Imagem da matéria: Sócio da GAS Consultoria volta para o presídio após decisão da Justiça
Tunay Pereira Lima, sócio de Glaidson Acácio dos Santos (Foto: Reprodução)

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) revogou a prisão domiciliar de Tunay Pereira Lima, acusado de ser um dos sócios da GAS Consultoria, empresa de investimentos em criptomoedas liderada por Glaidson Acácio dos Santos, o ‘faraó do bitcoin’. Tunay foi preso na noite de segunda-feira (4) pela Polícia Federal após decisão do ministro Jesuíno Rissato em desfavor de um habeas corpus. 

O habeas corpus em questão — HC Nº 705558 — é substitutivo de recurso ordinário, com pedido liminar, impetrado em favor de Tunay contra um acórdão prolatado pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, ressalta o documento.

Publicidade

Tunay figura entre os acusados de crime contra o sistema financeiro, lavagem de dinheiro e organização criminosa, assim como Glaidson. O “faraó do bitcoin” também é suspeito de encomendar o assassinato de Nilson Alves da Silva no ano passado, que mantinha um negócio financeiro supostamente rival.

Segundo o ministro, as acusações do “paciente apontado como sócio administrador da empresa G.A.S.” são amparadas em inquérito policial e múltiplas medidas cautelares instrumentais, como quebra de sigilo bancário; fiscal; telemático; entre outros.

“Os suficientes indícios da prática de crime na forma como tratados na decisão que decretou a prisão preventiva estão robustecidos pela denúncia”, ressalta Rissato.

Faraó do bitcoin

Na última quarta-feira (30), o mesmo ministro do STJ negou o pedido de Habeas Corpus feito por Glaidson Acácio dos Santos, conhecido como “Faraó do Bitcoin” e criador da GAS Consultoria.

Publicidade

O magistrado ressaltou que não há nenhuma ilegalidade na prisão preventiva de Glaidson e que e que o réu continua sendo um perigo para a sociedade.

Caso GAS Consultoria

O negócio da GAS Consultoria consistia em oferta de investimentos em supostas operações com criptomoedas cujo rendimento prometido era na casa dos 10% ao mês.

A CVM viu indícios de crime contra a economia popular e denunciou a empresa ao Ministério Público que deu andamento no processo.

A GAS Consultoria parou de pagar seus clientes, alegando impossibilidade pelo fato de a Justiça ter ordenado o bloqueio de R$ 38 bilhões em ativos da empresa.

Publicidade

A Operação Kryptos foi deflagrada em 25 de agosto de 2021 em decorrência de denúncias da CVM e Ministério Público. Em sua primeira batida, encontrou na casa de Glaidson 13 milhões em espécie em várias malas, carros de luxo, joias e 591 bitcoins.

Glaidson foi preso na manhã do mesmo dia, assim como outros suspeitos. Sua esposa Mirelis Yoseline Diaz Zerpa, acusada de participação e movimentação de fundos, conseguiu se safar até o momento, mas é considerada foragida da Justiça.

VOCÊ PODE GOSTAR
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

Memecoins da GameStop e Iggy Azalea encerram semana com perdas de até 50%

MOTHER – uma memecoin lançada pela rapper Iggy Azalea – despencou 38% nos últimos 7 dias
Bitcoin e grafico de mercado

Taxas do Bitcoin estão disparando novamente – e não é por causa de Runes ou Ordinals

Uma grande exchange está tentando organizar sua carteira Bitcoin e está queimando muito dinheiro no processo
Imagem da matéria: MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

“Muitas dessas novidades podem ser acessadas a partir de R$ 1. Isso dinamiza nosso portfólio, e viabiliza a democratização”, diz executivo
Imagem da matéria: Itaú passa a permitir compra e venda de Bitcoin e Ethereum para todos os clientes íon

Itaú passa a permitir compra e venda de Bitcoin e Ethereum para todos os clientes íon

Um dos pontos ressaltados pelo Itaú é que o banco oferece custódia própria de criptoativos, em tecnologia desenvolvida internamente