criptomoedas e celular com logo da FTX sobre notas de dinheiro
Foto: Shutterstock

A equipe de reestruturação da FTX recuperou mais de US$ 5 bilhões — o equivalente a cerca de R$ 26 bilhões — em dinheiro, criptomoedas e investimentos líquidos em valores mobiliários, disse o principal advogado da empresa, Adam Landis, na manhã desta quarta-feira (11) em uma audiência em Delaware, estado dos EUA.

Os ativos recuperados também incluem “dezenas de tokens ilíquidos de criptomoedas”, e Landis observou que “as participações são tão grandes em relação à oferta total que nossas posições não podem ser vendidas sem afetar substancialmente o mercado dos tokens”.

Publicidade

É uma posição estranhamente semelhante àquela em que a Alameda Research, a mesa de operações da FTX, se encontrava quando detinha bilhões em tokens FTT, ativos nativos da FTX, em seus livros de contabilidade contra bilhões em passivos.

Essa revelação, no início de novembro, foi a primeira peça do dominó a cair para a empresa. A onda de saques resultante forçou a FTX a fechar sua plataforma e declarar falência em 11 de novembro. Ao mesmo tempo, o fundador da FTX, Sam Bankman-Fried, renunciou ao cargo de CEO.

Além disso, Landis disse que a FTX também identificou mais de 9 milhões de contas de clientes vinculadas a cerca de US$ 120 bilhões em transações associadas. Ele disse que a equipe está passando por um processo para determinar o valor das posições em 11 de novembro “para cada cliente”.

No início da audiência, o juiz de falências, John Dorsey, mencionou brevemente uma carta que recebeu de quatro senadores dos EUA, chamando-a de “uma comunicação ex-parte inadequada”, ou seja, sem o conhecimento das outras partes.

Publicidade

Não está claro se o juiz nomeou os senadores no tribunal porque a qualidade do áudio da transmissão ao vivo das audiências era ruim e pouco clara.

Contudo, à medida que o processo de falência continua, a equipe jurídica da FTX continuará tentando recuperar fundos para eventual desembolso aos clientes.

As coisas tiveram um começo sombrio em novembro, com o recém-nomeado CEO da FTX, John J. Ray III, que também atuou como administrador na falência da Enron.

Na ocasião, ele afirmou que não sabia o quanto de dinheiro tinha na empresa. Em dezembro, então, a empresa estimou que poderia recuperar US$ 1 bilhão em ativos. O total geral devido ainda não está claro e as estimativas chegam a US$ 10 bilhões.

Publicidade

*Traduzido com autorização do Decrypt

Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Empresário "vende" Bitcoin durante discurso para formandos nos EUA e recebe onda de vaias

Empresário “vende” Bitcoin durante discurso para formandos nos EUA e recebe onda de vaias

O discurso de formatura da Ohio State University incluiu defesa do Bitcoin e cantorias que chocaram o público
Imagem da matéria: O poder dos RWA: executivo explica por que faz sentido tokenizar ativos do mundo real

O poder dos RWA: executivo explica por que faz sentido tokenizar ativos do mundo real

Fabrício Tota, diretor do MB, discutiu no Ethereum Rio como empresas podem tirar o máximo proveito da tecnologia blockchain através da tokenização
Imagem da matéria: Bitcoin sobe mais de 3% após dado de inflação dos EUA cair em abril

Bitcoin sobe mais de 3% após dado de inflação dos EUA cair em abril

Bitcoin, Ethereum e outras criptomoedas sobem nesta quarta-feira após o relatório do CPI dos EUA mostrar que os preços subiram mais lentamente que o esperado
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide