Imagem da matéria: Quatro meses depois de ser contratado, Safiri Felix sai da Atlas Quantum
(Foto: Facebook)

O especialista em criptomoedas Safiri Felix deixou a Atlas Quantum depois de quatro meses na empresa. Ele havia sido contratado em meados de abril para o cargo de Decentralized Finance e Blockchain Ventures.

Nem o apresentador do Infomoney nem a startup quiseram comentar o assunto. Portanto, ainda não se sabe se foi uma demissão ou uma decisão pessoal do profissional. Em seu Linkedin, não há menção da breve passagem pela empresa. A desenvolvedora Solange Guelros, contratada na mesma época, permanece no cargo.

Publicidade

A chegada havia sido vista como mais um passo da expansão da startup, que vem contratando muito profissionais e anunciando pesadamente na grande imprensa. No caso, era um nome que agregava também um valor de legitimidade.

Além de apresentador do Infomoney, Safiri trabalhou como business developer na divisão brasileira da Consensys, empresa de tecnologia blockchain criada pelo cofundador do Ethereum, Joseph Lubin.

Além disso, debateu cara a cara durante um programa da Globonews com o então apresentador da Samy Dana — tradicional crítico das criptomoedas , recentemente demitido da Globo. Na ocasião, apesar das constantes interrupções, ele esclareceu conceitos e se manteve firme na defesa da tecnologia.

A Atlas Quantum é uma empresa especializada em arbitragem que promete rentabilizar os bitcoins dos clientes. A companhia atualmente conta tem mais de 250 funcionários, conforme o Linkedin.

Publicidade

A empresa vem investindo pesado em marketing. No momento, está veiculando uma campanha em grandes canais de TV. Um dos comerciais foi apresentado em horário nobre, durante o Jornal Nacional da TV Globo.

A estratégia de propaganda envolve veiculações no SBT, Bandeirantes, Globonews, Bandnews, SporTV, Telecine, Fox, Warner e TNT.

VOCÊ PODE GOSTAR
mão segura celular com logo do whatsapp

WhatsApp pirata pode estar minerando criptomoedas no seu celular sem você saber

Conhecidos como WhatsApp GB, Aero e Plus, as cópias não autorizadas do app oficial da Meta podem abrir portas para vazamento de mensagens, fotos e áudios, dizem especialistas