Imagem da matéria: CVM decide que investigados podem ter acesso à íntegra de inquéritos
Imagem: Shutterstock

A diretoria da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu por meio de votação que investigados agora podem ter acesso à íntegra de inquéritos abertos na autarquia.

A decisão veio depois da diretoria discutir um pedido de acesso da gigante mineradora brasileira Vale S.A. a um processo sobre possíveis irregularidades financeiras na companhia, reportou o Jota na sexta-feira (03).

Publicidade

Desta forma, agora todos os investigados pela autarquia devem ter acesso à íntegra de relatórios de inquéritos administrativos em trâmite.

No entanto, ainda ficará em em sigilo informações referentes a diligências em curso ou que estão sendo planejadas, diz o Jota.

A partir da nova jurisprudência, a Procuradoria-Federal Especializada junto à CVM vai editar um novo manual.

Conforme o Jota, no novo manual será estabelecido os procedimentos das áreas para verificar a imposição de sigilo e concessão de documentos. A medida vai valer para investigados e terceiros.

Segundo a reportagem, essa foi a primeira vez que a diretoria da CVM e discutiu o assunto, indo contra a decisão da Superintendência de Processos Sancionadores (SPS).

Publicidade

À princípio, a SPS havia concedido à Vale apenas o acesso parcial, excluindo informações que poderiam expor a linha investigativa adotada pela equipe do departamento.

Votação na CVM

De acordo com o Jota, os diretores da CVM afastaram a tese da SPS.

O diretor Henrique Machado, por exemplo, argumentou que os autos devem ser fornecidos à Vale, tarjando-se alguns trechos. Segundo ele, exclusivamente os que revelam a linha investigativa proposta pela área técnica.

Outro diretor, Gustavo Gonzalez, concordou com Machado. Para ele, o sigilo na fase investigativa é relativo e se aplica de modo bastante restrito aos investigados.

Ele lembrou, inclusive, das normas do Estatuto da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). O órgão somente permite à autoridade administrativa restringir o acesso do advogado constituído aos elementos de prova relacionados a diligências em andamento e ainda não documentados nos autos.

Publicidade

Em outro ponto, a anotado pelo diretor, o sigilo só deve ser colocado contra o próprio investigado “quando houver risco de comprometimento da eficiência, da eficácia ou da finalidade das diligências.

A norma se refere ao artigo 7º, XIV e §§ 10 a 13, da Lei 8.906/94, escreveu o Jota.

Diante da discussão, Gonzales citou também a nova lei sobre crimes de abuso de autoridade, de 05 de setembro de 2019, que passou a valer na sexta-feira (03).

De acordo com as novas regras, a lei limita a negativa de acesso ao interessado, seu defensor ou advogado. Limita também acesso às peças relativas a diligências em curso, ou que indiquem a realização de diligências futuras, cujo sigilo seja imprescindível, citou a reportagem.

Considerando o caso da Vale, o presidente da CVM, Marcelo Barbosa, acredita que ao tratar o sigilo de forma parcial há um certo equilíbrio.

Ele diz que balanceia o interesse de proteger a investigação contra conceder as condições suficientes para o exercício do direito de defesa.

Publicidade

BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Imagem da matéria: Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao "Faraó do Bitcoin"

Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao “Faraó do Bitcoin”

Réu é acusado de ser responsável pela segurança do criador da GAS Consultoria e vender armas para a organização criminosa
Nathalia Arcuri falando em evento

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria de conteúdo via blockchain

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria via blockchain e promovem educação financeira de criptoeconomia gratuita