Imagem da matéria: Manhã cripto: Bitcoin (BTC) supera US$ 30 mil em pior mês em um ano e apresenta leve alta no acumulado da semana
Foto: Shutterstock

Investidores de criptomoedas ainda tentam se reerguer do tombo da semana passada e pequenas compras dão força ao Bitcoin (BTC) nesta terça-feira (17). Nas últimas 24 horas, o BTC avança 3,4%, para US$ 30.657, segundo dados do CoinGecko. O Ethereum (ETH) ganha 4%, cotado a US$ 2.091. 

No acumulado dos últimos sete dias o BTC apresenta alta de 1%.

Publicidade

No Brasil, o Bitcoin sobe 2,7%, negociado a R$ 155.780, segundo o Índice do Portal do Bitcoin (IPB).  

Reservas da LFG 

Em maio, a maior criptomoeda acumula desvalorização de 21%, o pior desempenho mensal em 12 meses, impactada pela implosão da stablecoin TerraUSD (UST), mostram dados da Bloomberg. 

Edward Moya, analista sênior de mercado da Oanda, explica em nota que investidores aproveitaram a queda do preço para pequenas compras, o que dá impulso ao BTC, mas muitos players de varejo e institucionais “ainda possuem grandes feridas do recente colapso”. 

O Ethereum também decepciona. A segunda maior criptomoeda mostra queda de 60% desde o recorde de novembro e ainda poderia cair 80%, de acordo com John Roque, analista técnico da 22V Research. 

A Luna Foundation Guard (LFG) divulgou comunicado na segunda-feira para detalhar como gastou milhões de dólares em cripto para manter a paridade da UST com o dólar. As reservas da LFG caíram de cerca de 80 mil BTC para 313. Os ativos restantes (tokens UST e LUNA) poderiam ser usados para compensar investidores. 

Do Kwon, fundador da Terraform Labs, defendeu na segunda-feira (16) que a blockchain da Terra precisa passar por um “hard fork” que irá dividir a atual rede em duas. A versão antiga passará a se chamar ‘Terra Classic’ e a nova, apenas ‘Terra’. 

Publicidade

Em entrevista à Bloomberg TV, Rohit Chopra, diretor do Departamento de Proteção Financeira do Consumidor dos EUA, afirmou que as stablecoins ainda não estão prontas para serem usadas como meio de pagamento e espera “movimento” na regulação da indústria cripto ainda este ano. 

Outra stablecoin algorítmica com problemas é a DEI, do protocolo de finanças descentralizadas DEUS Finance, que começou a perder a paridade com o dólar no domingo (15), segundo dados do CoinMarketCap. 

Presença Institucional 

Investidores institucionais chegaram com tudo ao mercado de criptomoedas em 2021, o que também ajudou a elevar o preço do Bitcoin. Agora, players questionam o peso de grandes investidores na recente onda vendedora na indústria cripto, cujo valor de mercado encolheu US$ 1,25 trilhão desde a máxima no fim de 2021, aponta análise do CoinDesk. A correlação de três meses entre o Bitcoin e o Ethereum com os principais índices acionários dos EUA atingiu recorde na semana passada, de acordo com a Dow Jones Market Data

Outro fator que pode influenciar a presença institucional é o ambiente de menor liquidez, o que traz cautela às apostas. Capitalistas de risco estão entre os maiores investidores no setor de criptoativos. 

Publicidade

Em entrevista ao jornal O Globo, o CEO do Mercado Bitcoin, Reinaldo Rabelo, disse que, além de os fundos de venture capital já não captarem como antes, o cenário econômico nebuloso e a aproximação das eleições no Brasil desfavorecem as ofertas públicas iniciais para captações. 

Fluxo de investimento 

Apesar da turbulência, produtos de investimento em ativos digitais registraram entradas recordes para este ano, totalizando US$ 274 milhões na semana encerrada em 13 de maio, destaca relatório da CoinShares, segundo a qual o colapso da UST e onda vendedora foram vistos como uma oportunidade para comprar. Investidores apostaram em fundos de BTC, com entradas de US$ 299 milhões, aparentemente em busca da “relativa segurança” da maior criptomoeda. 

Para o trader Tone Vays, ex-vice-presidente de análise gráfica do JPMorgan, o atual nível de preços é uma oportunidade única para investir no Bitcoin pagando menos, conforme o Estadão

As principais altcoins também operam no azul nesta terça-feira como Binance Coin (+4,2%), XRP (+3,1%), Cardano (+2,9%), Solana (+5%), Polkadot (+3,4%), Dogecoin (+2,3%), Avalanche (+6,8%) e Shiba Inu (+3,4%), segundo dados do CoinGecko.    

Outros destaques 

TC, plataforma de educação financeira, análise de dados e inteligência do mercado de capitais, passou a oferecer a negociação de criptoativos para 620 mil usuários cadastrados em seu aplicativo por meio de uma integração com o Mercado Bitcoin.

Publicidade

A Agrotoken, empresa argentina de tokenização de commodities agrícolas, e a Visa fecharam uma parceria para a criação de um cartão para que produtores rurais possam pagar qualquer tipo de compra com os grãos tokenizados, conforme o Valor.

O Nomura lançou uma unidade para acesso a ativos digitais a instituições, de acordo o Financial Times. A divisão terá uma equipe de 100 funcionários até o fim de 2023 e oferecerá exposição a criptomoedas, finanças descentralizadas (DeFi) e tokens não fungíveis (NFTs). Na semana passada, o banco de investimento japonês realizou sua primeira negociação com derivativos cripto. 

Na exchange cripto japonesa Liquid, comprada recentemente pela FTX, o ambiente é de caos, disseram ex-funcionários ao CoinDesk. Segundo as fontes, a Liquid minimizava questões de segurança e compliance, além de xingar e repreender a equipe. A Liquid não comentou. 

Regulação, Cibersegurança e CBDCs 

Portugal quer começar a tributar os ganhos obtidos pelos investidores do país com a negociação de criptomoedas. Durante audiência na Assembleia da República na sexta-feira (13), o ministro das Finanças, Fernando Medina, confirmou que o governo está comprometido em criar um marco legal no qual o lucro de investidores com a venda de criptoativos como o Bitcoin seja tributado. 

O ex-presidente do Federal Reserve Ben Bernanke disse à CNBC que o Bitcoin não funciona como dinheiro, reserva de valor ou ouro digital. “Se o Bitcoin fosse um substituto para o dinheiro fiduciário, você poderia usá-lo para comprar mantimentos”, disse Bernanke. “Ninguém compra mantimentos com Bitcoin porque é muito caro e muito inconveniente.” 

O presidente de El Salvador, Nayib Bukele, disse que 32 bancos centrais e 12 autoridades financeiras – de nações como Paraguai, Angola, Egito e Nigéria – estiveram reunidos no país na segunda-feira para falar sobre Bitcoin e seus benefícios, segundo o Estadão

Publicidade

O Conselho de Comércio e Tecnologia EUA-UE planeja colaborar na pesquisa e desenvolvimento de tecnologia para rastrear emissões de carbono, conforme comunicado. E blockchain poderia ser uma possível ferramenta para medir emissões de gases de efeito estufa e avaliações de vida útil, aponta o CoinDesk. 

Metaverso, Games e NFTs 

Após o colapso da stablecoin TerraUSD, tokens não fungíveis estarão no radar dos investidores,  atentos às áreas mais especulativas e alavancadas do mercado cripto, destaca relatório do Morgan Stanley publicado pelo InfoMoney

Campeã do carnaval do Rio de Janeiro em 2022, a Grande Rio decidiu comemorar o título com uma coleção de NFTs. Os tokens destacam a temática do desfile e um deles homenageia Exú, orixá que foi o enredo da escola de Duque de Caxias em 2022, de acordo com a Exame

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de correntes ilustradas com pequenos zeros e uns

Degen Chain: a rede de camada 3 que está chamando atenção com a febre das memecoins

Novidade no mercado, a Degen foi construída na Base, uma rede de camada 2 do Ethereum, e já tem tido uma forte alta no número de transações
Imagem da matéria: Runes vai ajudar o Bitcoin a competir com Ethereum e Solana, diz Franklin Templeton

Runes vai ajudar o Bitcoin a competir com Ethereum e Solana, diz Franklin Templeton

Segundo a empresa de investimentos, o Runes tem o potencial de ajudar o ecossistema Bitcoin como um todo a competir com o Ethereum e a Solana
moeda de bitcoin à frente da bandeira de hong kong

Aprovação de ETFs de Bitcoin e Ethereum pode ocorrer segunda em Hong Kong

O esperado aceno regulatório abriria um dos maiores mercados financeiros do mundo para os ETFs de Bitcoin e Ethereum
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA