Imagem da matéria: Braiscompany: Antônio Neto Ais vira "persona non grata" em Campina Grande
Antônio Neto Ais, criador da Braiscompany (Reprodução/Instagram)

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), sancionou uma lei que torna o criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais, persona non grata no município paraibano, em decorrência do golpe com criptomoedas que lesou milhares de pessoas na cidade e em todo o Brasil.

Persona non grata é uma expressão em latim utilizada para indicar alguém que não agrada ou não é bem-vindo; neste caso, Ais é oficialmente malquisto em Campina Grande.

Publicidade

Leia também: Passado turvo, luxo e celebridade: quem é Antonio Neto Ais, o criador da Braiscompany

Conforme apurou o site ClickPB, a decisão, que já foi publicada no Diário Oficial de Campina Grande, revoga a lei nº 8496 de 19 de setembro 2022 e cria outras providências através da lei 8.708. Nela, é revogado o título de cidadão campinense concedido a Antônio Neto Ais em 2022.

O advogado Artêmio Picanço, especialista em atender vítimas de fraudes com criptomoedas, comentou a decisão em um post no Instagram.

“Oficialmente TOIN se torna persona non grata. Parabéns a iniciativa dos campinenses, não vi nenhum outro caso dar esse tipo de tratamento aos golpistas”, escreveu.

(Reprodução)

O impacto da Braiscompany em Campina Grande

Na cidade, a Braiscompany chegou a patrocinar um dos maiores eventos juninos do país, o São João de Campina Grande.A partir da enorme divulgação proporcionada durante o evento, milhares de pessoas resolveram investir no negócio fraudulento de Antônio Neto Ais.

Publicidade

A Braiscompany, que era comandada por Ais e sua esposa Fabrícia Campos, oferecia rendimentos fora da realidade do mercado financeiro.

Leia também: Braiscompany: saiba tudo sobre a empresa acusada de criar uma pirâmide financeira de R$ 1,5 bilhão com Bitcoin

Segundo a Polícia Federal, no momento em que a Braiscompany foi derrubada em fevereiro deste ano, o negócio tinha cerca de 18 mil clientes e controlava mais de R$ 1 bilhão em criptomoedas.

A 4ª Vara Federal da Seção Judiciária da Paraíba já acatou uma denúncia do Ministério Público Federal na ação penal contra os sócios da Braiscompany. Na denúncia, além do casal Ais, o MPF cita 11 pessoas ligadas ao esquema. Atualmente, o casal de criadores da Braiscompany são foragidos da Polícia Federal.

VOCÊ PODE GOSTAR
bitcoin preso a correntes

Angola proíbe mineração de criptomoedas e China repercute

Embaixada pediu aos chineses que vivem no país sul-africano para não apoiarem ou se envolverem com mineração
Imagem da matéria: PF prende hacker que vendia dados de 223 milhões de brasileiros por criptomoedas

PF prende hacker que vendia dados de 223 milhões de brasileiros por criptomoedas

“Vandathegod” foi responsável pelo maior vazamento de dados da história do Brasil
Uniswap, venture, criptomoedas, investimentos, web3

Manhã Cripto: Token da Uniswap despenca 17% após alerta de processo da SEC e Bitcoin recupera os US$ 70 mil

CEO da Uniswap, Hayden Adams, disse não estar surpreso, “apenas irritado, desapontado e pronto para lutar”
Imagem da matéria: Executivo da Binance que fugiu da Nigéria volta a ser preso no Quênia, diz jornal

Executivo da Binance que fugiu da Nigéria volta a ser preso no Quênia, diz jornal

Autoridades do Quênia estudam extraditar o executivo de volta para a Nigéria ainda esta semana