bitcoin, compra
Foto: Shutterstock

O Ministério Público do Condado de Monmouth, Nova Jersey, EUA, comunicou na semana passada que liquidou cerca de US$ 200 mil em criptomoedas apreendidas há cerca de três anos durante uma ação contra o tráfico de drogas. Segundo a nota do Gabinete, os ativos estavam congelados desde a época do confisco, quando foram avaliados em US$ 57 mil. Com a liquidação, os cofres públicos obtiveram um ‘lucro’ de US$ 143 mil.

“Nossa equipe concluiu com êxito o processo de liquidação das criptomoedas confiscadas perfazendo US$ 198.237,31 que estão sendo enviados da Coinbase para a conta de confisco do Condado de Monmouth”, escreveu o órgão.

Publicidade

Segundo o promotor Christopher J. Gramiccioni, o MP de Monmouth passa a ser a primeira agência estadual de Nova Jersey a fazer apreensões de criptomoedas em dois casos separados originados em 2017 e 2018 e que concluiu sua liquidação para os cofres públicos.

Traficante mantinha criptomoedas

De acordo com o comunicado, a apreensão dos ativos e de outros produtos ocorreu em 2018 em dois locais diferentes usados pelo criminoso, o americano Giddel Gonzalez-Estrada, morador de Long Branch, cidade em Nova Jersey. As criptomoedas só foram congeladas depois que as investigações mostraram que elas eram fruto da atividade do tráfico, escreveu a promotoria.

Na ocasião, além das criptomoedas, foram apreendidos cerca de US$ 32 mil em dinheiro, aproximadamente 500 gramas de cocaína, maconha e uma arma de fogo. “Grandes quantidades de embalagens, materiais de pesagem e vários apetrechos usados ​​para a venda e distribuição de entorpecentes”, ressaltou o órgão.

Em 2019, Gonzalez se confessou culpado e foi condenado a 10 anos em uma prisão estadual de Nova Jersey. A sentença foi proferida pela juíza Lourdes Lucas, confiscando os bens apreendidos na investigação para o Gabinete do Promotor do Condado de Monmouth.

Publicidade

O promotor Gramiccioni disse que está orgulhoso dos trabalhos investigativos que estão sendo realizados para descobrir “esses métodos modernos usados ​​para ocultar ativos oriundos de atividades criminosas no mundo cibernético”. Ele acrescentou:

“Isso vai servir como um modelo eficaz para as agências estaduais de aplicação da lei no mercado de criptomoedas — um lugar onde podemos esperar que o produto dos crimes continue sendo escondido”.

Outro caso ocorreu em 2017

O caso de Gonzalez, contudo, não é o primeiro do Condado de Monmouth. Segundo a promotoria, a primeira apreensão de criptomoedas ocorreu em 2017 após a prisão de duas pessoas acusadas de fraude em instituições financeiras e roubo de identidade. Na época, os ativos foram avaliados em mais de US$ 200 mil.

“O valor dessa criptomoeda é agora estimado em mais de US$ 1,25 milhão”, disse o órgão, sem especificar o nome do cripto ativo. 

Publicidade

Ao contrário do caso de Gonzales, os acusados desse episódio ainda vão ser julgados. O processo envolve mais 16 suspeitos e está em andamento na Justiça de Monmouth.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de moeda NOT dourada com logotipo do jogo Notcoin do Telegram

Usuários do Notcoin agora recebem benefícios nos jogos Pixelverse e Musk Empire

O jogo cripto original do Telegram se uniu ao Pixelverse e Musk Empire para oferecer benefícios especiais aos jogadores
Imagem da matéria: Drake perde R$ 1,6 milhão em Bitcoin apostando contra Argentina e é zoado por seleção: “Not Like Us”

Drake perde R$ 1,6 milhão em Bitcoin apostando contra Argentina e é zoado por seleção: “Not Like Us”

A equipe argentina provocou Drake fazendo referência a música “Not Like Us” de Kendrick Lamar que detona o rapper
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank Cripto expande funcionalidade de alerta de preços de criptomoedas

É possível ativar o recebimento de alertas a partir de variações de preço de 3%, 6% ou 9% – sempre dentro de um período de 24 horas
Dedo indicador apoia bolo de dinheiro em forma digital

LIFT Lab do BC retorna com edição focada em blockchain, tokenização e cripto

Desde 2018, projetos que chegaram na fase de aceleração do LIFT Lab receberam R$ 400 milhões da iniciativa privada para serem desenvolvidos