Imagem da matéria: “A Polícia Federal vai me prender”, diz dono da Miner, que deu calote de R$ 10 milhões

Em conversa gravada por uma suposta vítima da Miner, empresa de investimentos do Ceará, o dono, Geraldo Alves Vieira, admitiu que pode ser preso pela Polícia Federal após um prejuízo de 75% a cerca mil sócios estimado em R$ 10 milhões. O áudio com as declarações foi publicado no G1 na quinta-feira (22).

“Eu vou arcar com todos os prejuízos e punições que a CVM por acaso vier a dar. E se por acaso, que é provavelmente certo, a Polícia Federal vai me prender em algum dia”, disse Vieira durante a gravação.

Publicidade

Na semana passada, em nota, a Miner disse que teria sido vítima da JJ Invest, empresa investigada por pirâmide financeira cujo dono está foragido.

Prometeu, então, devolver o que sobrou — cerca de 25% dos fundos, que, de acordo com o áudio, seria de R$ 22 milhões. “Então eu vou ter cliente que vai perder R$ 1 milhão”, disse a suposta vítima.

Miner não pagou todos

Só no Ceará, são cerca de 200 clientes prejudicados com a situação. Em um escritório de advocacia que atende 10 vítimas, por exemplo, o prejuízo estimado é na ordem de R$ 755 mil, escreveu o G1.

O advogado Rômulo Marcel, que atende os 10 clientes em Fortaleza, disse que alguns investidores não receberam nenhum valor. “Nem todas as vítimas receberam os 25% que foram prometidos”, revelou a reportagem.

Publicidade

A Miner também ainda não forneceu evidências de que investia na JJ Invest, empresa criada por Jonas Spritzer Amar Jaimovick que deixou um prejuízo estimado em R$ 170 milhões.

Após a empresa ter anunciado o encerramento das operações no Brasil, muitos investidores não conseguiram resgatar suas aplicações.

Um dos motivos foi Vieira ter demorado sete dias para comunicá-los da proibição pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em abril deste ano. No áudio ele afirma que atuava irregularmente.

Quando questionado pelo cliente sobre o impacto que isso causaria nos sócios, Vieira disse que todos eles estariam isentos porque a responsabilidade seria somente dele.

De acordo com o áudio, a Miner gerenciava algo em torno de R$ 80 milhões de mais de mil investidores em todo o Brasil. Vieira disse que os 75% perdidos foram resultados de perdas em investimentos, mais precisamente por conta da variação do dólar.

Publicidade

“Você pode perder R$ 1 milhão em um minuto ou ganhar R$ 1 milhão em um minuto”, disse ele ao suposto cliente.

Contudo, antes dessas declarações, a Miner havia dito que o prejuízo dos 75% teria sido por conta de uma um golpe perpetrado pela JJ Invest.

“Os ativos tiveram variação negativa de 75,27% por conta de um golpe perpetrado contra a Miner pela JJ Invest, que lesou milhares de investidores no Brasil. Uma ação judicial é movida pela Miner na Justiça do Rio de Janeiro contra a JJ Invest para recuperar os valores e repassá-los aos cotistas”, escreveu a empresa na semana passada em um contraponto enviado à redação.

Miner e JJ Invest

No início do ano, Jonas Spritzer Amar Jaimovick, dono da JJ Invest, fez inúmeras aparições em redes sociais explicando a falta de pagamento dos associados e logo depois desapareceu.

Ele deixou um prejuízo estimado em R$ 170 milhões. A JJ Invest chamou a atenção de famosos e até chegou a patrocinar o time carioca Vasco da Gama.

Publicidade

Já Geraldo Vieira, o sócio Renee Silva e um representante chamdo Fabrício Brandão, apresentavam a Miner como um corretora de investimentos. No entanto, nem eles nem a JJ Invest tinham autorização para administrar carteiras de valores mobiliários.

Após relatos de clientes que pediram a devolução dos fundos e não foram atendidos, a Justiça de São Paulo determinou o bloqueio dos bens da empresa, assim como as contas pessoais de Geraldo Alves Vieira e Rene Antônio da Silva, proprietários Miner.

Com isso, os dois serão investigados por possível desvio de ativos dos cotistas.


 Compre criptomoedas na 3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Três policiais na porta de suspeito de tráfico de drogas no MT

Servidor que usava sistema de secretaria para vendas de drogas com criptomoedas na dark web é preso no MT

A plataforma de comércio ilegal de entorpecentes funcionava através da rede Tor
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Estudo mostra que 61% dos investidores brasileiros não pretendem vender Bitcoin

Pesquisa realizada pela Bitget releva otimismo pós-halving do Bitcoin