Imagem da matéria: Governo brasileiro vai contratar empresa de blockchain para criação de rede compartilhada
(Foto: Shutterstock)

A Presidência da República abriu licitação para contratação de uma empresa especializada em Blockchain para fornecer ao governo uma solução para a criação e governança de uma rede compartilhada. A informação consta em edital publicado nesta sexta-feira (24) no Diário Oficial da União.

De acordo com a publicação, o sistema criado pela empresa contratada deve possibilitar o desenvolvimento de ecossistemas que tragam controle, transparência, confiabilidade e auditabilidade de processos.

Publicidade

Segundo o documento, o sistema blockchain deve também permitir a inclusão de outros órgãos da administração pública “conforme condições, quantidades e exigências do edital”.

O Pregão Eletrônico Nº 4/2020 já permite a apresentação de propostas no Portal de Compras, do governo federal. 

Conforme informou o edital, o conteúdo das propostas enviadas pelas empresas interessadas serão conhecidos no dia 8 de maio. De acordo com o documento, a empresa será contratada sob o Sistema de Registro de Preços (SRP).

Governo e blockchain

O governo brasileiro tem feito várias ações com o intuito de estudar e também incluir a tecnologia que dá suporte ao bitcoin em vários setores governamentais. 

No início de março, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) incluiu no Programa de Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) matérias ligadas à Blockchain, Big Data e Inteligência Artificial. 

Publicidade

Também em março, o governo contratou os serviços da empresa de cursos Blockchain Academy para dar treinamento no Dataprev de Santa Catarina.

A empresa pública já vem se preparando para trabalhar com com a tecnologia pelo menos desde novembro do ano passado, quando a Blockchain Academy foi contratada para dar treinamento aos servidores.

No começo de abril, o Banco Central também anunciou a criação de uma plataforma em blockchain, a Pier, compartilhada com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Superintendência de Seguros Privados (Susep). O objetivo é de facilitar o intercâmbio de informações entre as três instituições e agilizar os processos de autorização do sistema financeiro.

O Exército brasileiro também tinha planos de empregar a tecnologia Blockchain em um sistema de rastreamento sobre produtos controlados pela corporação, como armas, explosivos e compostos químicos. A ideia, no entanto, foi barrada por decisão do presidente Jair Bolsonaro.

Publicidade

BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Imagem da matéria: Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Grupo criou aplicação para conectar via blockchain produtores de energia e estações de abastecimento, com a mira no mercado de carros elétricos
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais