celular do mercado livre
Shutterstock

O Mercado Livre anunciou nesta quinta-feira (18) a criação de uma criptomoeda chamada Mercado Coin. O ativo poderá ser comprado na ferramenta da Mercado Pago, onde os clientes já podem comprar e vender Bitcoin, Etehereum e a stablecoin USDP.

Além da compra direta, os clientes da empresa irão receber Mercado Coin como cachback pelas compras feitas no Mercado Livre. A criptomoeda será lançada com o preço de 0,10 US$.

Publicidade

O anúncio foi feito por meio de uma coletiva de entrevista e os porta-vozes da empresa disseram que não tem planos de desenvolver para a Mercado Coin aplicações web3, como DeFI e NFT.

Não é necessário criar conta na Mercado Pago para usar as criptomoedas. Conforme o cliente for fazendo compras no Mercado Livre, os tokens serão acumulados e poderão ser utilizados em novas compras no marketplace.

Para oferecer esse serviço, a plataforma firmou uma parceria estratégica com a Ripio, uma das maiores plataformas de criptoativos da América Latina, que será a custodiante e exchange das operações de compra e venda de criptos realizadas por meio do aplicativo Mercado Pago.

O Brasil é o pioneiro do sistema, mas o plano é levar para outros países da América Latina. O token nativo dessa blockchain foi desenvolvido pelo protocolo ERC 20, que roda na blockchain Ethereum.

Publicidade

Em comunicado para a imprensa, o Mercado Livre afirma que monitora o crescimento global da tecnologia blockchain e do mundo cripto desde seu início como uma ferramenta para simplificar operações e conectar as pessoas. Nos últimos anos, a empresa assumiu posições de US$ 30 milhões como reserva de valor em cripto.

Mercado Livre e criptomoedas

A Mercado Libre (Mercado Livre no Brasil), assim como tantas outras grandes instituições, entrou no mercado cripto bem devagar. Em 2019, por exemplo, a plataforma chegou a mudar sua política para anúncios de criptomoedas, apesar de afirmar que não proibiria tais vendas.

Em 2020, a Mercado Pago já tinha uma parceria com a argentina Ripio e permitia compra de criptomoedas com saldo em carteira.

No ano seguinte, o fundador e CEO do Mercado Livre, Marcos Galperin, já fazia elogios ao Bitcoin como uma reserva de valor. Pouco tempo depois, a Mercado Livre passou a permitir a venda de imóveis por Bitcoin na Argentina — cerca de cinco meses depois, Galperin investiu individualmente na Ripio, em uma rodada de investimentos Série B.

Publicidade

Não demorou muito e a empresa anunciou, em maio de 2021, a compra de US$ 7,8 milhões em bitcoin “como parte de nossa estratégia de tesouraria”.

Em novembro do ano passado, a Mercado Livre anunciou sua entrada no mundo das criptomoedas ao permitir aos clientes do Mercado Pago a compra, venda e posse de criptomoedas usando as carteiras digitais que possuem por meio do serviço.

Por fim, em janeiro desse ano o Mercado Livre anunciou que adquiriu participação na 2TM, controladora da corretora Mercado Bitcoin. O valor do investimento não foi divulgado.

VOCÊ PODE GOSTAR
sob notas de dólares estão moedas de bitcoin, ethereum, ao lado de celular com logo FTX

FTX apresenta proposta para devolver aos clientes 118% dos fundos perdidos

Empresa afirma que caso o plano seja aprovado pela corte, os pagamentos serão feitos em até 60 dias
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”
solana, criptomoedas,

Este evento vai fazer a Solana atingir US$ 400 este ano, projeta analista

Para analista da Merkle tree, a Solana pode disparar 170% este ano puxado por memecoins ligadas aos candidatos na eleição dos Estados Unidos
Imagem da matéria: SEC notifica Robinhood de que pretende processá-la por venda de criptomoedas

SEC notifica Robinhood de que pretende processá-la por venda de criptomoedas

“Acreditamos firmemente que os ativos listados em nossa plataforma não são valores mobiliários”, diz diretor da Robinhood