Felipe Neto em vídeo em seu canal no Youtube
Imagem: Reprodução/YouTube

O influencer Felipe Neto cobrou no final da noite de domingo (18) a TV Record pelo patrocínio da casa de apostas Betano após uma longa reportagem no programa Domingo Espetacular sobre a polêmica da relação entre o cassino online Blaze e diversos influenciadores brasileiros.

Pouco tempo depois da reportagem ir ao ar, Neto usou no Twitter para acusar a emissora de incoerência, por fazer publicidade para a Betano e receber, segundo o influencer, “dezenas de milhões de reais”.

Publicidade

“A @recordtvoficial fez uma matéria atacando a Blaze e os influenciadores q divulgam. Que feio, Record. A emissora enche os bolsos de dinheiro com sites de cassino e apostas. Mas isso eles esconderam na matéria. Imagina qnt a Betano botou pra patrocinar A Fazenda”, escreveu na postagem.

Em outra postagem, ele cita a grande quantidade de queixas contra a casa de aposta no site de defesa do consumidor Reclame Aqui — um indicador que já foi mostrado em uma reportagem do Portal do Bitcoin no final do ano passado. Na ocasião, a plataforma de apostas já ocupava a 15ª posição entre as empresas mais criticadas do país. Hoje, ela não está entre as 20 mais reclamadas, mas mantém a classificação de “Ruim”, com nota 5,2 numa escala de zero a 10.

Trata-se de uma acusação similar à que a Blaze sofre: de que o alto índice de reclamações dos clientes são um indício de fraude e de que a plataforma não paga os apostadores.

As acusações contra a Blaze tomam como base em processos judiciais que dizem que a empresa some com o dinheiro de clientes brasileiros, como mostra reportagem do Portal do Bitcoin feita em parceria com a rede global de jornalistas que investigam crimes transnacionais OCCRP (Organized Crime and Corruption Reporting Project).

Publicidade

Porém, a mesma situação ocorre com a Betano: clientes tentam na Justiça reaver dinheiro que alegam ter sido roubado pela empresa, mas os magistradoa afirmam que é impossível processar a empresa.

Veja abaixo a publicação de Felipe Neto:

Blaze vira o assunto da internet brasileira

A Blaze se tornou o grande assunto da internet brasileira no final de maio, após explodir de visualizações um vídeo do youtuber Daniel Penin tentando investigar quem são os donos da Blaze e acusando os influencers de receber por cada perda dos clientes no cassino.

Felipe Neto é o principal divulgador do cassino: faz publicidade no Twitter e no YouTube e estreou um canal no Twitch com objetivo específico de promover a Blaze. O youtuber passou a ser cobrado de uma posição sobre o assunto.

Em um primeiro momento, saiu em defesa da Blaze: alegou que sofria uma “campanha difamatória” e que a empresa não era diferente de outras que fazem publicidade em grandes canais, citando a Pixbet e a TV Globo.

Publicidade

Depois, deu sinais de recuar. Retirou um post sobre a empresa do seleto grupo de três publicações que ficam fixas no topo do seu perfil de Instagram e o link para o cassino que estava em sua bio do Twitter.

Também no Twitter, ele apagou uma mensagem na qual defendia a Blaze e acusava seus detratores de terem indignação seletiva. 

Depois, no dia 14 de junho, fez um vídeo de meia hora afirmando que a publicidade que recebe não é diferente da que emissoras recebem de casas de jogos e que não irá interromper a parceria até alguma fraude ser comprovada.

VOCÊ PODE GOSTAR
Logo da ftx, dólares e bitcoin

Analistas preveem alta no mercado cripto com ressarcimento bilionário a clientes da FTX

A FTX deve cerca de US$ 11 bilhões a credores, mas a massa falida conseguiu levantar mais de US$ 14 bilhões
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

Memecoin da rede Solana com tema GameStop sobe 1.900% e desperta febre do GME

A memecoin GME decolou na segunda-feira (13), entregando retornos consideráveis, superando os das ações da GameStop
Vitalik Buterin criador do Ethereum

A proposta de taxas de gás de Vitalik Buterin tornará o Ethereum mais parecido com a Solana?

Vitalik propõe “taxas de gás multidimensionais” e afirma que é uma busca para um sistema mais personalizado e equitativo
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo