Imagem da matéria: Bitcoin Banco tenta justiça gratuita em processo em SP mas juíza nega
Foto: Shutterstock

A Justiça de São Paulo negou o pedido de gratuidade feito pelo Bitcoin Banco num recurso contra a decisão que o condenou ao pagamento de R$ 17.462,14 a um de seus clientes. O despacho foi publicado na quarta-feira (24) no Diário de Justiça do Estado de São Paulo.

De acordo com os autos, a juíza Liege Gueldini de Moraes, da Vara do Juizado Especial Cível e Criminal de Jandira (SP), havia acolhido em parte o pedido de um cliente que havia aportado R$ 27.462,14 no Bitcoin Banco.

Publicidade

A juíza negou o pedido dos R$ 10 mil, pois esses já haviam sido sacados pelo cliente. Quanto ao pedido de indenização por danos morais não houve qualquer menção na decisão.

Isso poderia fazer esse cliente recorrer e até apresentar embargos de declaração. O despacho, entretanto, que negou a gratuidade de Justiça (mesmo sem trazer o nome do requerente) se remete a uma empresa. O cliente, por outro lado, é uma pessoa física, conforme consta no processo.

Segundo o despacho a gratuidade de Justiça foi negada pelo fato de a empresa não ter comprovado sua situação de penúria. 

“Indefiro os benefícios da justiça gratuita ao recorrente, já que se trata de pessoa jurídica e não houve demonstração efetiva da situação de penúria da empresa”.

Publicidade

A Juíza, então, deu o prazo de 48 horas para que a empresa recorrente comprove o recolhimento do preparo, ou seja pague as custas, sob pena de deserção.

Sentença contra Bitcoin Banco

A sentença recorrida foi proferida ainda em abril deste ano. A juíza não acolheu o argumento de que a ação deveria ser suspensa diante do procedimento de Recuperação Judicial em andamento. E, além disso, ela afastou a possibilidade de esta ação atrapalhar a investigação da alegada fraude sofrida pelo Grupo Bitcoin Banco. 

“Em que pese o contido na defesa dos réus, não há fundamentação plausível para que seja determinada a suspensão com intuito de evitar prejudicialidade externa. A presente ação visa, apenas, garantir a devolução dos valores investidos pelo autor, o que em nada atrapalha quaisquer das investigações em andamento”.

A juíza, então, reconheceu a existência de grupo econômico formado pelas empresas Negociecoins Intermediação e Serviços Online Ltda, Bitcurrency Moedas Digitais S.A. e TEMBTC Serviços Digitais Ltda.

Publicidade

Ela também atendeu ao pedido do cliente para que se faça a desconsideração da personalidade jurídica do Bitcoin Banco e inclua como réu o responsável Cláudio Oliveira, o qual terá de ser responsabilizado junto com as empresas do grupo econômico para devolver o valor de um pouco mais de R$ 17 mil que deverão ainda ser corrigidos.

Troca de advogados

Esse processo não está sob a representação dos advogados do escritório Jorge Domingos que recentemente renunciou o mandato na ação que cuida da Recuperação Judicial das empresas do Grupo Bitcoin Banco.

Consta nos autos do processo no Juizado especial de Jandira que o advogado responsável pela defesa do Bitcoin Banco é Adriano Zaitter. Ele assumiu a causa após a saída do escritório Nelson wilians, que antes representava a empresa em diversas ações incluindo esta em Jandira (SP).  

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

Polícia Civil de SP pede prisão de donos da Braiscompany e mais dois funcionários

Antônio Neto Ais já está preso na Argentina, enquanto Fabrícia Campos está em liberdade condicional
simbolo do dólar emergindo de placa de computador

Mercado Bitcoin lista duas novas stablecoins da startup Aryze

Ambas as moedas, devido à paridade com o dólar americano e à libra esterlina, representam estabilidade e diversificação na carteira dos investidores
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Receita alerta sobre golpe do “erro na declaração” do Imposto de Renda; veja como se proteger

Os criminosos informam supostos erros em declarações para induzir a vítima a baixar um arquivo malicioso
Homem aponta controle para TV que emerge imagens em 3D

‘TV 3.0’ que chegará ao Brasil em 2025 vai precisar de internet ou conversor? Entenda

Novo sistema de transmissão para TVs promete enviar som e imagem com qualidades maiores, além de maior interatividade com o espectador