Imagem da matéria: Criadores de empresa acusada de pirâmide têm gestora cadastrada na CVM
Foto: Reprodução

Os fundadores da MSK Invest, Glaidson Rosa e Carlos Eduardo de Lucas, criaram em 2020 uma empresa para gerir carteiras de ações de investidores. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deu o aval e a companhia, chamada Solaris Capital, agora está em fase pré-operacional.

A empresa dizia investir em criptomoedas, captava dinheiro prometendo retornos fixos por mês e ludibriava as pessoas a reinvestirem o dinheiro que achavam estar ganhando. Porém, parou de pagar todos em dezembro do ano passado.

Publicidade

Atualmente o cargo de Diretor está vago, conforme aponta o banco de dados da CVM. Inicialmente o posto foi ocupado pelo sócio Raphael Rodrigues Coelho, que seria o Diretor de Administração de Carteiras, mas deixou a empresa e foi para a Mirae.

Depois, em fevereiro deste ano, Johny Leite renunciou e deixou a companhia.

Registro da empresa na CVM mostra que cargo de diretor está vago

Nascida como MSK

No formulário enviado para a CVM, os empresários dizem que a Solaris “busca oferecer uma gestão de investimentos baseada em evidências científicas, baixa complexidade e eficiência operacional, alcançando consistência e confiabilidade nas rentabilidades das carteiras a serem geridas”.

Glaidson Rosa, um dos criadores da pirâmide da MSK Invest (Foto: Reprodução/LinkedIn)

A Solaris foi habilitada em julho de 2020 para atuar como administrador de carteira de valores mobiliários, na categoria de gestora de recursos, nos termos da ICVM 558. A CVM confirmou para o Portal do Bitcoin que a empresa está em situação regular e disse que ainda não sabe informar o tamanho do fundo gerido, por ainda estar em fase pré-operacional.

A empresa afirma que atua com gestão de carteiras administradas para clientes com aportes mínimos de R$ 1 milhão.

Segundo eles próprios, a empreitada nasceu após terem feito a MSK Invest e terem enxergado uma oportunidade no mercado de valores mobiliários. O primeiro nome da empresa foi MSK Gestão de Recursos Ltda.

Publicidade
Carlos Eduardo de Lucas, um dos criadores da pirâmide da MSK Invest (Foto: Reprodução/LinkedIn)

A empresa começou com um capital social de R$ 500 mil, que depois subiu para R$ 1,4 milhão. Além de Glaidson Rosa Tade e Carflos Eduardo de Lucas, são sócios na Solaris: Raphael Rodrigues, Daniel Felipe Rodrigues Sabino e Upper Investimentos e Participações.

O site da empresa está fora do ar, mas seu perfil no LinkedIn continua online.

Perfil da Solaris no LinkedIn

Ironicamente, a Solaris diz que quer se colocar no mercado como um “customer experience champion, oferecendo uma experiência de altíssima qualidade aos seus investidores e cotistas por meio da transparência e a manutenção de um atendimento de excelência”.

A experiência com a MSK Invest não poderia ser mais diferente.

Caso MSK Invest

A Justiça de São Paulo determinou no dia 20 de dezembro o bloqueio de R$ 100 mil da empresa MSK Invest. A decisão foi do juiz Fábio Henrique Falcone Garcia, que apontou indício de má-fé e de tentativa de não cumprir com os contratos na postura da empresa.

A MSK havia afirmado que um dos motivos de parar de pagar os clientes é por conta da insegurança jurídica diante do avanço do Projeto de Lei 2303/15 na Câmara dos Deputados, que regulamenta o mercado de criptomoedas no Brasil.

Publicidade

“Impondo condições dissociadas da negociação para ressarcimento do valor investido, aliada à falsa justificativa fundada em projeto de lei ainda não aprovado, sugere engodo destinado a evitar cumprimento de obrigação e situação financeira complicada, a indicar risco de lesão grave à requerente”, disse o juiz.

O juiz Luiz Antonio Carrer foi outro que disse haver indícios de que a MSK Invest, empresa que dizia operar com criptomoedas, seja uma pirâmide financeira e de que um mesmo uso de CNPJs é na verdade a prática de um golpe financeiro.

O magistrado também acolheu liminar de uma cliente e determinou o bloqueio de dinheiro na conta da empresa.

“Existem indícios de fraude no contrato celebrado entre as partes, que indica caso de ‘pirâmide’, a justificar a urgência da medida, pois a ré anunciou que deixará de atuar, sem a perspectiva de devolução da grande quantia investida pelo autor”, afirmou o juiz.

Além disso, ele apontou que o mesmo CNPJ é utilizado pela MSK Invest e uma empresa chamada SOMPI Seguros, e que isso indica “golpe financeiro”.

No dia 22 de dezembro, o Procon de São Paulo disse que iria acionar a MSK Invest e seus sócios no campo criminal e administrativo. A informação foi divulgada pelo presidente do órgão, Fernando Capez.

Publicidade

“A empresa [MSK] enganou diversos investidores prometendo juros de 2% a 5% em aplicação no Bitcoin. E adivinhe? Não pagou ninguém”, disse o procurador em vídeo.

O acordo com o Procon

Um dos pontos do caso que chama atenção é o otimismo do procurador Fernando Capez, presidente do Procon de São Paulo.

O acordo entre Procon e MSK Invest prevê que o reembolso será feito em cinco parcelas com o primeiro pagamento em março. Se a empresa não cumprir, será aplicada uma multa de R$ 2 milhões.  

Em um vídeo publicado no Instagram, Capez diz: “O acordo é muito bom, foi assinado. Parabéns MSK e consideramos o problema equacionado”.

Calote no distrato

Em um primeiro momento a companhia insistiu fortemente que iria pagar a todos, mas antes deveria ser assinado um distrato no qual ficava acordado que pagaria em dez parcelas.

Depois o Procon de São Paulo entrou no caso e a MSK assumiu o compromisso de pagar em cinco parcelas, com a primeira a ser quitada em março. 

Publicidade

Mas para aqueles que assinaram o distrato ficou claro que não será fácil. A empresa disse que pagaria a primeira parcela até dia 30 de janeiro. O Portal do Bitcoin conversou com um advogado que atende seis pessoas que assinaram o distrato e acompanha o caso de mais cem pessoas: nenhuma recebeu.

A empresa admite que não cumpriu com o prometido. Em um comunicado, diz que “alguns distratos serão honrados fora do prazo acordado”.

Por fim, Glaidson Rosa, um dos sócios da empresa, disse para a TV Record que não irá honrar com os compromissos assumidos em um acordo celebrado com Procon.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: PUPS sobe 81% em meio à briga por título de "primeira memecoin" do Bitcoin

PUPS sobe 81% em meio à briga por título de “primeira memecoin” do Bitcoin

A memecoin PUPS se vendeu como a primeira memecoin baseada na rede do Bitcoin, mas nem todos concordam
Imagem da matéria: Avenged Sevenfold está transformando fãs de heavy metal em "Evangelistas da Blockchain"

Avenged Sevenfold está transformando fãs de heavy metal em “Evangelistas da Blockchain”

Plataforma descentralizada recompensa fãs do Avenged Sevenfold e gera recompensas por participarem de atividades ligadas à banda
moeda de bitcoin com bandeira dos EUA no fundo

Proprietários de criptomoedas são uma força na eleição dos EUA de 2024, diz estudo

Quase um em cada cinco eleitores possui criptomoedas, o que os torna um eleitorado potencialmente poderoso em novembro, segundo a Galaxy Digital
Miniaturas de homens em cima de moeda de Bitcoin gigante fazendo medição pela metade

Contagem regressiva para o halving: MB destaca a importância do evento para o mercado cripto

O Mercado Bitcoin também evidencia como surgiu o halving e quais os mecanismos utilizados para reduzir, pela metade, as emissões da moeda digital mais relevante do mercado