piramide financeira criptomoedas
Shutterstock

Um australiano e dois americanos foram acusados de lucrar US$ 1,9 bilhão com um esquema fraudulento de criptomoedas em uma suposta plataforma DeFi, HyperFund, informou o Departamento de Justiça dos EUA (DoJ) na segunda-feira (29).

O DoJ acusou o cidadão australiano Sam Lee de cofundar o HyperFund e Rodney Burton e Brenda Chunga de promovê-lo, juntos fraudando investidores em US$ 1,89 bilhão ao alegar que os retornos de investimento viriam do que o tribunal chamou de “operações de mineração de criptomoedas inexistentes”.

Publicidade

“O nível da suposta fraude aqui é impressionante”, disse o procurador dos EUA Erek L. Barron, do Distrito de Maryland, em um comunicado. “Seja uma fraude de criptomoeda ou qualquer outra fraude financeira, se parece bom demais para ser verdade, provavelmente é.”

“Este escritório e nossos parceiros de aplicação da lei responsabilizarão os criminosos por esses e outros esquemas de fraude”, acrescentou Barron.

De junho de 2020 a novembro de 2022, segundo o Departamento de Justiça, o trio supostamente ofereceu e vendeu contratos de investimento ao público por meio do HyperFund, fazendo o que o tribunal chamou de alegações falsas, incluindo “associações” do HyperFund que davam aos investidores entre 0,5% e 1% por dia em recompensas passivas até que a empresa dobrasse ou triplicasse o investimento inicial do investidor.

A fraude do HyperFund

O HyperFund alegou que seus pagamentos seriam parcialmente desembolsados a partir de suas receitas de operações de mineração cripto em grande escala. O problema, segundo o DOJ, é que a operação de mineração não existia.

Publicidade

De acordo com o DOJ, a partir de julho de 2021 pelo menos, o HyperFund começou a bloquear os saques dos investidores.

Lee e Chunga são acusados de conspiração para cometer fraudes em títulos e em transferências eletrônicas, enquanto Burton é acusado de administrar uma empresa de transmissão de dinheiro sem licença. Chunga se declarou culpado. O trio pode pegar uma pena máxima de cinco anos de prisão federal se for condenado.

O DOJ observou que o HyperFund também é conhecido como HyperTech, HyperCapital, HyperVerse e HyperNation.

Os golpes no setor cripto

Embora os crimes com criptomoedas não sejam novos, o Departamento de Justiça e outros órgãos, inclusive a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), intensificaram os esforços para coibir fraudes e esquemas que supostamente envolvem ativos digitais.

Um relatório lançado no mês passado pela empresa de inteligência de blockchain, TRM Labs, afirmou que mais de US$ 1,7 bilhão em criptomoedas foram roubados somente em 2023. No início deste mês, hackers roubaram mais de US$ 4 milhões usando as chamadas “wallet drainers” por meio de airdrops falsos e golpes direcionados aos detentores de Solana.

Publicidade

“A atividade ilegal alegada neste caso é exatamente o tipo de conduta que a Investigação Criminal do IRS e nossos parceiros de aplicação da lei estão empenhados em impedir”, disse o agente especial encarregado da Investigação Criminal do IRS, David Meisenheimer.

“Essas acusações enviam uma mensagem clara de que temos as ferramentas e a força interna para proteger nossos sistemas financeiros, investigando diligentemente, processando e responsabilizando aqueles que buscam fraudar o público norte-americano.”

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Bitcoin dominou a Esfera de Las Vegas — mas onde está o Dogwifhat?

Bitcoin dominou a Esfera de Las Vegas — mas onde está o Dogwifhat?

O Dogwifhat arrecadou US$ 700 mil em março para aparecer na Esfera, mas o Bitcoin o superou graças à Crypto.com
Moedas de bitcoin sob bandeira da Argentina

Argentina sanciona lei que permite aumento de capital de empresas com criptomoedas

Javier Milei também nomeou um especialista em blockchain para liderar Agência Federal de Segurança Cibernética
donald trump

Semana cripto: Trump alimenta mania de memecoins enquanto Bitcoin recupera força

Os mercados de criptomoedas estão em alta, e a política dos EUA pode levar muito crédito por isso
Imagem da matéria: ABFintechs defende segregação patrimonial e combate à lavagem de dinheiro na regulação do mercado cripto

ABFintechs defende segregação patrimonial e combate à lavagem de dinheiro na regulação do mercado cripto

Diego Perez, presidente da ABFintechs, detalha como a associação atua no mercado brasileiro de criptomoedas