Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 43 mil; CEO do JPMorgan diz que acabaria com as criptomoedas se tivesse poder 
Jamie Dimon, CEO do JPMorgan (Foto: Shutterstock)

Traders de criptomoedas acompanham o mau humor de investidores de ações nesta quinta-feira (7), que reagem aos sinais de possível aperto monetário pelo Banco do Japão.  

A mudança de postura do BOJ pode influenciar os fluxos de investimento globais, atraindo mais recursos para o mercado japonês, onde as taxas de juros ainda estão em território negativo. 

Publicidade

Bitcoin tem queda de 2% em 24 horas, para US$ 43.254,41, segundo dados do Coingecko.    

Em reais, o BTC cai 2,3%, negociado a R$ 213.554,26, de acordo com o Índice do Portal do Bitcoin (IPB).   

Ethereum (ETH) recua 1,8%, cotado a US$ 2.236,43.  

As principais altcoins vão em direções opostas, entre elas BNB (-0,7%), XRP (+0,2%), Solana (-1,8%), Cardano (+1%), Dogecoin (-9%), TRON (-1,5%), Toncoin (-4,3%), Chainlink (-3,5%), Avalanche (+6,7%), Polkadot (+0,4%), Polygon (-1,1%) e Shiba Inu (-7,6%).  

Bitcoin hoje 

Apesar das perdas nesta manhã, o Bitcoin já subiu mais de 160% no ano e especialistas agora avaliam se a maior criptomoeda tem fôlego para avançar mais. 

Na visão de analistas da K33 Research, a trajetória do Bitcoin rumo a novas máximas será mais rápida do que em ciclos anteriores, principalmente devido à maior demanda institucional. Em novembro de 2021, o BTC atingiu a marca de US$ 69 mil. 

Publicidade

“Em 36 dias, os ETFs dos EUA receberão seu veredicto final, e o mercado mostra uma demanda considerável para acumular exposição antes dos lançamentos previstos”, disseram em relatório, argumentando que o rali atual é motivado por uma narrativa real e convincente. 

Trades de opções compartilham o otimismo e indicam que o Bitcoin pode chegar a US$ 50 mil em janeiro, destaca análise da Bloomberg. 

O valor de mercado do Bitcoin já supera o de gigantes como a montadora Tesla e o da Meta, dona do Facebook. 

CEO do JPMorgan ataca cripto 

Em uma postura bem diferente do presidente do Banco Central do Brasil, Jamie Dimon, CEO do JPMorgan, disse a parlamentares dos EUA que fecharia a indústria de criptomoedas se tivesse esse poder. 

Publicidade

“Se eu fosse o governo, fecharia tudo”, afirmou Dimon durante a audiência anual de supervisão de Wall Street do Comitê Bancário do Senado na quarta-feira (6). 

A senadora Elizabeth Warren, do Partido Democrata, que não costuma estar do mesmo lado do setor financeiro, se uniu aos republicanos e banqueiros e voltou a criticar empresas cripto: “Os terroristas de hoje têm uma nova maneira de contornar a Lei de Sigilo Bancário: criptomoedas”, disse Warren. 

Apesar de criticar o Bitcoin e as criptomoedas descentralizadas, Dimon elogiou a tecnologia blockchain usada em projetos do banco, como a JPM Coin, uma moeda digital que opera em uma rede privada. 

Aliás, um comitê da Câmara dos Deputados dos EUA aprovou na quarta-feira um projeto de lei para impulsionar a tecnologia blockchain no país. 

A indústria de criptomoedas também foi tema de debate entre republicanos que pretendem disputar a presidência dos EUA, com menções à Binance, Sam Bankman-Fried, Ethereum e ao presidente da SEC, Gary Gensler. 

Publicidade

Outros destaques das criptomoedas 

A Caixa Econômica Federal avalia disponibilizar benefícios sociais offline por meio da tecnologia do Drex, a versão tokenizada do real, disseram fontes ao Valor Econômico. A solução, ainda em estágio preliminar, poderia ser aplicada aos pagamentos do bolsa família, seguro-desemprego e seguro-defeso, e os benefícios sociais seriam usados sem a necessidade de conexão online no momento da transação, atendendo a usuários que moram em regiões sem acesso ou com acesso limitado à internet, por exemplo. 

A Robinhood Markets, plataforma de negociação online, estreou seu serviço de trading sem comissões para clientes na União Europeia. “É a única plataforma cripto de custódia onde clientes receberão de volta uma porcentagem de seu volume de negócios todos os meses, pago em Bitcoin”, disse a Robinhood em comunicado. O aplicativo vai permitir que investidores europeus comprem e vendam mais de 25 criptomoedas, incluindo Bitcoin, Ethereum e Solana. 

A cidade de Lugano, na Suíça, passou a aceitar criptomoedas para pagamento de impostos, multas e todas as demais faturas do município. Pessoas físicas e empresas agora podem pagar contas em Bitcoin ou com a stablecoin Tether digitalizando um código QR, disseram autoridades de Lugano em comunicado compartilhado pela Bloomberg. O processo de back-end que opera o sistema é administrado pela corretora de ativos digitais Bitcoin Suisse. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Pai Rico Pai Pobre Robert Kiyosaki posa para foto

Pai Rico faz previsão de quanto o Bitcoin vai valer daqui um ano; veja

As previsões de Robert Kiyosaki consideram que em 2025 o presidente dos EUA seja Donald Trump
Imagem da matéria: Governo dos EUA move US$ 4 milhões em Bitcoin apreendido de usuário do Silk Road

Governo dos EUA move US$ 4 milhões em Bitcoin apreendido de usuário do Silk Road

O Bitcoin apreendido pelos EUA em 2021 de um homem condenado por vender Xanax na dark web está em movimento
pilha de moedas douradas XRP Ripple

XRP valoriza mais de 40% na semana; entenda os motivos

Enquanto alguns especialistas acreditam que a alta do XRP agora dará uma pausa, traders apostam no potencial de mais ganhos nas próximas semanas
Moedas de bitcoin sob bandeira da Argentina

Argentina sanciona lei que permite aumento de capital de empresas com criptomoedas

Javier Milei também nomeou um especialista em blockchain para liderar Agência Federal de Segurança Cibernética