Imagem da matéria: DD Corporation: presidente admite que empresa quebrou e pede 1 ano para pagar clientes
Leonardo Araújo, CEO da antiga Dreams Digger (Foto: Reprodução/Youtube)

“Nós não temos mais possibilidade financeira alguma. Não temos caixa para devolver o dinheiro investido”, diz o CEO da DD Corporation, Leonardo Araújo, em vídeo publicado no Youtube explicando a atual situação da empresa.

Araújo veio a público assumir que faliu e jogou a culpa na Graff Tecnologia, a empresa terceirizada responsável pela plataforma da DD (antes chamada de Dreams Digger). O CEO disse que o rombo se deu após rendimentos, depósitos e saques estarem sendo duplicados e até triplicados por falha da plataforma.

Publicidade

“Imagina que uma vez encontrada essa falha, o cliente poderia ficar repetindo esse processo de modo que ele conseguisse transformar mil dólares em milhares de dólares. Era um gerador de saldo”, disse o CEO.

Araújo ainda cita o caso de um suposto hacker, que com um saldo de US$ 700 conseguiu fazer o saque 99 vezes.

1 ano para pagar, se conseguir

Com o fim decretado, o pagamento que estava prometido para sair em 10 de fevereiro de 2020, ficará para até 2021, caso ele consiga recuperar o dinheiro perdido.

“Nós não seguiremos com o Next [suposto robô de arbitragem], nós não seguiremos entregando rentabilidade. Nós iremos operar o capital que sobrou para tentar recuperar o dinheiro”, explica Araújo.

Publicidade

O CEO tenta ainda manter a esperança dos investidores dizendo que irá devolver tudo que foi investido mas sem o lucro prometido. Para conseguir cumprir, a nova promessa é de pagar no final do contrato de cada cliente, que é de 1 ano.

Se um cliente investiu em agosto de 2019, ele receberá em setembro de 2020. Se investiu em dezembro de 2019, receberá em janeiro de 2021.

DD Corporation investigada

A DD Corporation – ex-Dreams Digger – é sediada em Salvador, Bahia. A empresa foi fundada por Leonardo Araújo, que dizia ter cerca 300 mil associados e alegava ser oficialmente uma plataforma de educação sobre o mercado de criptomoedas. No entanto, usava um suposto robô de arbitragem com bitcoin como principal chamariz.

O clássico roteiro de atraso em saques foi seguido de investigação por pirâmide financeira do Ministério Público da Bahia e mudança de nome de Dreams Digger para DD Corporation.

Publicidade

Em dezembro, a DD sacramentou o calote e anunciou que encerraria as atividades no marketing multinível em 31 de dezembro. A resolução ficou para o dia 10 de fevereiro, que agora foi novamente enrolada.

Além do calote nos afiliados, a DD Corporation também costuma intimidar aqueles que resolvem reclamar publicamente da empresa.

Segundo o site internacional Behind MLM, especialista em desmascarar pirâmides financeiras, a DD corporation é um “esquema ponzi com robô de arbitragem.”

A DD funcionava num clássico esquema piramidal, onde você era remunerado pela indicação de pessoas abaixo de você. Além do bônus de indicação direta, também tinham os bônus binário, bônus de equipe e bônus de liderança. Como complemento, a empresa dizia operar um tal robô chamado Next, com rendimentos superiores a 10% ao mês sobre o seu investimento.

Ex-líderes já divulgam nova empresa

Uma nova plataforma chamada E-volve pode ser a continuação da DD Corporation. A nova empresa vem sendo divulgada desde dezembro por ex-líderes da DD Corporation e o negócio é bem similar.

Os rendimentos com bitcoin, segundo um vídeo no canal ‘E-Volve Internacional’ no Youtube, virá da atividade da trading, arbitragem e ‘hodl’.

Publicidade

No site da empresa, o negócio é apresentado como “a ferramenta mais revolucionária para criptomoedas”; os ganhos, pagos semanalmente.

De acordo com a descrição de um vídeo publicado no mês passado, a Evolve é o mais “novo projeto adotado pelos líderes da DD Corporation”. Nas imagens, o divulgador Rafael Silvestre confirma o negócio e faz o convite para o cadastro.

Gabriel Rodrigues, que supostamente fez muita grana na Dreams Digger (primeiro nome usado pela DD) — e esbanjava sua vida rica nas redes sociais enquanto recrutava pessoas para o suposto golpe — também está tentando levar mais gente para a Evolve.

Também em vídeo, Gabriel afirma que é ele que está desenvolvendo o novo negócio. Inclusive para mostrar confiança, ele faz — ou simula — um investimento de R$ 100 mil na nova plataforma (cerca de ₿ 3,3).

A Evolve oferece de 5% a 7% ao mês de rendimentos a seus participantes — 5% na primeira indicação e depois os bônus são transformados em um tipo de score.

Cada euro gera 1 ponto. A promessa para quem conseguir juntar 1.000.000 de pontos, por exemplo, é de um carro no valor de R$ 180 mil.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira