Imagem da matéria: Justiça brasileira vende pela primeira vez Bitcoins apreendidos pela Polícia Federal
Foto: Shutterstock

A exchange Mercado Bitcoin vendeu no mês passado, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Espírito Santo, 28 bitcoins apreendidos da TraderGroup, esquema fraudulento associado a criptomoedas desmantelado pela Polícia Federal no início de 2019. O valor total foi de US$ 1,1 milhão (R$ 5,7 milhões).

É a primeira vez que se tem registro de um caso de venda de bitcoins pelo poder público no Brasil.

Publicidade

No documento, é possível ver as movimentações da carteira da Polícia Federal, que soma 30 bitcoin. Na época da apreensão, cada bitcoin valia cerca de R$ 14 mil.

Dois dos bitcoins restantes foram devolvidos para uma pessoa que provou ter a posse dos ativos e não ter envolvimento com o golpe.

O pedido, conforme documento que a reportagem teve acesso, havia sido proposto em 2020 pelo procurador da República Alexandre Senra, do Ministério Público Federal.

“Existem muitas vítimas da TraderGroup com ações, principalmente na Justiça Estadual, pedindo de volta o dinheiro investido, e agora uma parcela desse dinheiro vai poder ser devolvido, não todo porque o crédito vendido em BTC ainda não foi suficiente para ressarcir os prejuízos”, disse Senra ao Portal do Bitcoin.

Publicidade

O Mercado Bitcoin, segundo o processo, foi escolhido como vendedor judicial porque é a corretora com maior volume e liquidez do Brasil. As exchange NovaDAX e BitPreço também tinham sido sugeridas.

As criptomoedas estavam custodiadas em uma carteira da PF e foram transferidas para a corretora no dia 19 de julho.

A exchange disponibilizou 10 lotes do ativo digital no livro de ofertas, sendo os nove primeiros com três bitcoins e o último com o valor remanescente. Ficou determinado que o preço limite não poderia ser “inferior a 2% do preço de mercado”.

O valor da venda foi transferido para uma conta judicial aberta para receber os valores.

TraderGroup

O TraderGroup, criado por Wesley Binz, dizia ser uma empresa de investimentos em criptomoedas e prometia pagar rendimentos fora do padrão do mercado.

Publicidade

O negócio, no entanto, funcionava sem autorização do regulador. Em 2019, o TraderGroup foi desarticulado no âmbito da operação Madoff, que contou com a participação de 43 agentes da polícia Federal.

Na época, a Justiça bloqueou criptomoedas, contas bancárias, carros e imóveis que pertenciam aos responsáveis pelo esquema.

A empresa e seus responsáveis foram investigados por gestão fraudulenta, negociação de valores mobiliários sem autorização ou registro prévio se fazer funcionar como instituição financeira sem autorização legal e ainda por associação para o crime.

Leilões de bitcoins nos EUA

Nos Estados Unidos, a venda de bitcoins e outras criptomoedas acontece com frequência. O primeiro caso ocorreu em 2014 por meio do US Marshals Service, entidade administrada pelo DoJ. Na ocasião, o empresário Tim Draper adquiriu mais de 30.000 BTC confiscados da Silk Road.

Em junho, o governo dos EUA deu início a mais um leilão de criptomoedas, o quarto de 2021. O pregão contou com 150 litecoins e 8,93 bitcoin.

VOCÊ PODE GOSTAR
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken