Imagem da matéria: Real fraco ajuda Bitcoin a bater recorde de preço no Brasil e superar R$ 70 mil
Foto: Shutterstock

O preço do bitcoin no Brasil chegou a R$ R$ 70.974 na manhã desta quarta-feira (21), superando a máxima histórica de dezembro de 2017 de R$ 69.702, conforme o índice do Portal do Bitcoin. Em dólar, o ativo registrou US$ 12.880 — longe do recorde de quase US$ 20.000.

Mas por que o bitcoin bateu recorde histórico em real e em dólar não? O real desvalorizou 37% em 2020 frente ao dólar americano, o que impulsionou ativos cotados em dólar, como o bitcoin.

Publicidade

Além disso, neste ano a cotação do bitcoin em dólar valorizou quase 60%. Somando isso a uma desvalorização brutal do Real, o preço do ativo no Brasil teve uma alta de 138%, levando a criptomoeda a superar a máxima histórica de 2017, quando o bitcoin era negociado a US$ 20 mil (a cotação do dólar na época era de R$ 3,30).

A valorização se dá por diversos motivos. Um dos mais importantes foi o anúncio de que gigante de pagamentos PayPal irá permitir que seus clientes comprem e vendam criptomoedas.

Para João Paulo Oliveira, criador da fintech de investimentos Nox Bitcoin, algo similar está acontecendo em todos os mercados indexados ao dólar, como carros importados e eletrônicos:

“O que confirma o papel do bitcoin como um ativo de proteção que, no futuro, cumpra o papel de reserva de valor”.

Publicidade

O movimento é reforçado pelo excesso de liquidez no mundo decorrente da impressão de dólares pelo banco central dos Estados Unidos. Ao mesmo tempo em que há mais dinheiro em circulação, existe menos alternativas de alocação.

“Temos um cenários de renda fixa pagando juros negativos, de medo de deixar o dinheiro parado e ele ser corroído pela inflação. Então começa a fazer sentido apostar em bitcoin para quem não ainda estava nesse mercado”, diz Oliveira.

Capital aberto

Ao mesmo tempo, em Wall Street, algumas empresas estão colocando bitcoin em seus portfólios. O caso mais recente foi da primeira empresa listada da Nasdaq a fazer tal movimento. Em setembro, a Microstrategy fez duas grandes compras que somadas totalizam 55 mil bitcoins.

No início do mês foi a vez da Square, empresa do criador do Twitter, Jack Dorsey, investir no criptoativo. Foi feita uma compra que totalizou US$ 50 milhões, o que representa 1% dos ativos da empresa.

Publicidade

Para completar, um outro sinal são os fundos da gigante Grayscale — cujo valor total dos ativos administrados pela empresa atingiu US$ 6,5 bilhões pela primeira vez. O maior dos fundos da empresa de longe – Grayscale Bitcoin Trust (GBTC) – atualmente excede US$ 5,4 bilhões. Trata-se do melhor trimestre da história da companhia.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de Bitcoin à frente do logotipo do Goldman Sachs

ETF de Bitcoin da BlackRock ganha apoio de gigantes de Wall Street, como Goldman Sachs e Citadel

O sucesso dos ETFs de Bitcoin está forçando até os céticos das criptomoedas a clamarem por um espaço no setor
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Fundador da FTX recorre de sentença de 25 anos e Bitcoin (BTC) estaciona em US$ 70 mil

Manhã Cripto: Fundador da FTX recorre de sentença de 25 anos e Bitcoin (BTC) estaciona em US$ 70 mil

Mercado de criptomoedas opera sem tendência definida nesta sexta-feira (12), apesar do fluxo negativo de fundos com exposição direta ao Bitcoin
moeda de bitcoin e logo da grayscale ao fundo

ETF de Bitcoin da Grayscale já perdeu 50% de suas reservas de BTC desde janeiro

No mesmo período, os ETFs de Bitcoin da BlackRock e Fidelity ganharam até 32% de participação de mercado
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação