Imagem da matéria: ABCripto se posiciona contra mudanças feitas no projeto de lei das criptomoedas  
Foto: Shutterstock

A Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), grupo que reúne as principais corretoras do Brasil, veio a público se posicionar contra a exclusão das propostas feitas pelo Senado ao Projeto de Lei 4.401/21, que regula o mercado de criptomoedas no país.

Em nota enviada ao Portal do Bitcoin, o grupo se mostra insatisfeito com o relatório final do PL apresentado na segunda-feira (4) por seu relator, o deputado federal Expedito Netto (PSD-RO).

Publicidade

O desacordo está relacionado a dois dispositivos específicos que Netto impôs ao texto final: a não obrigatoriedade de segregação patrimonial e uma regra de transição mais branda que dá um prazo de seis meses para que empresas da área se formalizem no Brasil, o que inclui a criação de um CNPJ.

Segundo o ABCripto, a regra de transição defendida no Senado, na qual as empresas devem estar reguladas no país assim que a lei entrar em vigor, é “essencial para a segurança dos cidadãos e o bom ambiente de negócios para o empreendedores, ao definir os critérios da territorialidade e da responsabilidade local para a atuação de empresas e iniciativas cripto no território nacional”.

O grupo destaca esse ponto ao se referir ao cumprimento do regramento jurídico brasileiro, o que inclui boas práticas de proteção às relações de consumo, privacidade de dados, obrigações fiscais, ambientais e trabalhistas, e prevenção à lavagem de dinheiro.

“A ABCripto tem pautado desde 2018 a importância de empresas serem nacionalizadas no Brasil com CNPJ, cumprimento da IN 1888 e Regras do COAF, em linha com o GAFI”, complementa.

Publicidade

O segundo ponto que a organização defende é que exista uma obrigação, formalizada em lei, de que empresas de criptomoedas façam a separação do patrimônio dos clientes dos ativos das empresas e prestadoras de serviço. 

Isso é importante, segundo a ABCripto, para evitar qualquer imprecisão entre os legítimos detentores dos bens, direitos e obrigações. “Entendemos tratar-se de medida salutar e preventiva, de larga utilização em outros tipos de mercado, como o financeiro e o imobiliário, e que faria muito bem à Criptoeconomia, ampliando a higidez do setor para todos os seus participantes”, defende.

“A ABCripto estranha e discorda da supressão dessas proteções no relatório recém apresentado, clamando pela retomada do texto e a aprovação de tão importantes medidas para a segurança da criptoeconomia brasileira e sua evolução tempestiva, oportuna e adequada”, finaliza a nota.

Tramitação do PL das criptomoedas

O PL das criptomoedas avançou na Câmara dos Deputados neste início de semana, quando o deputado Expedito Netto divulgou o relatório final do projeto.

Publicidade

Agora que o relatório está finalizado, cabe ao presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), colocar o texto para ser votado. Expedito Netto afirma que a matéria agrada o líder da Casa e que não gera divisões e, por isso, a previsão é que seja aprovada com facilidade.

O PL 4401/2021 representa um compilado de projetos de leis que visam regular o mercado de criptomoedas no Brasil.
Em dezembro de 2021, o PL – então com a nomenclatura 2303/2015 – foi aprovado pelo Plenário da Câmara dos Deputados e seguiu para o Senado, onde recebeu adendos de alguns projetos de lei que já tramitavam entre os senadores, antes de ser aprovado com a numeração final de 4401/2021 e voltar para a Câmara.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin com bandeira dos EUA no fundo

Proprietários de criptomoedas são uma força na eleição dos EUA de 2024, diz estudo

Quase um em cada cinco eleitores possui criptomoedas, o que os torna um eleitorado potencialmente poderoso em novembro, segundo a Galaxy Digital
Mulher olhando celular com logotipo do paypal

PayPal libera uso de stablecoins para pagamentos internacionais

Empresa explicou que clientes podem converter o PayPal USD (PYUSD) em dólares e enviar dinheiro para 160 países
Foco em uma moeda dourada de Ethereum (ETH)

ETF de Ethereum tem 50% de chance de ser aprovado em maio, diz JP Morgan

O gigante bancário é o último a reduzir suas expectativas em relação à revisão das propostas da SEC para oferecer fundos vinculados ao preço do ETH
Imagem da matéria: Ex-ministro do Petróleo da Venezuela é preso por corrupção com uso de criptomoedas

Ex-ministro do Petróleo da Venezuela é preso por corrupção com uso de criptomoedas

O ex-ministro Tareck El Aissami foi preso por participar de esquema que desviou US$ 15 bilhões da venda de petróleo usando criptoativos