Moedas de Bitcoin e Tether lado a lado
Shutterstock

O CEO da Cantor Fitzgerald, Howard Lutnick, declarou que é um “fã” do Bitcoin e da stablecoin Tether, ao mesmo tempo em que descartou outras criptomoedas como “faz de conta”.

Falando no podcast Money Movers da CNBC, o CEO da corretora de Wall Street disse: “Sou fã de criptomoedas. Mas vamos ser bem específicos. Bitcoin. Apenas Bitcoin”, acrescentando que estava otimista com a perspectiva do halving do Bitcoin e com a possibilidade de aprovação de um ETF de Bitcoin à vista.

Publicidade

“A cada quatro anos, o Bitcoin dobra o preço do trabalho que você precisa fazer para obter uma moeda”, disse Lutnick. “E se você observar a história do Bitcoin, toda vez que isso acontece, ele se sai bem.”

É mais ou menos assim que funciona. O halving é essencialmente um mecanismo para manter a inflação do Bitcoin sob controle. A cada quatro anos, o protocolo reduz pela metade as recompensas de bitcoin para os mineradores, limitando assim a quantidade de novas moedas que entram no mercado.

Haverá apenas 21 milhões de Bitcoins cunhados. Na velocidade atual em que os mineradores estão operando, o próximo halving é esperado para abril, com recompensas reduzidas de 6,25 BTC para 3,125 BTC para cada bloco processado por um minerador.

“Acho que, com o halving e a maneira como o mundo funciona hoje em dia, muitas pessoas estão preocupadas com o fato de termos déficits de US$ 2 trilhões”, disse Lutnick durante o podcast.

Publicidade

No entanto, ele disse que vê o Bitcoin como “apenas uma coisa especulativa”, comparando-o às ações da Tesla. “É apenas algo para negociar”, disse ele. “Por que a Tesla é a Tesla? A resposta é: porque todo mundo compra e o preço sobe”.

Lutnick também disse que é um “grande fã” da stablecoin Tether, acrescentando que a Cantor Fitzgerald detém os títulos de Tesouro da Tether. “Eu mantenho os títulos de Tesouro deles — e eles têm muitos títulos do Tesouro, são mais de US$ 90 bilhões agora”, disse ele.

Em resposta ao recente comentário do CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, que disse que o governo dos EUA deveria banir as criptomoedas, Lutnick argumentou que cripto é “incontrolável”, acrescentando que o Bitcoin poderia ser usado por oligarcas russos, que estão “morrendo de medo de Putin”, para expatriar seus fundos.

Lutnick afirmou que a Tether (e, segundo ele, o Ethereum) é centralizada e os fundos podem ser congelados a pedido das autoridades. “O Departamento de Justiça liga para a Tether e a congela — porque há alguém para quem ligar. Não há ninguém para ligar para o Bitcoin. Portanto, o Bitcoin é uma coisa estranha — mas somente o Bitcoin é uma coisa estranha. Para o Ethereum, você pode ligar para Joe Lubin”.

Publicidade

Lubin afirmou anteriormente que ele e sua empresa ConsenSys nunca controlaram “nem perto de meio por cento” do fornecimento total de Ethereum.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Conselho nega recurso do “Faraó do Bitcoin” e mantém condenação de R$ 34 milhões da CVM

CRSFN manteve a condenação, no valor total de R$ 102 milhões, a GAS Consultoria, Glaidson Acácio (o Faraó do Bitcoin) e sua esposa Mirelis Diaz
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Nigéria retira acusações contra executivos da Binance, mas mantém exchange na mira

Dois executivos da Binance foram afastados das acusações de evasão fiscal por uma agência nigeriana, mas ainda enfrentam um caso de lavagem de dinheiro
Sede da Braiscompany em Campina Grande, Paraíba

TRF anula contrato e Braiscompany é condenada a pagar R$ 50 mil a cliente

O contrato de serviço de cessão temporária de criptoativos foi anulado pela 17ª Vara Cível de Brasília
Imagem da matéria: Token Friend.tech cai 22% depois de críticas à saída da Base para uma nova blockchain

Token Friend.tech cai 22% depois de críticas à saída da Base para uma nova blockchain

As notícias sobre os planos da Friend.tech de lançar uma blockchain para projetos sociais descentralizados não foram bem recebidas