Imagem da matéria: Braiscompany: Justiça já entregou todos os documentos para extraditar donos da pirâmide
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

A Justiça Federal do Brasil afirma já ter entregue todos os documentos para a extradição dos criadores da Braiscompany, Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, que foram presos na Argentina em fevereiro e agora esperam em regime domiciliar que o caso seja resolvido. As informações são do portal G1

A reportagem relembrou uma entrevista com o delegado Guilherme Torres, responsável pela ação que resultou na prisão dos criadores da Braiscompany na Argentina, na qual ele explica por que o casal ainda não foi transferido para o Brasil.

Publicidade

“A gente não pode estabelecer um prazo, pois depende da legislação argentina. A gente pode citar que em um caso semelhante que aconteceu no mesmo processo, também na Argentina, demorou cerca de três meses”, disse Torres ao G1. 

O G1 também falou com o advogado que defende os criadores da Braiscompany, Santiago André Schunck, que informou sobre o processo nos dois países: em fase de recurso de apelação no Brasil e sem prazo pré-estabelecido para terminar na Argentina.

Casal aguarda extradição

Condenado no Brasil por coordenar junto com a esposa, Fabrícia Campos, um dos maiores golpes já visto no país, Antônio Neto foi preso em 29 de fevereiro deste ano quando chegava a um condomínio de luxo em Escobar, na Argentina. Na ocasião, o casal já era considerado foragido da justiça brasileira.

Fabrícia conseguiu um habeas corpus no dia seguinte à prisão, podendo ficar em liberdade enquanto aguarda a extradição. Antônio também conseguiu prisão domiciliar em maio. 

Publicidade

Em julho do ano passado, os sócios da Braiscompany foram acusados pela Polícia Federal de crime contra o sistema financeiro nacional, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Em fevereiro deste ano, o juiz Vinícius Costa Vidor, da 4ª Vara Federal em Campina Grande, condenou Antônio Ais a 88 anos e 7 meses de prisão, e Fabrícia a 61 anos e 11 meses, além de condenar mais oito envolvidos no processo.

No mês passado, a Polícia Civil de São Paulo pediu a prisão preventiva do casal, classificando a Braiscompany como uma “empresa de pseudoinvestimento”, com o processo sendo remetido a Campina Grande a pedido do Ministério Público de São Paulo.

Na última semana, o Ministério Público Federal fez uma nova denúncia contra o casal por lavagem de dinheiro, incluindo no processo o doleiro Joel Ferreira de Souza e seu filho, Victor Augusto, suspeitos de criarem diversas empresas para movimentar fundos e pulverizar valores. 

Publicidade

A pirâmide Braiscompany

A Braiscompany era uma empresa que prometia retornos fixos aos seus clientes por meio do suposto investimento em criptomoedas. O esquema pedia que a pessoa comprasse valores em Bitcoin e os enviasse para uma wallet da empresa.

Em dezembro de 2022, a Braiscompany parou de pagar os clientes. Em fevereiro do ano passado, a pirâmide ruiu: o Ministério Público Federal abriu um processo penal contra Neto Ais e Fabrícia Campos e a Justiça autorizou pedidos de prisão preventiva que tentaram ser cumpridos na Operação Halving em fevereiro. O casal, no entanto, fugiu.

Em julho passado, um relatório de investigação emitido pela Polícia Federal apontou que Netos Ais e sua esposa fugiram para a Argentina usando passaporte de familiares.

Segundo a PF, nos últimos quatro anos, foram movimentados cerca de R$ 1,5 bilhão em criptomoedas vinculadas aos sócios da Braiscompany.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

ETFs de Bitcoin voltam a ter entradas líquidas com fluxo de US$ 101 milhões

ETFs de Bitcoin tiveram dois dias de saídas e voltaram a ter fluxo positivo com uma retomada do ânimo do mercado após dados de inflação nos EUA
camisas das seleções da itália e Argentina

Socios.com lança colecionáveis que celebram o legado das seleções da Itália e Argentina

Para participar do ‘The Fabric of Champions’, os detentores de fan tokens podem bloquear seus ativos até 15 de julho
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
Imagem da matéria: ETF de Bitcoin da BlackRock supera 300 mil BTC sob gestão

ETF de Bitcoin da BlackRock supera 300 mil BTC sob gestão

Na semana passada, o ETF de Bitcoin da BlackRock já havia superado o da Grayscale e se tornado o maior do mercado em ativos sob gestão