Imagem da matéria: STF mantém decisão que mandará criador de Telexfree para prisão nos EUA
Carlos Wanzeler, um dos sócios da Telexfree, pode ser extraditado para os EUA. (Imagem: Reprodução)

A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu manter o processo de extradição para os EUA de Carlos Nataniel Wanzeler, criador da extinta pirâmide financeira Telexfree. A decisão por uma “questão de ordem” foi anexada ao processo na terça-feira (20) no site do STF.

De acordo com o andamento do processo, a maioria da Turma derrubou uma liminar do ministro Marco Aurélio registrada no início deste mês.

Publicidade

Na ocasião, o magistrado, que integra a 1ª Turma, suspendeu o prosseguimento no processo de extradição depois de a defesa de Wanzeler solicitar a rescisão da regra que o fez perder a cidadania brasileira.

O novo julgamento foi então registrado na segunda-feira (19) para ser cumprido no dia seguinte.

“A Turma, por maioria, resolveu a questão de ordem para determinar o regular prosseguimento do feito, nos termos do voto do Relator, vencido o Ministro Edson Fachin. Presidência do Ministro Gilmar Mendes. 2ª Turma”, diz a decisão.

Segundo a decisão, o relator da ação de extradição, o ministro Ricardo Lewandowski, considerou “anômala” a liminar de Marco Aurélio.

Para o ministro, apenas o relator e o colegiado do qual faz parte tem competência para suspender liminarmente o trâmite de ação judicial em andamento no STF.

Publicidade

De acordo com o texto, o único a divergir foi o ministro Edson Fachin que apesar de demonstrar desconforto, entendeu que tal decisão seria possível já que foi tomada em ação rescisória. 

No Brasil, Wanzeler responde a milhares de processos — ações civis e tributárias, penais e uma ação civil pública.

Como operava a Telexfree

Idealizado por Carlos Wanzeler, o esquema da Telexfree que causou US$ 3 bilhões de rombo a mais de 1 milhão de credores pelo mundo trata-se de venda de pacotes de telefonia, mas que não passavam de fachada.

Para divulgar o produto, a empresa adotou um sistema de marketing multinível que custava US$ 50 (cerca de R$ 200) só de taxa de adesão. Os preços dos pacotes iam de US$ 289 a US$ 1.375.

Para obter lucro, o ‘divulgador’ teria que comprar e revender pacotes para quem quisesse entrar no negócio. Desta forma, ele ganhava um bônus por indicação.

Publicidade

A recompensa estimulava o crescimento da rede, mas que passaria a ser insustentável quando parasse de entrar pessoas, um desfecho certo em qualquer esquema de pirâmide, ou Ponzi.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Atlético-MG, Bahia, Flamengo, Fluminense, Palmeiras, Internacional, São Paulo e Vasco da Gama são times que integram a nova campanha da Chiliz
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Tokenização de ativos enfrenta área cinzenta na declaração de Imposto de Renda |Opinião

Para o autor, a declaração de tokens que representam recebíveis, e outros ativos do mundo real, devem mudar nos próximos anos
Rafael Rodrigo , dono da, One Club, dando palestra

Clientes acusam empresa que operava opções binárias na Quotex de dar calote milionário; dono nega

Processos judiciais tentam bloquear R$ 700 mil ligados à One Club, empresa de Rafael Rodrigo
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Quase 80% dos brasileiros desejam mais regulamentação em cripto, aponta pesquisa

Pesquisa que abrangeu América Latina teve 827 respondentes no Brasil, entre usuários e não usuários de criptomoedas