Imagem da matéria: O potencial das CBDCs para promover a inclusão financeira 
Imagem: Divulgação

Sabemos que a economia está passando por mudanças significativas, impulsionada pesadamente pelas inovações tecnológicas e pela globalização. As moedas digitais, mais especificamente as CBDCs (Central Bank Digital Currency,) são um dos atores deste cenário. Como o próprio nome diz, o banco central do país é o responsável pelo seu desenvolvimento, emissão e gerenciamento de seu sistema. A regulação do governo garante maior estabilidade no processo e segurança para a sua adoção pelo mercado tradicional.

O diferencial das CBDCs está baseado na incorporação de novas tecnologias, como o sistema blockchain. As inovações possibilitam pagamentos feitos de forma instantânea, sem a necessidade de intermediários como bancos ou processadores de pagamentos, além da redução dos custos das transações financeiras e mais transparência ao sistema. 

Publicidade

Acompanhamos as mudanças significativas pelas quais vêm passando a economia e acreditamos que as CBDCs podem ser a ponte que conecta as economias nacionais, tornando-as mais integradas e interconectadas. As moedas digitais poderão aumentar a inclusão financeira em todo o mundo e, portanto, em países com dimensões continentais como o Brasil. 

Dados do World Bank mostram que a pandemia do COVID-19 aumentou a procura por meios de pagamentos digitais. Ainda assim, 1,4 bilhão de indivíduos economicamente ativos não possuem conta bancária ou cartão de crédito. Os chamados “desbancarizados” são majoritariamente compostos por mulheres e por indivíduos com menor nível de escolaridade, menor renda e moradores de zonas rurais. Essas pessoas participam da exclusão financeira, que pode ser minimizada com as moedas digitais. O PIX é um bom exemplo de como a tecnologia pode simplificar processos e beneficiar milhões de pessoas em todos os segmentos.

Há muitos desafios a serem vencidos e a implementação das CBDCs exige um trabalho significativo de infraestrutura e regulação, além de questões cibernéticas. Vemos com otimismo os passos firmes do Banco Central do Brasil nessa direção, concretizados com o desenvolvimento do PIX e com a condução do processo do LIFT Challenge, que selecionou nove projetos de um total de 47 propostos para desenvolver casos de uso para o Real Digital.

 É importante que governos e instituições financeiras continuem a investir em tecnologia. Por meio dela poderemos revolucionar a forma como as transações financeiras são realizadas, combater a exclusão financeira, prevenir atividades ilegais e fortalecer a economia global, tornando-a mais integrada e inclusiva. Trabalhando em conjunto havemos de superar os desafios e criar um sistema financeiro mais justo, eficiente e inclusivo para todos. 

Por Jefrey Santos, CTO e cofundador do Capitual

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: CoinEx comemora Bitcoin Pizza Day com campanha “Uma mordida de Bitcoin”

CoinEx comemora Bitcoin Pizza Day com campanha “Uma mordida de Bitcoin”

Uma fatia de pizza mudou as finanças globais. Em 22 de maio,…
Imagem da matéria: BNB e Ethereum se destacam com parcerias, enquanto KangaMoon demonstra um potencial disruptivo

BNB e Ethereum se destacam com parcerias, enquanto KangaMoon demonstra um potencial disruptivo

Recentemente, MoonPay e BitPay, duas grandes organizações financeiras, uniram forças para agilizar…