antonio ais braiscompany pirâmide
Antônio Neto Ais, criador foragido da Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

A 4ª Vara Federal da Seção Judiciária da Paraíba acatou nesta terça-feira (8) a denúncia do Ministério Público Federal na ação penal contra os sócios da Braiscompany, suposta pirâmide financeira com criptomoedas que deixou de pagar os clientes no final de 2022.

Na sua decisão, o juiz federal responsável pelo caso, Vinícius Costa Vitor, aponta que o fato de o casal líder da Braiscompany, Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, estar foragido, torna necessário a citação deles como réus na ação penal.

Publicidade

Na denúncia do MP vista pelo Portal do Bitcoin, além do casal, outras 11 pessoas ligadas ao esquema da Braiscompany também se tornaram réus na ação, incluindo: Victor Hugo Lima Duarte, Mizael Moreira Silva, Sabrina Mikaelle Lacerda Lima, Arthur Barbosa da Silva, Flávia Farias Campos, Fernanda Farias Campos, Clélio Fernando Cabral, Felipe Guilherme da Silva Souza, Gesana Rayane Silva, Fabiano Gomes da Silva e Deyverson Rocha Serafim.

Deste grupo, três já estão presos preventivamente, sendo que Sabrina e Arthur estão detidos no Brasil e Victor Hugo na Argentina.

O MP dividiu a denúncia de 335 páginas em três partes, dado o grande número de réus investigados no caso e os diferentes crimes que são suspeitos de terem cometido e que incluem formação de organização criminosa, obstrução de investigação, crimes financeiros, crimes contra o mercado de capitais e lavagem de dinheiro.  

Investigação contra a Braiscompany 

A denúncia do MP foi aceita uma semana após a Polícia Federal terminar a investigação da Braiscompany e indiciar 16 pessoas pela orquestração de uma pirâmide financeira que movimentou R$ 2 bilhões com uso de criptomoedas.

Publicidade

No material formado por 21 páginas, além de numerosos anexos, a polícia acusa os indiciados de integrarem uma organização criminosa e revela que o casal fugiu para a Argentina usando passaporte de familiares.

Leia também: Braiscompany: saiba tudo sobre a empresa acusada de criar uma pirâmide financeira de R$ 1,5 bilhão com Bitcoin

Ao analisar as descobertas da Polícia Federal, o Ministério Público optou por seguir adiante com a denúncia que, ao ser acolhida hoje pelo juiz, faz com que os investigados virem réus para responder criminalmente perante a justiça brasileira.

Talvez você queira ler
Novo logotipo da exchange Huobi, HTX

HTX: Corretora e protocolo de Justin Sun sofrem ataque hacker de US$ 100 milhões

Justin Sun disse que cobrirá qualquer perda sofrida por seus usuários; é a quarta exploração seguida em projetos ligados ao empresário
Robert Kiyosaki autor do livro Pai Rico Pai Pobre posa para foto

Compre Bitcoin antes que seja tarde demais, diz autor de “Pai Rico, Pai Pobre”

Robert Kiyosaki destacou a nova máxima histórica do ouro e disse que as pessoas precisam compra o metal e Bitcoin antes que seja tarde
Fachada de um prédio da BlackRock na Califórnia, EUA

BlackRock pede autorização para lançar ETF de Ethereum à vista nos EUA

A confirmação do plano da BlackRock de lançar um ETF de Ethereum à vista fez a moeda valorizar 2,8% nesta manhã
ingresso nft sympla

Sympla vai transformar ingressos de shows e eventos em NFTs para combater falsificações

Usando blockchain, a empresa fará a tokenização dos ingressos para permitir o rastreio e evitar duplicações