Imagem da matéria: DREX: BC mostra como os brasileiros vão usar o real digital no dia a dia
Shutterstock

Apesar de ter anunciado que o cronograma oficial do DREX – nome do real digital – irá atrasar, o Banco Central segue dedicado em explicar para a população como irá funcionar a versão virtual da moeda do país. Desta vez, a entidade divulgou um vídeo no final de semana com exemplos práticos de usos do ativo.

Segundo a apresentadora do vídeo, duas das principais perguntas feitas sobre o DREX são: “por que eu preciso dele?” e “o que eu vou fazer com o DREX que eu não já não consiga fazer hoje?”. Sobre a primeira questão, ela afirma que será possível fazer contratos com mais facilidade, segurança e com um custo menor.

Publicidade

Entre as situações exemplificadas, o BC diz que o DREX irá facilitar na contratação de empréstimos, venda de imóvel ou carro ou qualquer outro serviço. No caso do carro, o sistema do real digital conseguirá criar condições para que o negócio só seja feito quando elas forem cumpridas, ou seja, quando uma parte enviar o dinheiro e a outra transferir o documento. Caso uma das partes não cumpra a condição, o negócio não é realizado.

Leia também: DREX poderá devolver dinheiro de vítimas em casos de fraude, afirma Banco Central

Segundo a apresentadora, apesar de hoje já ser possível fazer negócios como a venda de veículos e outros ativos, a operação toda usa sistemas que não se comunicam – sistema bancário para o pagamento e o cartório para a documentação -, o que torna tudo mais caro e demorado, além de aumentar a insegurança das duas partes.

“O DREX irá juntar tudo em um só lugar, fazendo com que esse tipo de negociação seja mais rápido, mais seguro e mais barato”, diz a apresentadora, que cita também um caso de tomada de empréstimo, que deverá ser mais barato tanto para o banco quanto para o cliente.

Além disso, ela diz que será possível pagar contas simples, como supermercado ou dividir a conta com amigos, mas que para esses casos já existe o PIX, que é uma parte já implementada da digitalização do sistema financeiro que o BC está aplicando.

Publicidade

DREX, o real digital

No dia 7 de agosto o Banco Central anunciou oficialmente o DREX como a futura moeda virtual brasileira. Até então, a iniciativa era chamada de real digital.

Segundo o BC, cada letra do real digital equivale a uma característica da ferramenta. O “D” representar a palavra digital; o “R” representa o real; o “E” representa a palavra eletrônica; e o “X” passa a ideia de modernidade e de conexão, além de repetir a última letra do Pix, sistema de transferência instantânea criado em 2020.

Em março, o BC escolheu a plataforma Hyperledger Besu para fazer os testes com ativos de diversos tipos e naturezas. Essa plataforma tem baixos custos de licença e de royalties de tecnologia porque opera com código aberto (open source).

Em junho, o BC escolheu 16 consórcios para participar do projeto piloto. Eles construirão os sistemas a serem acoplados ao Hyperledger Besu e desenvolverão os produtos financeiros e as soluções tecnológicas. A lista completa de entidades selecionadas pelo Comitê Executivo de Gestão está no site do BC.

Publicidade

Atraso no lançamento

No último dia 21, o coordenador do DREX no BC, Fabio Araujo, afirmou que a demora na inclusão de participantes e questões relacionadas à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) fizeram a primeira fase da iniciativa ser adiada para maio de 2024, um atraso de três meses em relação ao cronograma original, que previa o fim da etapa de testes em fevereiro do próximo ano.

Pelo cronograma original, a última etapa da fase de testes, que previa negociações simuladas com títulos públicos, ocorreria em fevereiro. Com o adiamento, passará para maio.

Apesar da demora na fase de testes, Araujo manteve a estimativa de que o DREX chegará aos cidadãos no fim de 2024 ou início de 2025.

VOCÊ PODE GOSTAR
sob notas de dólares estão moedas de bitcoin, ethereum, ao lado de celular com logo FTX

FTX apresenta proposta para devolver aos clientes 118% dos fundos perdidos

Empresa afirma que caso o plano seja aprovado pela corte, os pagamentos serão feitos em até 60 dias
Imagem da matéria: Ripple anuncia programa contínuo de bolsas em dinheiro para programadores do Brasil

Ripple anuncia programa contínuo de bolsas em dinheiro para programadores do Brasil

Meta é que comunidade de programadores crie soluções na XRP Ledger, blockchain usada pela empresa e que tem o token nativo XRP
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

GameStop e AMC desabam com fim da euforia do retorno de Roaring Kitty

As ações memes da GameStop e AMC caíram drasticamente após a abertura dos mercados dos EUA na quinta-feira, recuando pelo menos 15%
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024