Imagem da matéria: Tether continua apoiando Tornado Cash mesmo após sanções impostas pelos EUA
Foto: Shutterstock

A maior emissora de stablecoins do mundo, Tether, pode não estar cumprindo com as sanções do Departamento do Tesouro Americano contra o mixer de privacidade para transações com criptomoedas Tornado Cash, segundo um artigo do jornal Washington Post publicado nesta quarta-feira (24).

O jornal cita a análise de dados pela empresa de inteligência cripto Dune Analytics para afirmar que a Tether, com sede em Hong Kong, não restringiu nenhuma conta associada ao Tornado Cash.

Publicidade

O diretor de tecnologia da Tether, Paolo Ardoino, contou ao Washington Post que a empresa ainda não foi contatada por autoridades americanas com um pedido para congelar transações do Tornado Cash.

Ele acrescentou que a Tether “geralmente cumpre com pedidos de autoridades americanas” e considera as sanções do Departamento do Tesouro Americano “como parte de seu programa de compliance a nível mundial”.

O Decrypt entrou em contato com a Tether para questionar se esta está implementando sanções contra o Tornado Cash, mas ainda não obteve resposta.

Tornado Cash se beneficia da tempestade

No início de agosto, o Departamento do Tesouro Americano anunciou sanções contra o Tornado Cash, afirmando que tomou medidas porque  criminosos haviam usado o mixer de privacidade “para lavar mais de US$ 7 bilhões em moedas virtuais desde sua criação em 2019”.

Publicidade

Embora US$ 7 bilhões seja aproximadamente a quantia total de fundos que passaram pela ferramenta de privacidade, de acordo com os dados blockchains verificados pela Elliptic, apenas US$ 1,5 bilhão foram obtidos ilegalmente.

Muitos nos EUA e em outros países se opuseram às sanções.

O grupo de ativistas de direitos digitais, Electronic Frontier Foundation (ou EFF), afirmou estar “bastante preocupado” enquanto o grupo de defesa cripto Coin Center alega estar “analisando [a possibilidade de] uma contestação no tribunal”.

Jesse Powell, CEO da corretora cripto Kraken, entrou para o coro de vozes que estão chamando as sanções de “inconstitucionais”.

A repressão ao Tornado Cash na Holanda

Cinco dias após os EUA anunciarem as sanções ao Tornado Cash, o Serviço de Investigações e Informações Fiscais da Holanda (ou FIOD) anunciou ter prendido um desenvolvedor “suspeito” de estar envolvido com o mixer cripto.

Publicidade

Fãs do setor cripto e defensores da privacidade criticaram a prisão como uma declaração de guerra contra programadores.

Embora a iniciativa pareça estar relacionada às sanções americanas, o FIOD enfatizou que está trabalhando com a Promotoria Holandesa, mas não estava envolvido com o governo americano nem realizou a prisão por conta da restrição do mixer pelo Tesouro Americano.

A organização sem fins lucrativos DeFi Education Fund entrou em contato com o FIOD para perguntar sobre a prisão.

A agência se negou a verificar se o acusado seria Alexey Pertsev, 29, mas afirmou que a programação “pode ser passível de punição” se um desenvolvedor escrever um código “com o único propósito de cometer atos criminosos”.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

Quer negociar mais de 200 ativos digitais na maior exchange da América Latina? Conheça o Mercado Bitcoin! Com 3,8 milhões de clientes, a plataforma do MB já movimentou mais de R$ 50 bilhões em trade in. Crie sua conta grátis!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Como a tokenização vai revolucionar o agronegócio no Brasil | Opinião

Como a tokenização vai revolucionar o agronegócio no Brasil | Opinião

Em 2023 o PIB do agronegócio correspondeu a quase 24% do PIB do Brasil, conforme aponta pesquisa feita pela USP
Imagem da matéria: Standard Chartered diz que Bitcoin pode atingir US$ 100 mil antes das eleições nos EUA

Standard Chartered diz que Bitcoin pode atingir US$ 100 mil antes das eleições nos EUA

Para o banco americano, o Bitcoin pode bater nova máxima já esta fim de semana e caso de bons dados de emprego, enquanto para o fim do ano a projeção é de US$ 150 mil
Imagem da matéria: Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Relatório da Crystal Intelligence mostra que em 13 anos ocorreram 785 casos de roubos de criptomoedas, no valor total de US$ 19 bilhões
Celular mostra logotipo da Solana

Solana labs lança plataforma para programas de fidelidade

A empresa promete processo de integração cujas marcas “não precisam de nenhum conhecimento em blockchain”