Imagem da matéria: Terra (LUNA) é acusada de lavar US$ 5 milhões por meio de empresa de fachada
(Foto: Shutterstock)

A Terraform Labs, empresa por trás da criptomoeda Terra (LUNA) e que tem como líder o encrencado empresário sul-coreano Do Kwon, pode ter lavado cerca de US$ 5 milhões por meio de uma empresa de fachada da Coreia do Sul. A denúncia foi publicada na segunda-feira (30) pela emissora de TV KBS.

De acordo com a reportagem, Kwon teria transferido 6 bilhões de won (US$ 4,8 milhões) para uma empresa de consultoria blockchain com sede na capital, Seul. O dinheiro teria sido declarado como “outras despesas” no imposto de renda da Terraforms.

Publicidade

A empresa, descrita pelo site como “K” — e que teria sido criada em 2018, mesmo da fundação da Terraforms Lab — seria de fachada: ela teria usado o nome da Terra para atuar, inclusive identificando sua marca no hall de entrada do prédio onde fica o escritório.

Apesar de estar de portas fechadas, como mostra um vídeo gravado no local, “há sinais de trabalho”, ressalta a reportagem. Supostamente devido aos problemas que a Terra enfrenta, a identificação “foi removida nesse meio tempo”, alegou à KBS uma equipe do local.

“A maioria dos funcionários são desenvolvedores que estiveram envolvidos no projeto Terra e trabalharam praticamente sem fronteiras entre as duas empresas. Funcionários de um escritório próximo também dizem que parecia a mesma empresa”, descreve a reportagem.

Para completar a denúncia, a emissora diz que o CEO da ‘K’, Mo Kim, trabalhou no desenvolvimento da Terra. No entanto, ele negou que sua empresa seria uma subsidiária fachada da Terraforms.

Publicidade

FatManTerra reforça denúncia

No mesmo dia da denúncia, o usuário do Twitter ‘FatManTerra’, que vem constantemente criticando supostos esquemas de Do Won, endossou a reportagem e trouxe detalhes em uma série de tuítes — vale lembrar que FatMan também acusou recentemente Kwon de uma fraude cometida por meio do Mirror Protocol (MIR).

“Por que isso é interessante? Bem, as autoridades fiscais da Coreia informaram que, no ano passado, a Terra enviou 6 bilhões de won (US$ 4,8 milhões) ao CEO da empresa K. Isso foi relatado nos livros como ‘outras despesas’. Hipoteticamente, se as duas fossem a mesma, isso indicaria lavagem”, escreveu.

Ele também associou outra empresa, Kernel Labs, como associada da Terraforms.

Governo da Coreia do Sul intima funcionários do Terra Labs

No último sábado (28), a emissora local JTBC revelou que funcionários da Terraform Labs foram intimados por promotores da Coreia do Sul a depor sobre as operações da empresa.

Na terça (31), também foi noticiado por um site local que reguladores sul-coreanos estão intensificando a supervisão ao setor cripto após o crash do ecossistema Terra e que para isso será criado o ‘Comitê de Ativos Digitais’.

Publicidade

A nova entidade será uma versão maior e reorganizada do Comitê Especial de Ativos Virtuais (SCVC), que foi formado após o crash da TerraForm Labs no mês passado, que viu sua stablecoin TerraUSD (UST) e seu token de governança Terra (LUNA) perderem bilhões em questão de dias.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Ex-diretor da FTX deve pegar até 7 anos de prisão, pedem promotores dos EUA

Ex-diretor da FTX deve pegar até 7 anos de prisão, pedem promotores dos EUA

Ryan Salame foi um dos executivos da FTX que coordenaram a doação de milhões para campanhas políticas usando dinheiro dos clientes
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona
ilustração mostra logo da pepecoin PEPE subindo ao céu

Trader transforma R$ 2 mil em R$ 17 milhões graças ao triunfo da Pepecoin (PEPE)

Ao comprar a memecoin após o lançamento, o trader teve um ganho de 7.368x no investimento
Logo da ftx, dólares e bitcoin

Analistas preveem alta no mercado cripto com ressarcimento bilionário a clientes da FTX

A FTX deve cerca de US$ 11 bilhões a credores, mas a massa falida conseguiu levantar mais de US$ 14 bilhões