Imagem da matéria: FMI elogia Brasil e agora diz que banir criptomoedas não é o melhor caminho
Shutterstock

O Fundo Monetário Internacional (FMI) analisou o estado de adoção, os riscos e os potenciais das criptomoedas e Moedas Digitais de Bancos Centrais (CBDCs) no mundo. O artigo resultante foi publicado na quinta-feira (22) e foca na América Latina e Caribe, com destaque para a experiência atual no Brasil e para a afirmação de que “proibir o uso de criptoativos não é uma solução efetiva para o longo prazo.”

É uma mudança e tanto de rota para a instituição: em fevereiro deste ano, a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, havia se demonstrado favorável à proibição das criptomoedas, devido à existência de possíveis riscos para a estabilidade financeira global.

Publicidade

A visão do Fundo Monetário Internacional parece ter mudado, agora sugerindo a aplicação de medidas pragmáticas não-proibitivas, junto a uma regulamentação efetiva:

“Abordando os impulsionadores da demanda de cripto, incluindo as necessidades não atendidas de pagamentos digitais dos cidadãos e melhorando a transparência e registrando as transações de criptoativos nas estatísticas nacionais.”

Nesta linha, o artigo afirma que a América Latina e o Caribe (LAC) estão liderando a adoção de dinheiro digital no mundo.

O estudo cita Brasil, Argentina, Colômbia e Equador ranqueados entre os 20 países com maior adoção global de criptoativos; El Salvador reconhecendo Bitcoin (BTC) como moeda de curso legal; além do desenvolvimento de CBDCs no Brasil, Bahamas, Jamaica e pela União Monetária do Caribe Oriental (ECCU, no inglês).

Em contrapartida, o FMI cita os efeitos negativos da proibição de criptomoedas na Argentina e na República Dominicana, além da baixa adoção de uso do Bitcoin em El Salvador.

Publicidade

O Fundo também explica os riscos de volatilidade envolvendo uma moeda puramente baseada nas leis naturais da oferta e demanda, sem lastro físico ou controle governamental.

Para esta preocupação, o artigo sugere que as Moedas Digitais dos Bancos Centrais (CBDCs) oferecem o potencial de melhorar os sistemas de pagamentos dos países da América Latina e Caribe, aumentando a democratização do acesso ao dinheiro.

A solução sendo desenvolvida no Brasil também recebeu elogios, ao se encontrar em estágios avançados de “prova de conceito”, buscando aprimorar a “tokenização de ativos” transformando ativos, como imóveis, ações e commodities, em representações digitais para facilitar sua transferência e aumentar sua liquidez.

Recentemente, o FMI também apresentou um projeto para criar sistema global de criptomoedas estatais. Visando integrar as CBDCs de diversos países em um sistema único, sob seu controle.

VOCÊ PODE GOSTAR
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”
Costas de um policial de Hong Kong

Empresário e filho se entregam à polícia após sequestrarem investidora de criptomoedas

A dupla teria tentado acertar as contas com a mulher de 55 anos que teria intermediado um investimento de cerca de R$ 10 milhões em criptomoedas
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Governo dos EUA contrata empresa para monitorar a Binance

A Forensic Risk Alliance venceu a disputa contra a Sullivan & Cromwell, que atuou no caso FTX
Imagem por detrás de uma pessoa algemada

Interpol prende hacker que roubou R$ 260 mil da Polícia de Buenos Aires e lavou fundos com USDT

Liderado por um venezuelano, preso nos EUA, o grupo roubou R$ 8 milhões de entidades argentinas através de um malware de origem brasileira