Escritório da MSK Invest
Foto: Reprodução

O Jornal Nacional, da TV Globo, destacou na noite de segunda-feira (04) o suposto golpe de pirâmide financeira chamado MSK Invest, empresa que prometia ganhos fixos de 5% por meio de investimentos em criptomoedas. Na reportagem, uma das milhares de vítimas do negócio afirmou que não recebeu nada de volta.

“Zero dinheiro”, disse na reportagem Silvio Charles Martins Alves, que investiu R$ 340 mil no negócio. Segundo ele, o primeiro aporte foi de R$ 20 mil em 2017. Em 2019, após o falecimento de sua mãe, ele afirma também ter aplicado no esquema a herança que recebeu.

Publicidade

Por conta da quebra da empresa no ano passado, Silvio conta que sobrevive apenas com o que ganha em seu trabalho. “Não tenho absolutamente nada, a não ser o dinheiro do que estou trabalhando atualmente”, disse ele.

Sem pagamento

Segundo a reportagem, as reclamações contra a MSK no Procon, órgão de defesa do consumidor de São Paulo, saltaram de 39 para 1.159 desde 2021, e os valores cobrados somam mais de R$ 200 milhões.

Em fevereiro deste ano, Glaidson Rosa — que é sócio no negócio com Carlos de Luca, segundo formulário da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), disse que a MSK não iria honrar com os compromissos assumidos em um acordo celebrado com o órgão.

O acordo entre Procon e MSK Invest previa que o reembolso seria feito em cinco parcelas, com início no dia 30 de janeiro. Se a empresa não cumprisse, seria aplicada uma multa de R$ 2 milhões. 

Publicidade

E foi o que aconteceu. No dia 31 de janeiro, o Portal do Bitcoin conversou com um advogado que atende seis pessoas e nenhuma havia recebido alguma parcela.

Àquela altura, a Justiça de São Paulo já havia feito um pedido de bloqueio de R$ 100 mil da empresa MSK Invest, além de apontar indício de má-fé e de tentativa de não cumprir contratos com clientes.

A Polícia Civil de São Paulo abriu inquérito para apurar se a MSK montou um esquema de pirâmide financeira e também mobilizou seus agentes da Divisão de Crimes Cibernéticos para investigar onde foram parar os fundos dos clientes.

“Desconfie sempre”, alerta especialista

Acerca do caso da MSK e de outros casos semelhantes que ocorreram nos últimos anos, onde as criptomoedas foram usadas como isca por fraudadores, a reportagem do Jornal Nacional consultou  o professor de finanças William Eid, que atua na Fundação Getúlio Vargas.

Publicidade

Segundo ele, a primeira coisa que o investidor deve fazer é “sempre desconfiar, principalmente de ofertas muito generosas”. Ele acrescentou:

“Desconfie sempre. Não adianta ir atrás de uma rentabilidade de 15% ao mês, se as rentabilidades médias são de 1% ou 1,5% ou 0,8%, como é a renda fixa no Brasil. As pessoas precisam entender que, para juntar dinheiro, para ter bons investimentos, é preciso disciplina, conhecimento”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

Blockchain deve chegar com casos de uso: diploma digital pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa e uma cadeia de custódia de provas
Imagem da matéria: Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

“Alcançamos nosso objetivo e agora, de acordo com o planejado, é hora de nos aposentarmos”, disseram os desenvolvedores do drenador de carteiras cripto
Moeda de Bitcoi sob mapa da América comd estaque para Venezuela

Venezuela quer desativar todas as fazendas de mineração de criptomoedas do país

O governador do estado de Carabobo afirmou que o governo está prestes a publicar um decreto que irá proibir a mineração de criptomoedas
tornado cash 1

Desenvolvedor do Tornado Cash é condenado a 5 anos de prisão por lavagem de dinheiro

“O Tornado Cash, em sua natureza e funcionamento, é uma ferramenta destinada a criminosos”, disse um dos juízes ao condenar Alexey Pertsev