Imagem da matéria: Manhã cripto: Bitcoin (BTC) cai mais 12%, derruba o mercado e parece estar a caminho dos US$ 20 mil
Foto: Shutterstock

A sangria que derrubou as bolsas globais na sexta-feira se intensifica e continua a trazer perdas ao mercado de criptomoedas. O Bitcoin (BTC) é negociado em baixa de 12,5% nas últimas 24 horas, cotado a US$ 24.030, o menor patamar em 18 meses, segundo dados do CoinGecko.  

No Brasil, o Bitcoin recua 11,6%, para R$ 122.729, de acordo com o Índice do Portal do Bitcoin (IPB).   

Publicidade

O relatório com os dados da inflação ao consumidor nos Estados Unidos divulgado na sexta-feira (10) assustou investidores, o que levou a vendas acima de US$ 1 trilhão, aponta a Bloomberg. O IPC subiu para 8,6% em maio na comparação anual, o maior nível em quatro décadas. O Índice MVIS CryptoCompare Digital Assets 100, que acompanha o desempenho dos 100 maiores tokens, registrou baixa de quase 10%. 

O Ethereum (ETH) opera em queda de 16%, negociado a US$ 1.236. “Se o Ethereum continuar a ‘sangrar’ rumo a US$ 1.200 (a média móvel de 200 semanas), as perspectivas para outras altcoins se tornam ainda mais sombrias”, disse Antoni Trenchev, cofundador e sócio-gerente do banco cripto Nexo, em entrevista à Bloomberg. A segunda maior criptomoeda já acumula perdas de 30% neste mês. 

As altcoins de fato não são poupadas e várias operam com perdas de dois dígitos nesta segunda-feira (13) como Cardano (-11,6%), Solana (-14,8%), Dogecoin (-15,8%), Avalanche (-18,8%), Binance Coin (-12,9%), XRP (-6,8%), Polkadot (-9,3%), e Shiba Inu (-12,5%). 

O Goldman Sachs destacou em relatório que, em algum momento, as condições financeiras ou o desaquecimento econômico atingirão um ponto que levarão o banco central americano a fazer uma pausa no aumento de juros. Mas esse ponto parece estar longe, o que indica mais pressão sobre ativos de risco e maior valorização do dólar por enquanto. 

O Federal Reserve se reúne nesta semana e muitos analistas esperam um aumento dos juros de meio ponto percentual na quarta-feira, como também em julho e setembro. Mas, diante das evidências de contínua alta dos preços, Barclays e Jefferies não descartam uma elevação de 0,75 p.p. já na reunião de junho. 

Publicidade

Outros destaques 

Com a onda vendedora de criptomoedas, a empresa de empréstimos cripto Celsius anunciou no domingo (12) a suspensão de saques e transferências em sua plataforma devido a “condições de mercado extremas”. Fontes haviam dito ao The Block que as reservas da empresa para garantir saques durariam apenas algumas semanas. Em tuíte nesta segunda-feira (13), a rival Nexo se ofereceu para comprar os ativos da Celsius. 

A B3 prepara o lançamento do contrato futuro de Bitcoin no início do segundo semestre, com foco em investidores que buscam ter exposição à maior criptomoeda, mas dentro de um ambiente regulado. Segundo reportagem do Valor, no momento a bolsa define as chamadas formadoras de mercado, corretoras contratadas para dar liquidez e fornecer referências de preço para os contratos.

Relatório da FGV publicado pelo E-Investidor destaca que os brasileiros ainda investem mais em poupança e títulos públicos, mas o interesse por criptomoedas é quase cinco vezes maior (14,5% afirmaram que investem em cripto) do que o apontado pelos franceses (3%) e nove vezes acima do que o observado entre investidores ingleses (1,5%) que participaram do levantamento. 

Criados para aproveitar a polarização das eleições presidenciais de 2022, tokens que apostaram na popularidade dos candidatos Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não decolaram, segundo a Folha. A BolsonaroCoin, por exemplo, está em mãos de 141 investidores e teve apenas uma movimentação em dois dias. 

Publicidade

O fundador e CEO da Binance, Changpeng “CZ” Zhao, disse que a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) está “fazendo perguntas” sobre o token BNB da exchange, mas afirmou que a empresa ainda não foi intimada. Durante apresentação na conferência Consensus 2022 do CoinDesk, CZ apenas disse que a SEC regularmente faz perguntas sobre a Binance e seus produtos. 

Reportagem da Bloomberg revelou que a agência está investigando se uma oferta inicial do BNB em 2017 foi realizada sem registro. Nos EUA, a Binance também é investigada pelo Departamento de Justiça, pela Comissão de Negociação de Futuros de Commodities e pelo IRS, o equivalente à Receita Federal no país, segundo o CoinDesk. 

Tyrone Lobban, chefe da plataforma Onyx Digital Assets do JPMorgandisse na Consensus 2022 que o banco quer trazer “trilhões de dólares” em ativos tokenizados para projetos de finanças descentralizadas (DeFi), com o objetivo de usar esses novos mecanismos para negociação e empréstimos, “mas com a escala dos ativos institucionais”. 

A American Express planeja oferecer recompensas em cripto para compras em parceria com a provedora de serviços financeiros digitais Abra. As recompensas poderão ser negociadas em mais de 100 criptomoedas com as quais a Abra trabalha, sem taxas de transação anuais ou internacionais, disse a empresa em comunicado. O Abra Crypto Card tem previsão de lançamento no fim de 2022. 

O marketplace de luxo Farfetch começará a aceitar pagamentos em criptomoedas, seguindo os passos da Gucci e outras marcas de luxo ao aceitar Bitcoin e outras formas de dinheiro digital em uma tentativa de atrair compradores mais jovens, de acordo com o Wall Street Journal

Publicidade

Pesquisa realizada pela Deloitte indica que 75% das empresas revelaram que têm planos de aceitar pagamentos com cripto ou stablecoins nos próximos dois anos. O levantamento também indicou que 85% dos executivos de diversas varejistas americanas esperam que pagamentos com cripto se tornem “onipresentes” nos próximos cinco anos. 

A exchange de criptomoedas Huobi Global lançou a Ivy Blocks, um braço de investimento com foco em DeFi e Web3. A Ivy Blocks investirá em projetos globais de blockchain para ajudar a potencializar seu crescimento, conforme comunicado da Huobi. 

O CEO da Coinbase, Brian Armstrong, foi ao Twitter na sexta-feira (10) para responder a uma petição online supostamente publicada por um empregado ou um grupo de funcionários da exchange, apontado inúmeros erros da empresa e exigindo a saída de vários executivos, entre eles a diretora de operações, Emilie Choi. Armstrong foi enfático: “(…) Se você não tem confiança nos executivos de um CEO de uma empresa, então por que está trabalhando nela? Peça demissão e busque uma companhia na qual acredita!”, disse. “Se for pego, será demitido.” 

O MB, maior plataforma de ativos digitais da América Latina, completou nove anos no domingo, 12 de junho. Em comemoração, todos os clientes que abrirem conta no MB até 30 de junho e fizerem um depósito no valor de R$ 100 receberão um criptoback no valor de R$ 50. Na sexta-feira (10), o Mercado Bitcoin, fundado em 2013, assumiu oficialmente o apelido MB. A nova marca vem acompanhada de uma reestruturação dos negócios que pertencem à 2TM, controladora da plataforma. 

O Valor lança nesta segunda-feira (13) o canal online “Criptomoedas” dedicado à cobertura de criptoativos. Com patrocínio do MB, o novo canal contará com reportagens sobre a negociação de criptoativos e outros temas relevantes para o setor. 

Regulação, Cibersegurança e CBDCs 

O projeto de lei que irá regular as criptomoedas no Brasil não terá segregação patrimonial. O deputado Expedito Netto (PSD-RO), relator do PL 4.401/21, disse em coletiva na sexta-feira (10) que entende ser razoável uma exchange poder usar ativos de um cliente para fazer empréstimos e outras movimentações financeiras. 

Publicidade

Além disso, também será retirada do texto a regra estabelecida no Senado de que as empresas teriam que ter desde já CNPJ e enviar informes ao COAF para atuar no Brasil. O deputado afirmou que o Banco Central será o regulador das corretoras cripto no país. 

Na União Europeia, o bloco está perto de um acordo para regular a indústria de criptoativos, que poderia ser fechado já este mês, disseram pessoas a par do assunto à Bloomberg. Negociadores devem se encontrar nesta terça-feira (14) e em 30 de junho. 

O Departamento do Tesouro dos EUA voltou a analisar uma polêmica proposta para identificar quem controla carteiras de criptomoedas não hospedadas. Mas Wally Adeyemo, vice-secretário do Tesouro, prometeu aos participantes da Consensus 2022 que a medida permitirá espaço para inovações que ajudam a combater crimes financeiros.  

E para garantir essa inovação, o Congresso dos EUA poderia aprovar ainda este ano uma lei federal para regular as stablecoins. Essa foi a promessa feita durante a conferência pelo senador republicano Pat Toomey, que apresentou um projeto de lei sobre o tema este ano. Congressistas estão preocupados com a falta de clareza regulatória e com o impacto do colapso da TerraUSD. 

Fabricio Tota, diretor do MB, acredita que as stablecoins são ativos que ajudam a proteger investidores da volatilidade do mercado, mas destaca que é preciso distinguir as mais confiáveis. Em artigo no E-Investidor, Tota avalia que o colapso da rede Terra “não decretou o fim das stablecoins” e também fez com que reguladores se mexam. 

Luis Silva, CEO e fundador da CloudWalk, concorda, já que as medidas de governança das stablecoins estão sendo avaliadas. “Isso é positivo porque desenvolve o mercado”, afirmou ao E-Investidor.A fintech brasileira, emissora da Brazilian Digital Real (BRLC), uma stablecoin pareada com o real, já é capaz de realizar 500 transações por segundo em sua rede blockchain, mais de 70 vezes acima do volume anterior, destacou o Estadão. 

Edward Snowden, que já foi acusado de espionagem pelo governo americano, vê mais valor em usar criptomoedas do que como investimento. “O Bitcoin é para se usar e não para investir”, disse o ativista e presidente da Freedom of the Press Foundation, em participação online na Consensus 2022. 

O Coin Center, um think-tank de criptomoedas com sede em Washington, entrou com um processo contra o Departamento do Tesouro e a agência tributária dos EUA. O centro de estudos alega que uma exigência na declaração de impostos sobre criptomoedas incluída em uma lei de infraestrutura é inconstitucional, de acordo com uma publicação em seu site. A regra, que entra em vigor em 2024, exige que contribuintes dos EUA que recebam mais de US$ 10 mil em criptomoedas informem dados fiscais e outras informações pessoais. 

Metaverso, Games e NFTs 

A TBD, empresa focada em Bitcoin lançada por Jack Dorsey, anunciou um projeto para desenvolver uma plataforma de internet descentralizada para desafiar a Web3. Chamada de “Web5”, a plataforma promete devolver o controle dos dados e identidade aos indivíduos, “que se tornaram propriedade de terceiros”, segundo detalhes publicados no site do projeto. “[Esta] provavelmente será nossa contribuição mais importante para a internet”, disse Dorsey em tuíte

Os jogos baseados em tokens não fungíveis não ficaram imunes ao inverno cripto, mas a categoria é a que melhor tem resistido aos efeitos do chamado “bear market”. Em entrevista ao Portal do Bitcoin, o empresário americano Omar Siddiqui, fundador da Joyride, disse que os games NFT estarão prontos para adoção em massa em até dois anos. “A educação do usuário para aprender sobre criptomoedas e NFTs ainda é uma grande lacuna.” 

Com o dinheiro que ganhou jogando Axie Infinity todos os dias, o brasileiro Jonathan Alves Cordeiro conseguiu sair de Cidade Alta, favela no Rio de Janeiro, para morar em Araruama, na Região dos Lagos, com sua esposa e filha. Mas com a crise do popular jogo, Cordeiro teve de buscar novas formas de continuar sobrevivendo por meio de jogos NFT, segundo o Portal do Bitcoin. 

O jogo NFT Heroes of Metaverse da Prota Games captou R$ 14 milhões em uma rodada de investimentos com participação de Iporanga Ventures, Big Bets e Class 5 Global, além de investidores pessoas físicas, conforme o Valor. O game tem lançamento previsto para 1º de outubro e rodará em smartphones e PCs. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

“Muitas dessas novidades podem ser acessadas a partir de R$ 1. Isso dinamiza nosso portfólio, e viabiliza a democratização”, diz executivo
Imagem da matéria: DOG decola 85% na semana e mostra que hype das memecoins do Bitcoin ainda não acabou

DOG decola 85% na semana e mostra que hype das memecoins do Bitcoin ainda não acabou

Enquanto algumas memecoins baseadas no Bitcoin brilham com ganhos, um token temático de cachorro rebate as alegações de que o hype das Runes desapareceu
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Deputados pressionam Biden para trazer de volta aos EUA executivo da Binance detido na Nigéria

Em carta ao executivo, os deputados alegam que Tigran Gambaryan está na condição de refém do governo da Nigéria e corre risco de morrer de malária
Imagem da matéria: Token Friend.tech cai 22% depois de críticas à saída da Base para uma nova blockchain

Token Friend.tech cai 22% depois de críticas à saída da Base para uma nova blockchain

As notícias sobre os planos da Friend.tech de lançar uma blockchain para projetos sociais descentralizados não foram bem recebidas