Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)
O casal Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos (Reprodução/Instagram)

A Polícia Civil de São Paulo (PCSP) pediu a prisão preventiva Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, o casal por trás da pirâmide financeira  Braiscompany que ruiu no início de 2023. Os ex-funcionários Mizael Moreira Silva e Karla Roberta Pereira Alves também estão na lista, segundo informações do G1 desta terça-feira (2).

A PCSP classificou a Braiscompany como uma “empresa de pseudoinvestimento”, justificando os pedidos de prisão para garantir a ordem pública, a conveniência da instrução criminal e a aplicação da lei penal.

Publicidade

O processo foi remetido a Campina Grande a pedido do Ministério Público de São Paulo.

Casal foi preso na Argentina

Antônio e Fabrícia foram presos pela Interpol na Argentina no fim de fevereiro deste ano, depois de longos meses foragidos da justiça brasileira; dias depois, Fabrícia conseguiu um habeas corpus e foi liberada. Contudo, ambos aguardam a extradição para o Brasil. 

Em julho do ano passado, os sócios da Braiscompany foram acusados pela Polícia Federal de crime contra o sistema financeiro nacional, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Em fevereiro deste ano, o juiz Vinícius Costa Vidor, da 4ª Vara Federal em Campina Grande, condenou Antônio Ais a 88 anos e 7 meses de prisão, e Fabrícia a 61 anos e 11 meses, além de condenar mais oito envolvidos no processo.

De acordo com o G1, Karla entrou na mira das autoridades somente agora devido a uma investigação da polícia paulista — ela é apontada como uma “laranja” que emprestou o nome para ser usado em uma transferência de uma Ferrari de Neto Ais.

Publicidade

A pirâmide Braiscompany

A Braiscompany era uma empresa que prometia retornos fixos aos seus clientes por meio do suposto investimento em criptomoedas. O esquema pedia que a pessoa comprasse valores em Bitcoin e os enviasse para uma wallet da empresa.

Em dezembro de 2022, a Braiscompany parou de pagar os clientes. Em fevereiro do ano passado, a pirâmide ruiu: o Ministério Público Federal abriu um processo penal contra Neto Ais e Fabrícia Campos e a Justiça autorizou pedidos de prisão preventiva que tentaram ser cumpridos na Operação Halving em fevereiro. O casal, no entanto, fugiu.

Em julho passado, um relatório de investigação emitido pela Polícia Federal apontou que Netos Ais e sua esposa fugiram para a Argentina usando passaporte de familiares.

Segundo a PF, nos últimos quatro anos, foram movimentados cerca de R$ 1,5 bilhão em criptomoedas vinculadas aos sócios da Braiscompany.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de ether

Mercados de empréstimos de Ethereum enfrentam liquidações massivas em abril

O volume de empréstimos em Ethereum (ETH) liquidados apenas nas duas primeiras…
Moedas douradas à frente de bandeira do Brasil

Fundos de criptomoedas têm semana negativa, mas Brasil registra entrada de R$ 15 milhões

Brasil segue momento positivo para fundos de criptomoedas, enquanto produtos ao redor do mundo têm semana negativa com queda dos preços
predio com logo da corretora binance

Binance desiste de registro em Portugal e pode voltar à Índia com multa de US$ 2 milhões

Em Portugal, a empresa não conseguiu dar conta de uma série de pressupostos essenciais para o licenciamento da operação a nível nacional, diz mídia local
Celular com gráficos de ações e criptomoedas em queda no fundo

Preço de tokens BRC-20 da rede Bitcoin despencam antes do halving — Runes é o culpado?

Em semana crucial para a principal rede de criptomoedas, a ORDI caiu mais de 40%