Imagem da matéria: Em prisão domiciliar, antigo líder da Unick Forex diz que fará live para 'anunciar novos projetos'
(Foto: Reprodução/YouTube)

Fernando Lusvarghi, um dos principais líderes no esquema da Unick Forex, anunciou por meio de vídeo no YouTube que fará uma live na próxima quarta-feira (29) sobre “novos planos”.

“Estou aqui hoje para informar que às 8 horas da noite irá ao ar minha primeira live, falarei sobre novos projetos.”

Publicidade

Diretor jurídico da Unick Forex, esquema de pirâmide financeira que lesou milhares de pessoas, Lusvarghi cumpre prisão domiciliar desde novembro de 2019 e precisa usar tornozeleira eletrônica.

Lusvarghi ainda é dono da SA Capital, uma empresa controversa que era divulgada como garantidora do esquema da Unick, desarticulada pela Polícia Federal em outubro de 2019.

No termo de compromisso assinado com a Justiça, Lusvarghi se comprometeu a não sair do raio de monitoramento centrado na residência e a manter a carga da bateria da tornozeleira.

Essa não é a única volta anunciada recentemente pelos líderes da Unick Forex. Em março passado, o site da empresa (Unick.academy) voltou ao ar para anunciar que vai voltar “mais forte do que nunca”. O anúncio, no entanto, não passa de uma mentira. O domínio estava fora do ar desde novembro do ano passado.

Publicidade

O esquema Unick Forex

A Unick Forex dizia operar no mercado Forex e de Criptomoedas. Por meio de suas operações, a empresa prometia retornos de até 1,5% ao dia.

Em março de 2018, a empresa sofreu a primeira retaliação por parte da CVM, que a proibiu de ofertar investimentos no Brasil. A empresa continuou a operar normalmente mas, em 2019, tentou mudar o foco do esquema para despistar as autoridades.

Em 17 de outubro de 2019, a Unick foi alvo da Operação Lamanai, da Polícia Federal. Na ocasião, os agentes encontraram e apreendeu 1.500 bitcoins e milhões de reais. Carros e imóveis também entraram na conta.

Lusvarghi foi alvo de um dos dez alvos de mandados de prisão da Lamanai, mas não foi localizado pela operação. Ele se entregou no mês seguinte em Bragança Paulista (SP) e foi mandado para regime domiciliar por falta de cela especial — o antigo diretor da Unick possui curso superior completo.

Publicidade

De acordo com a PF na época da operação, o esquema teria movimentado até R$ 9 bilhões e chegou a operar em 14 países. Em janeiro, uma nova denúncia do Ministério Público Federal revelou que a Unick Forex captou R$ 29 bilhões de 1,5 milhão de pessoas.

‘Salvos’ pelo coronavírus

Outros dois “cabeças” da Unick Forex são Leidimar Lopes e Danter Silva, ambos velhos conhecidos no mercado brasileiro.

Leidimar foi fundador da Phoner, uma outra pirâmide financeira que deixou milhares de investidores na mão. Também enriqueceu às custas das vítimas da Unick Forex — a investigação da PF aponta que ele possui pelo menos R$ 1 bilhão em uma conta no Fullbank.

Preso na operação de outubro da PF, Leidimar cumpre atualmente prisão domiciliar por conta da pandemia de coronavírus.

Já Danter também tem um passado similar, onde consta como réu em um processo acusado de captar clientes para um golpe ponzi chamado D9. Ele está no momento em liberdade, beneficiado também por uma decisão da Justiça em razão do coronavírus.

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Receita alerta sobre golpe do “erro na declaração” do Imposto de Renda; veja como se proteger

Os criminosos informam supostos erros em declarações para induzir a vítima a baixar um arquivo malicioso
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode
Tela de celular mostra logo da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil CVM

CVM ganhou R$ 832 milhões com multas aplicadas em 2023, um aumento de 1.791%

A autarquia também registrou o maior número de casos julgados desde 2019
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Quase 80% dos brasileiros desejam mais regulamentação em cripto, aponta pesquisa

Pesquisa que abrangeu América Latina teve 827 respondentes no Brasil, entre usuários e não usuários de criptomoedas