Imagem da matéria: Bitcoin rompe R$ 200 mil com alta de 100% em três semanas
Foto: Shutterstock

O bitcoin superou a marca de R$ 200 mil pela primeira vez na história às 21h50 desta quarta-feira (06) em forte movimento de alta que já dura alguns meses. Em dólar, a criptomoeda também bate recordes e supera os US$ 37 mil.

Após romper os R$ 100 mil pela primeira vez, em 20 de novembro, o BTC ficou sendo negociado na região dos R$ 80 mil a R$ 100 mil por quase um mês inteiro. No dia 17 de dezembro, o preço voltou a subir, dando continuidade a um movimento que dura até hoje, alcançando nova máxima histórica.

Publicidade

Apenas em 2021, o bitcoin acumula ganhos de 30% depois de abrir o ano cotado a R$ 153 mil de acordo com dados do Índice de preço do Bitcoin (IPB).

O que explica a forte valorização do bitcoin

2020 foi um ano movido pelo capital institucional entrando no mercado de bitcoin. O bonde foi puxado pela MicroStrategy, empresa de bussiness inteligence listada na bolsa de valores americana. Em setembro, o CEO da empresa, Michael Saylor, anunciou a compra de US$ 425 milhões em BTC. Nos meses seguintes, ele seguiu comprando e já acumula mais de US$ 1,1 bilhão (que atualmente viraram US$ 1,8 bi).

A seguradora americana MassMutual foi outra que investiu US$ 100 milhões em bitcoin. O CEO do Twitter também comprou US$ 50 milhões em bitcoin através da Square, empresa de pagamentos na qual é cofundador.

Essa tendência está sendo seguida por diversos grandes players do mercado tradicional, que estão vendo o bitcoin como uma reserva de valor e hedge contra o dinheiro fiduciário.

Publicidade

A entrada dos investidores institucionais é sem dúvida o principal motivo para a disparada do bitcoin. No bull run anterior, em 2017, a valorização da criptomoeda foi sustentada pelo varejo, sobretudo por pequenos investidores da Ásia.

Além disso, a Tether também superou a marca de US$ 20 bilhões em valor de mercado, o que é visto como uma métrica de novo dinheiro fiduciário entrando no mercado de criptomoedas.

Movimento agora é de popularização até mesmo de serviços — em novembro a gigante PayPal passou a permitir que seus clientes negociassem bitcoin.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Corretoras batem recorde de negociações enquanto suas reservas de Bitcoin despencam

Corretoras batem recorde de negociações enquanto suas reservas de Bitcoin despencam

A alta das criptomoedas em março resultou em um recorde de negociações e queda drástica das reservas de Bitcoin das corretoras
moeda de bitcoin e ethereum com gráfico ao fundo

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) supera US$ 72 mil com halving cada vez mais próximo; ETH dispara 6%

É a primeira vez que o Bitcoin bate a marca de US$ 72 mil desde meados de março
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação
Equipamento de mineração com CPU em uma mesa de escritório com sinal luminoso do Bitcoin atrás

Dificuldade de mineração do Bitcoin bate recorde em último ajuste antes do halving

Recorde significa que mineradores estão correndo para garantir a recompensa de 6,25 BTC por bloco antes do halving