente pelos crimes de falsificação de documento, uso de documento falso e associação criminosa, cujas penas somadas podem ultrapassar 12 anos de prisão.

O material apreendido nas buscas será submetido à análise da equipe de investigação e à perícia criminal, podendo surgir novos fatos e pessoas investigadas.

Operação que prendeu o Faraó

A Operação Kryptos foi a ação que resultou na prisão de Glaidson Acácio dos Santos, o criador da GAS Consultoria conhecido como o “Faraó do Bitcoin”. A base de atuação da pirâmide era justamente a cidade de Cabo Frio.

Publicidade

Glaidson foi preso na manhã do dia 25 de agosto de 2021, acusado de orquestrar uma pirâmide financeira de bilhões de reais. Na ocasião, outros suspeitos foram presos e outros se tornaram foragidos, como a esposa de Glaidson, Mirelis Yoseline Diaz Zerpa.

Já preso, Glaidson foi indiciado por homicídio no caso Wesley Pessano Santarem e tentativa de homicídio no caso Adeilson José da Costa. Em dezembro de 2022, a Justiça do Rio de Janeiro decidiu que o Faraó irá a júri popular.

You May Also Like
ceo da braiscompany antonio neto ais

Homem em vídeo de academia na Argentina seria Antonio Neto da Braiscompany; veja

Antonio Neto foi condenado a 88 anos pela Justiça Federal e a CPI das Pirâmides recomendou ação do Ministério Público
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Gustavo Scarpa comenta processo contra Willian Bigode: “Favorável”

O jogador que investiu cerca de R$ 6 milhões em um suposto negócio de criptomoedas do ex-companheiro de clube acredita que será ressarcido
polícia civil do ceará apreende carros de luxo

Polícia apreende R$ 14 milhões em bens de grupo suspeito de golpe com criptomoedas; influencer é um dos alvos

Durante a operação “Restauração” na sexta-feira, agentes da Polícia Civil do Ceará sequestraram carros de luxo, imóveis, criptomoedas e outros bens
Ronaldinho Gaúcho de boina e camisa preta e óculos escuros na Câmara dos Deputados durante sessão da CPI das Pirâmides Financeiras

Justiça absolve Ronaldinho Gaúcho em processo contra a 18K e condena sócios

Os responsáveis pela 18K Ronaldinho, Rhafael de Oliveira e Marcelo Marcelino, terão que devolver R$ 14,4 mil à vítima do golpe