“Argentinos já usam bitcoin como fuga da própria moeda”, diz professor de economia internacional

Argentinos poderão pagar metrô e ônibus com Bitcoin em 37 cidades
(Foto: Shutterstock)


“O governo da Argentina não tem como controlar o Bitcoin, a não ser que incentive seu gasto”. A frase é do professor e pesquisador em Economia internacional e Macroeconomia da UFF (Universidade Federal Fluminense), Adriano Vilela Sampaio.  

Em conversa com o Portal do Bitcoin, Sampaio analisou a situação do país assolado pela inflação e explicou que a tentativa da Argentina em conter a saída de dólares de suas reservas, caso seja algo mal-feito, pode acabar acelerando a evasão de capitais. Leia abaixo a entrevista completa:

Portal do Bitcoin — A Argentina fechou 2019 com inflação de 53,8%, a maior desde 1991. O que está acontecendo?
Adriano Sampaio — No começo da década de 90, uma série de países emergentes como o Brasil e própria Argentina atrelou a sua moeda ao câmbio como uma forma de controlar a inflação, a chamada âncora cambial. Na Argentina, estava na lei que um peso valia um dólar. Podia até mesmo ter depósito em banco em dólar. Na Argentina, a cultura da dolarização continuou mesmo depois do fim desse regime de câmbio fixo. 

O problema é que o governo da Argentina voltou a se endividar em dólar. Quando começou a se ter pressão para ter a desvalorização, começou a ter problema de sustentabilidade da dívida. Desvalorizações cambiais, que muitas vezes estão ligadas à queda de preço de commodities, são muito inflacionárias.

O professor e pesquisador em Economia internacional e Macroeconomia da UFF (Universidade Federal Fluminense), Adriano Vilela Sampaio
O professor e pesquisador em Economia internacional e Macroeconomia da UFF (Universidade Federal Fluminense), Adriano Vilela Sampaio. Foto: Arquivo pessoal

O Banco Central Argentino decidiu recentemente controlar a saída de dólares de sua reserva. Por que tomar essa medida?
Quando o governo tem dívida em dólar e tem uma pressão de saída de capital, ocorre desvalorização da moeda local, o que alimenta a inflação. Quando piora a situação do setor externo, pode gerar a chamada expectativa auto-realizável com a corrida para compra de dólar ou pagamento de dívida em dólares o que faz com que o dólar suba ainda mais. Isso traz mais dificuldade para a Argentina a pagar sua dívida.

Uma das saídas é tentar impor o controle de saída de capital para conter o contágio. O país conseguiu brecar um pouco essa saída de capitais. A questão é que o preço do dólar oficialmente é um e no mercado paralelo é outro muito mais alto.

O Bitcoin vem sendo usado na Argentina como alternativa?
O Bitcoin começou a ser usado por parte da população como instrumento de fuga para manter alguma reserva de valor. O governo, porém, se não emite e não tem controle, não tem como controlar o gasto. O que ele pode fazer é incentivar o gasto permitindo com que pessoas paguem as coisas com Bitcoin. Lá na Argentina tem mais pessoas usando Bitcoin que no Brasil.  



Isso não pode ter efeito reverso e acabar criando uma maior evasão de capitais?
Essa é uma questão difícil de avaliar. Quando o governo põe esse tipo de controle e os agentes encontram alguma brecha, eles aceleram ao máximo para evadir o capital. Em situação de grande instabilidade, isso pode acelerar mais a fuga de capital e deixar o país numa situação pior que antes. Se o controle não é tão pesado e bem feito, no qual os agentes não veem a necessidade de mandarem recursos para fora, ele pode não provocar essa fuga.

A crise fez com os argentinos corressem mais atrás de Bitcoins. Isso seria falta de confiança do povo na sua própria moeda?
A depender do contexto, a tendência dos agentes é, ao notar o risco da moeda se desvalorizar muito rapidamente, buscar ativos que consideram mais seguros. Pode ser inclusive o Bitcoin ou outras criptomoedas também.

A crise de hoje na Argentina é a segunda maior na América Latina, perdendo apenas para a Venezuela. Há o risco de a Argentina, sem pagar a dívida externa, passar pelo mesmo que o país governado por Nicolás Maduro?
Eu acho difícil. A situação da Venezuela é muito mais complexa. Lá se tem uma instabilidade política que duraria pelo menos uma década e nos últimos anos tem sido muito mais grave. Lá a economia doméstica está disfuncional já. A situação venezuelana é de deterioração política, econômica, social e geopolítica, pois nem com os governos da região há mais diálogo.

Na Argentina, a situação política é incomparavelmente melhor. As eleições recentes correram bem e a transição entre Maurício Macri e Alberto Fernández foi normal. A única situação grave é o pagamento da dívida. O governo abriu novos canais de negociação, precisa pagar a dívida e não vai conseguir. Teve empréstimo do FMI (Fundo Monetário Internacional) e auxílio da China, mas ainda haverá turbulências. 

O Brasil corre o risco de passar pelo mesmo problema que a Argentina?
Eu sinceramente não vejo esse risco. A Argentina, no governo Macri, aumentou o endividamento em dólar, porque as condições geralmente são melhores com os juros mais baixos. Mas corre o risco quando o dólar desvaloriza, a dívida na moeda doméstica aumentar. A dívida do Brasil em dólar é baixíssima. E, aqui se tem muito mais reserva do que volume de dívida. Liquidamente, o Brasil tem mais dólar do que precisa pagar.

A gente passou por uma desvalorização grande nesses últimos meses do Real, mas o Brasil ainda tem uma “bazuca” que são os mais de US$ 300 bilhões em reservas. Mesmo com o pior episódio de saída de capitais das últimas décadas, o Brasil não gastou nem 10% das suas reservas.