Imagem da matéria: Flamengo revela contratos com empresas de criptomoedas após pedido da CPI das Pirâmides
Flamengo tem chance de vencer todos os principais torneios de 2023 (Foto: Divulgação/Instagram)

Na quarta-feira (26), o Flamengo deu um importante passo para chegar à final da Copa do Brasil, vencendo fora de casa o Grêmio por 2 a 0. Já nesta quinta (27), fora de campo, o clube também mostrou que anda com a mesma intensidade para desbravar o mercado de criptomoedas

O Flamengo possui atualmente três contratos de licenciamento de marca com o objetivo de disponibilizar produtos no mercado criptoativos, em especial de fan tokens e de NFTs

Publicidade

As informações foram enviadas pelo Flamengo para a CPI das Pirâmides Financeiras e tornadas públicas nesta quinta-feira (27), após os deputados terem aprovado requerimentos para que diversos clubes de futebol prestem informações sobre quais são suas relações com o mercado cripto. 

Outros clubes como Palmeiras, Santos e o próprio Grêmio também já enviaram informações para os deputados da CPI.

Veja abaixo cada um dos contratos do Flamengo no setor cripto:

Fan tokens

O primeiro contrato do Flamengo com mercado surgiu em setembro de 2021 e foi firmado com a Socios. O objetivo era a criação do fan token do time, que recebeu o nome de $MENGO. 

Algumas ações já foram feitas para os donos dos tokens $MENGO. Em julho, quem tinha o ativo pôde participar do sorteio que formou uma equipe para jogar um amistoso no Estádio da Gávea contra a equipe vencedora do Campeonato Brasileiro em 1992. 

Outra ação recorrente é o sorteio de ingressos para partidas do Flamengo, tendo ocorrido na final da Copa do Brasil do ano passado contra o Corinthians; em jogos do clube em novembro de 2022; e, também, em janeiro deste ano

Publicidade

Curiosamente, a vitória contra o Grêmio fora de casa na semifinal da Copa do Brasil não fez bem ao token do Flamengo. O ativo apresenta uma desvalorização brutal nas últimas 24 horas: queda de 27%, segundo dados do Coingecko, sendo negociado a US$ 0,5 (R$ 2,36).

Porém, no longo prazo, o $MENGO está no azul. O fan token valorizou 111% de um ano para cá. O preço mais alto atingido pelo ativo foi no dia 10 de novembro de 2021, quando era vendido a US$ 3,94 (R$ 18,61).

A capitalização de mercado do fan token é de US$ 2,3 milhões (R$ 10,8 milhões).

Cards virtuais

O segundo contrato foi com a empresa Futster Desenvolvimento de Jogo e foi firmado em julho de 2022. A companhia cria cards virtuais de cada atleta do time e esses itens são colecionáveis no formato NFTs.

Com os cards, os usuários podem criar times e disputar partidas contra outros jogadores. No vídeo que apresenta como o jogo funciona, a Futster usa jogadores do Flamengo. Veja abaixo:

Publicidade

Jogo no estilo Fantasy

O terceiro contrato de licenciamento foi firmado em outubro de 2022, com a empresa Sorare SAS. O objetivo é criar NFTs Colecionáveis com a marca e imagens de jogadores titulares do Flamengo que poderão ser utilizados em um jogo estilo Fantasy.

Os colecionáveis, poderão ser posteriormente trocados entre os usuários dos NFTs dentro da blockchain Ethereum.

VOCÊ PODE GOSTAR
Foco em uma moeda dourada de Ethereum (ETH)

Aprovação do ETF de Ethereum pode acontecer antes do esperado, diz Coinbase

Maior exchange de criptomoedas dos EUA, a Coinbase está confiante de que a SEC aprovará ETFs de Ethereum à vista muito em breve, apesar do pessimismo mais amplo
Imagem da matéria: Hacker da Gala Games devolve Ethereum após exploração de US$ 240 milhões

Hacker da Gala Games devolve Ethereum após exploração de US$ 240 milhões

Depois que 5 bilhões de tokens GALA foram cunhados e roubados na segunda-feira, a Gala Games recuperou parte dos fundos em ETH – e ainda está descobrindo o resto
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15
Pessoa olha para scanner da Worldcoin

Hong Kong bane Worldcoin por coleta de dados “desnecessária e excessiva”

A Worldcoin chegou a escanear o rosto e a íris de 8.302 indivíduos durante sua operação em Hong Kong, segundo autoridades