Imagem da matéria: Rede de testes  fará “ensaio geral” de transição para o Ethereum 2.0 nesta semana
(Foto: Shutterstock)

A Ropsten será a primeira rede de testes pública do Ethereum a migrar do mecanismo de consenso proof of work (ou PoW, na sigla em inglês) para o proof of stake (ou PoS) como parte da “Fusão” da blockchain, previsto para agosto.

Nesta segunda-feira (30), Tim Beiko, desenvolvedor geral do Ethereum, compartilhou a notícia no Twitter: “A mais antiga rede de testes PoW do Ethereum está migrando para o proof of stake! Uma nova beacon chain foi lançada hoje e espera-se que sua Fusão aconteça no dia 8 de junho na rede”.

Publicidade

Beiko chamou a notícia de “primeiro ensaio geral” para mineradores.

Na sequência, Beiko publicou uma série de tuítes para explicar os detalhes técnicos da Fusão para mineradores. Ele informou a desenvolvedores que “basicamente nada deve mudar” após a Fusão.

Nesta quinta-feira (2), a recém-lançada beacon chain da Ropsten passará por uma atualização chamada “Bellatrix”, para ser compatível com a Fusão. Alguns dias depois, um valor conhecido como “Terminal Total Difficulty” (ou TDD) será definido por mineradores para que a transição seja ativada. Mineradores vão precisar configurar seus nós com esse valor.

Segundo uma publicação do Ethereum: “Após a transição da Ropsten, duas outras redes de teste (Goerli e Sepolia) farão a transição ao proof of stake antes que o foco mude para a rede principal”.

Recentemente, a Ethereum Foundation também aumentou as recompensas por caça a falhas para ajudar a facilitar uma transição livre de problemas.

Publicidade

Ethereum, redes de teste e a Fusão

Lançada em 2016, Ropsten é a rede de testes (ou “testnet”) PoW mais antiga do Ethereum. Redes de teste são idênticas, em cada aspecto fundamental, à “rede principal” (ou “mainnet”) e são usadas por desenvolvedores para testar contratos autônomos e aplicações descentralizadas (ou dapps).

A Ropsten utiliza uma forma sem valor do Ethereum para realizar transações e testar o ambiente de codificação. Mudanças feitas à rede de testes não afetam a rede principal do Ethereum. Esse ambiente livre de consequências concede aos desenvolvedores percepções importantes sobre possíveis problemas que possam surgir em seu código.

Anteriormente conhecida como “Ethereum 2.0”, a tão aguardada mega-atualização do Ethereum fará a transição da rede de um algoritmo de consenso PoW à la Bitcoin — onde transações são validadas por mineradores com muito poder computacional — para PoS — onde mineradores que alocam mais garantias são os que têm mais chance de validar transações.

O Ethereum afirma que a transição irá reduzir o consumo de energia da blockchain em até 99,5%.

“A Fusão” se refere ao momento em que a rede principal do Ethereum irá se convergir com a Beacon Chain, que já utiliza o PoS. Em seguida, a Ethereum 2.0 — que, recentemente, foi renomeada como “Consensus Layer” ou “Camada de Consenso” — estará funcionando plenamente.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Foco em uma moeda dourada de Ethereum (ETH)

Aprovação do ETF de Ethereum pode acontecer antes do esperado, diz Coinbase

Maior exchange de criptomoedas dos EUA, a Coinbase está confiante de que a SEC aprovará ETFs de Ethereum à vista muito em breve, apesar do pessimismo mais amplo
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

GameStop e AMC desabam com fim da euforia do retorno de Roaring Kitty

As ações memes da GameStop e AMC caíram drasticamente após a abertura dos mercados dos EUA na quinta-feira, recuando pelo menos 15%
Imagem da matéria: 5 coisas para saber sobre o lançamento do token do Notcoin

5 coisas para saber sobre o lançamento do token do Notcoin

Quando o token NOT será lançado? Qual o futuro para a Notcoin? É melhor fazer stake dos tokens? Preparamos um resumo para você
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink