Imagem da matéria: Nova rede social, SoulPrime se une a MB para remunerar inscritos na plataforma com criptoativos
(Foto: Divulgação/Mercado Bitcoin)

A corretora de criptomoedas MB (Mercado Bitcoin) e a SoulPrime firmaram uma parceria para o lançamento do aplicativo da primeira rede social descentralizada baseada em tecnologia Web3 do Brasil. A iniciativa visa recompensar usuários com MBRL, a stablecoin do Mercado Bitcoin pareado ao real brasileiro.

A colaboração será anunciada no Web Summit Rio 2023, que acontece de 1º a 4 de maio, no Centro de Convenções Riocentro. Quem passar pela estande das empresas, poderá fazer sua inscrição na rede social, participar de uma dinâmica e, ao final, receber 10 MBRL diretamente em sua carteira do Mercado Bitcoin. A ação é válida tanto para novos clientes quanto para quem já tem conta ativa no MB.

Publicidade

“Nossa proposta, construída em conjunto, é utilizar o imenso potencial das moedas digitais e todo o poder da tecnologia blockchain no universo de uma nova rede social, que foi desenvolvida para revolucionar a forma como as pessoas consomem conteúdo, interagem com as marcas e gerenciam seus dados pessoais”, afirma Fabiano Miranda, CEO e fundador da SoulPrime.

Muito além de uma rede social – uma comunidade

Segundo comunicado para a imprensa, a SoulPrime aproveita a tecnologia Web3 para assegurar que os usuários tenham mais controle no fornecimento de dados e informações, e garante um ambiente digital mais seguro e descentralizado.

Além da promoção de lançamento, com o uso do token MBRL, a nova rede social deve remunerar todos os usuários e criadores de conteúdo pelo tempo gasto na plataforma. A estratégia para isso envolve a entrega de anúncios personalizados.

Conforme o anúncio, no futuro, o usuário poderá aproveitar ainda as funcionalidades de staking, com a possibilidade de obter renda passiva dos valores recebidos, e Learn to Earn, que recompensa ao mesmo tempo que educa.

Publicidade

“Essas funcionalidades são apostas certeiras que fizemos com sucesso no MB e agora podemos compartilhar com a SoulPrime. No staking, o usuário deixa suas moedas em uma pool de liquidez e depois tem acesso à renda passiva. Já o Learn to Earn vai incentivar produtores de conteúdo voltados para educação ao mesmo tempo que recompensa os usuários que consumirem esses conteúdos. Nessa dinâmica, todo mundo sai ganhando”, explica Robson Harada, CMO do MB.

O executivo lembra que a Web3 tem a comunidade como premissa central – e que grandes projetos exitosos, como o Bitcoin e a Ethereum, são ancorados em comunidades. “Nos aliarmos à SoulPrime reforça, neste momento, o nosso lugar como nativo neste universo. Nutre, incentiva e cria laços com nosso público, e ainda confirma nosso propósito de ser a ponte entre a Web2 e a Web3”, destaca.

A SoulPrime vai funcionar também como um marketplace de NFTs, além de ser a primeira startup brasileira a firmar acordo com a Ready Player Me, maior sistema de avatares do mundo.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Relatório da Crystal Intelligence mostra que em 13 anos ocorreram 785 casos de roubos de criptomoedas, no valor total de US$ 19 bilhões
Ilustração mostra logotipo Solana à frente de gráfico de trading

Fundação Solana pune validadores acusados de “ataque do sanduíche”

Os ataques do sanduíche (sandwich attacks) vão contra as regras estabelecidas pela Fundação; Entenda
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Nigéria retira acusações contra executivos da Binance, mas mantém exchange na mira

Dois executivos da Binance foram afastados das acusações de evasão fiscal por uma agência nigeriana, mas ainda enfrentam um caso de lavagem de dinheiro
Policial algemando suspeito durante a noite

Médico perde R$ 500 mil em criptomoedas após encontro por aplicativo e sequestro; suspeitos são presos

Os sequestradores que aplicaram o famoso ‘golpe do amor’ foram presos rapidamente pela PM de SP; Polícia Civil investiga o paradeiro dos ativos