Imagem da matéria: Criptomoedas não devem ser “expelidas” do mundo financeiro, diz presidente do Banco Central
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto durante audiência Pública na comissão de Finanças e Tributação da Câmara (Foto: Lula Marques/ Agência Brasil)

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, considera que tentar simplesmente eliminar as criptomoedas do mercado não é a coisa certa a se fazer e que a atitude adequada é conhecer a tecnologia e se aproximar desse setor. As declarações foram feitas na terça-feira (5) durante o evento “Digitalização da Economia: agenda de inovação do Banco Central do Brasil”, conforme aponta reportagem do UOL

“O que o Banco Central (do Brasil) talvez seja um pouco diferente de alguns outros bancos é que entendemos que expelir o mundo de criptomoedas e de stablecoins do mundo financeiro talvez não seja a melhor coisa a fazer”, disse. 

Publicidade

Campos Neto lembrou que o Banco Central tem tido papel fundamental no desenvolvimento do setor Web3 no Brasil, principalmente por meio do projeto do Drex, o Real Digital. “A nossa CBDC é uma forma de fazer isso, de tentar trazer tudo para perto”, afirmou.

O executivo ainda lembrou que “quanto mais perto estiver, mais você vai conseguir regular, entender, e menos surpresas você vai ter”.

BC vai regular setor cripto no Brasil

No dia 14 de junho deste ano, o Banco Central foi escolhido pelo Poder Executivo como o órgão regulador do mercado de criptomoedas no Brasil. O Decreto 11.563 publicado no Diário Oficial da União foi assinado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto. 

O decreto estabelece que o Banco Central irá regular a prestação de serviços com criptomoedas (chamadas de “ativos virtuais” no texto) e terá o poder de autorizar quem pode atuar no mercado. O BC também tem o poder para supervisionar o funcionamento do setor. 

Publicidade

Por enquanto, o Banco Central ainda não estabeleceu o conjunto de regras que o setor deverá adotar. Logo após o decreto ter sido publicado, Campos Neto disse em um evento público que o BC está pronto para assumir o papel.

“O Banco Central está preparado”, disse Campos Neto ao ser questionado se a entidade se sentia pronta para assumir a função de regulador. Mas o executivo ressaltou que “globalmente os Bancos Centrais ainda estão em fase de aprendizagem” e que ainda um longo caminho regulatório terá que ser percorrido.

“Acho que temos um trabalho amplo para ser feito. Esse PL é um marco inicial, falamos de como regular as corretoras. Temos ainda um caminho bastante longo para percorrer em termos de regulação de criptomoedas”, disse ele na ocasião.

You May Also Like
Imagem da matéria: Detentores do token do Coritiba recebem mais de R$ 1 milhão por venda de jogador

Detentores do token do Coritiba recebem mais de R$ 1 milhão por venda de jogador

Somando a venda de Dodô com as de Matheus Cunha e Rodrigo Guth, os investidores do token do Coritiba já receberam mais de R$ 2 milhões
Imagem da matéria: Milionários de Solana esperam ROI de 4.600% em 2024 com este token obrigatório

Milionários de Solana esperam ROI de 4.600% em 2024 com este token obrigatório

Pullix é uma plataforma de negociação híbrida que integra segurança, alta liquidez e comissão zero nas transações
Tela de celular do Telegram

Jogo do Telegram, Notcoin tem 25 Milhões de jogadores e um token que em breve será real

“É basicamente um experimento sobre como distribuir moedas de maneira justa para uma enorme quantidade de pessoas”, afirma criador
Imagem da matéria: Carteira Recomendada do MB Research indica Bitcoin como principal ativo do mês

Carteira Recomendada do MB Research indica Bitcoin como principal ativo do mês

Para a Carteira Conservadora, os analistas do MB Research dividiram 70% em Bitcoin, 23% em Ethereum e 7% em Solana.